Transtorno do pânico: Causas, sintomas, tratamento

Causas do transtorno do pânico, sintomas, tratamento

Síndrome do pânico

O que é o Transtorno de Pânico?

No transtorno do pânico, breves episódios de medo intenso são acompanhados por sintomas físicos múltiplos (tais como tonturas e palpitações cardíacas) que ocorrem repetidamente e inesperadamente, na ausência de qualquer ameaça externa. Esses “ataques de pânico”, que são a marca registrada do transtorno do pânico,  acredita-se, ocorrem quando um mecanismo normal do cérebro para reagir a uma ameaça – a chamada resposta  de”luta ou fuga” – torna-se inadequadamente excitada. A maioria das pessoas com transtorno do pânico também se sente preocupada com a possibilidade de ter outro ataque de pânico e evita situações que acredita que esses ataques são prováveis de ocorrer. A ansiedade sobre outro ataque, e a evitação que isso provoca, pode levar à incapacidade no transtorno do pânico.

Quem tem Transtorno de Pânico?

Nos Estados Unidos, 1,6% da população adulta, ou mais de 3 milhões de pessoas, terá transtorno do pânico em algum momento de suas vidas. A doença geralmente começa na idade adulta jovem, mas as pessoas mais velhas e as crianças podem ser afetadas. As mulheres são afetadas duas vezes mais que os homens. Enquanto as pessoas de todas as raças e classes sociais podem ter transtorno do pânico, parece haver diferenças culturais na forma como sintomas individuais são expressos.

 

Causas do Transtorno do Pânico

O Instituto Nacional de Saúde Mental dos EUA apoia um programa de investigação considerável e multifacetado sobre o transtorno do pânico – suas causas, diagnóstico, tratamento e prevenção. Esta pesquisa envolve estudos de transtorno do pânico em seres humanos e investigações sobre a base biológica para a ansiedade e os fenômenos relacionados em animais. Ela é parte de um esforço maciço para vencer os principais transtornos mentais, um esforço que começou na década de 1990 – a década do cérebro. Aqui está uma descrição de algumas das novas pesquisas mais importantes sobre o transtorno do pânico e suas causas.

Genética

O transtorno do pânico passa pela família. Um estudo demonstrou que, se um componente de par de gêmeos geneticamente idêntico tem transtorno do pânico, é provável que o outro também tenha. Pares de gêmeos fraternos, ou não-idênticos não mostram esse alto grau de “concordância” com relação ao transtorno de pânico. Assim, parece que algum componente genético, em combinação com o ambiente, pode ser responsável pela vulnerabilidade a esta condição.
Cientistas estão estudando famílias em que vários indivíduos tem transtorno de pânico. O objetivo destes estudos é identificar o gene ou genes específicos envolvidos na doença. A identificação destes genes podem levar a novas abordagens para diagnóstico e tratamento de transtorno do pânico.

Cérebro e anormalidades bioquímicas

Localização do hipocampo
Localização do hipocampo
Uma linha de evidência sugere que o transtorno do pânico pode estar associada com o aumento da atividade no hipocampo e no lócus cerúleo, partes do cérebro que controlam os estímulos externos e internos e controlam respostas do cérebro a eles. Além disso, tem sido mostrado que os pacientes com transtorno de pânico te, aumento da atividade de uma porção do sistema nervoso chamado sistema adrenérgico, que regula as funções fisiológicas tais como a taxa cardíaca e temperatura do corpo. No entanto, não é claro se estes aumentos refletem os sintomas de ansiedade ou se causam eles.
Outro grupo de estudos sugere que as pessoas com distúrbio do pânico podem ter anormalidades nos seus componentes, receptores de benzodiazepina que reagem com substâncias redutoras da ansiedade dentro do cérebro.
Na condução de suas pesquisas, os cientistas podem usar várias técnicas diferentes para provocar ataques de pânico em pessoas que têm transtorno do pânico. O método mais conhecido é a administração intravenosa de lactato de sódio, a mesma substância química que normalmente se acumula nos músculos durante o exercício pesado. Outras substâncias que podem desencadear ataques de pânico em pessoas suscetíveis incluem a cafeína (geralmente são necessárias 5 ou mais xícaras de café). Hiperventilação e respirar o ar com um nível mais elevado do que o usual de dióxido de carbono também pode desencadear ataques de pânico em pessoas com transtorno do pânico.
Porque essas provocações geralmente não desencadeam ataques de pânico em pessoas que não têm o transtorno do pânico, os cientistas têm inferido que os indivíduos que têm transtorno do pânico são biologicamente diferentes de alguma forma das pessoas que não têm. No entanto, também é verdade que, quando as pessoas são propensas a ataques de pânico são informadas com antecedência sobre as sensações que essas provocações vão causar, são muito menos propensas a entrar em pânico. Isto sugere que existe um forte componente psicológico, bem como biológico, na desordem de pânico.
Investigadores apoiados pelo NIMH estão examinando partes específicas do cérebro e do sistema nervoso central para saber quais os que desempenham um papel no transtorno do pânico, e como eles podem interagir para dar origem a esta condição. Outros estudos financiados pelo Instituto estão em andamento para determinar o que acontece durante o ataques de pânico “provocado”, e para investigar o papel de irregularidades respiratórias em ansiedade e ataques de pânico.

Estudos em Animais

 macaco-rhesus-harry-harlowEstudos de ansiedade em animais  estão fornecendo aos investigadores pistas para as causas subjacentes a este fenômeno. Uma série de estudos envolve uma linha pura de cães da raça pointer que exibem medo extremo e anormal quando abordados por seres humanos ou assustados por ruídos altos. Em contraste com os cachorros normais, estes cães nervosos foram encontrados reagindo mais fortemente a cafeína e a tendo tecido do cérebro que é mais rico em receptores para a adenosina, um sedativo de ocorrência natural que normalmente exerce um efeito calmante dentro do cérebro. Um estudo destes animais pode revelar como uma predisposição genética para a ansiedade é expressa no cérebro.
Outros estudos em animais envolvem macacos. Alguns desses animais apresentam ansiedade quando estimulados com uma infusão de lactato, assim como as pessoas com transtorno do pânico. Outros macacos não apresentam essa resposta. Pesquisadores estão tentando determinar como os cérebros dos macacos tem mecanismos responsivos e não-responsivos diferentes. Esta pesquisa deve fornecer informações adicionais sobre as causas do transtorno do pânico.
Além disso, a investigação com ratos explora o efeito de vários medicamentos sobre as partes do cérebro envolvidas na ansiedade. O objetivo é desenvolver uma imagem mais clara de quais componentes do cérebro são responsáveis por ansiedade, e para saber como suas ações podem ser submetidas a um controle melhor.

Fatores cognitivos

Existem investigações sobre os processos básicos de pensamento e emoções que entram em jogo durante um ataque de pânico e aqueles que contribuem para o desenvolvimento e persistência da agorafobia. O Instituto NIMH também apoia a investigação para avaliar o impacto das várias versões da terapia cognitivo-comportamental para determinar quais variantes do processo são eficazes para as pessoas. O programa de pesquisa de transtorno do pânico do NIMH também vai explorar os efeitos do estresse interpessoal, tais como conflitos conjugais no transtorno do pânico com agorafobia e determinar se incluir cônjuges no tratamento cognitivo-comportamental da condição melhora o resultado.

Os sintomas do Transtorno do Pânico

Ataque de Pânico inicial

Normalmente, um primeiro ataque de pânico parece vir ” do nada”, e ocorre quando uma pessoa está envolvida em alguma atividade ordinária como dirigir um carro ou ir a pé para o trabalho. De repente, a pessoa é atingida por uma avalanche de sintomas assustadores e desconfortáveis. Estes sintomas incluem muitas vezes terror, uma sensação de irrealidade, ou um medo de perder o controle.
Esta avalanche de sintomas geralmente dura vários segundos, mas pode continuar por vários minutos. Os sintomas desaparecem gradualmente, ao longo de cerca de uma hora. Pessoas que sofreram um ataque de pânico podem atestar o extremo desconforto que sentiram e o seu medo de que tinham sido atingidas por doença com risco de vida ou medo de estarem ficando loucas. Muitas vezes as pessoas que estão tendo um ataque de pânico procuram ajuda em uma sala de emergência do hospital.
Ataques de pânico iniciais podem ocorrer quando as pessoas estão sob um estresse considerável, a partir de uma sobrecarga de trabalho, por exemplo, ou a partir da perda de um membro da família ou amigo próximo. Os ataques também podem acompanhar cirurgias, um grave acidente, doença, ou o parto. O consumo excessivo de cafeína ou uso de cocaína ou outras drogas ou medicamentos estimulantes, tais como os estimulantes utilizados no tratamento da asma, também podem desencadear ataques de pânico.
No entanto ataques de pânico geralmente pegam uma pessoa completamente de surpresa. Esta imprevisibilidade é uma razão pela qual eles são tão devastadores.
Às vezes as pessoas que nunca tiveram um ataque de pânico pânico assumem que é apenas uma questão de se sentir nervoso ou ansioso – o tipo de sentimentos que todos estão familiarizados. Na verdade, mesmo que as pessoas que têm ataques de pânico possam não mostrar quaisquer sinais exteriores de desconforto, os sentimentos experimentamos são tão esmagadores e assustadores que eles realmente acreditam que vão morrer, perder suas mentes, ou ser totalmente humilhados. Estas consequências desastrosas não ocorrem, mas elas parecem bastante prováveis para a pessoa que está sofrendo um ataque de pânico.
Algumas pessoas que têm um ataque de pânico, ou um ataque ocasional, nunca desenvolvem um problema grave o suficiente para afetar suas vidas. Para outros, no entanto, os ataques continuam e causam muito sofrimento.

Ataque de pânico – Sintomas

 
Sintomas do ataque de pânico que podem aparecer
  • Terror – uma sensação de que algo inimaginavelmente horrível está para acontecer e é impotente para impedi-lo
  • Batimento cardíaco forte
  • Dores no peito
  • Tonturas, vertigens, náuseas
  • Dificuldade ao respirar
  • Formigamento ou dormência nas mãos
  • Calafrios
  • Sensação de irrealidade
  • O medo de perder o controle, ficar “louco”, ou fazer algo embaraçoso
  • Medo de morrer

Transtorno do Pânico

No transtorno de pânico, ataques de pânico recorrentes fazem a pessoa desenvolver uma intensa apreensão de ter outro ataque. Como observado anteriormente, esse medo – chamado de ansiedade ou medo antecipatório do medo – pode estar presente na maior parte do tempo e interferir seriamente com a vida da pessoa, mesmo quando um ataque de pânico não está em andamento. Além disso, a pessoa pode desenvolver medos irracionais chamados fobias sobre situações em que tenham ocorrido um ataque de pânico. Por exemplo, alguém que tenha tido um ataque de pânico ao dirigir pode ter medo de dirigir ou mesmo de ficar atrás do volante novamente.
As pessoas que desenvolvem estas fobias induzidas pelo pânico tendem a evitar situações que temem que irão desencadear um ataque de pânico, e suas vidas podem ser cada vez mais limitadas como resultado. O seu trabalho pode sofrer, porque eles não podem viajar ou começar a trabalhar a tempo. Relacionamentos podem ser marcados por conflitos, já que ataques de pânico, ou o medo deles, podem dominar a pessoa afetada e as pessoas próximas a eles.
Além disso, o sono pode ser perturbado por causa de ataques de pânico que ocorrem durante a noite, levando a pessoa a despertar em um estado de terror. A experiência é tão angustiante que algumas pessoas que têm ataques de pânico noturnos ficam com medo de ir dormir e sofrem de exaustão. Além disso, mesmo se não há ataques de pânico noturnos, sono pode ser perturbado por causa da ansiedade relacionada ao pânico crônico.
Muitas pessoas com transtorno do pânico permanecem intensamente preocupadas com os seus sintomas, mesmo depois que uma visita inicial a um médico não dá nenhuma indicação de uma condição com risco de vida. Eles podem visitar uma sucessão de médicos porque acreditam ser uma doença cardíaca ou um problema respiratório. Ou os seus sintomas podem fazê-los pensar que eles têm um distúrbio neurológico ou alguma condição gastrointestinal grave. Alguns pacientes vêem  muitos médicos e passam por uma sucessão de exames caros e desnecessários na tentativa de descobrir o que está causando seus sintomas.
Esta busca de ajuda médica pode continuar por muito tempo, porque os médicos que vêem esses pacientes frequentemente não conseguem diagnosticar o transtorno do pânico. Quando os médicos não reconhecem a condição, às vezes eles explicam em termos que sugerem que não tem importância ou não é tratável. Por exemplo, o médico pode dizer: “Não há nada para se preocupar, você está apenas tendo um ataque de pânico” ou “É só nervos.” Embora a intenção de ser reconfortante, essas palavras podem ser desanimadoras para o paciente preocupado cujos sintomas são recorrentes. O paciente tem de saber que o médico reconhece a natureza incapacitante do transtorno do pânico, e que pode ser tratada de forma eficaz.

Agorafobia

 Agorafobia
O transtorno do pânico pode progredir para um estágio mais avançado em que a pessoa fica com medo de estar em qualquer lugar ou situação onde a fuga pode ser difícil ou ajuda indisponível no caso de um ataque de pânico. Esta condição é chamada agorafobia. Ela afeta cerca de um terço de todas as pessoas com transtorno do pânico.
Normalmente, as pessoas com agorafobia tem medo de estar em multidões, entrar em shoppings, andar em carros ou transporte público. Muitas vezes, estas pessoas limitam-se a uma “zona de segurança” que pode só incluir a casa ou a vizinhança imediata. Qualquer movimento para além dos limites desta zona cria ansiedade.
Às vezes uma pessoa com agorafobia é incapaz de sair de casa sozinha, mas pode viajar se acompanhada por um membro da família ou um amigo especial. Mesmo quando eles se limitam a situações “seguras”, a maioria das pessoas com agorafobia continua a ter ataques de pânico, pelo menos algumas vezes por mês.
As pessoas com agorafobia podem ser seriamente paralisadas por sua condição. Algumas são incapazes de trabalhar, e podem precisar depender fortemente de outros membros da família, que devem fazer as compras e executar todos os trabalhos domésticos, bem como acompanhar a pessoa afetada em excursões raras fora da “zona de segurança”. Assim, a pessoa com agorafobia normalmente leva uma vida de extrema dependência, bem como grande desconforto.

Como é diagnosticado o Transtorno do Pânico?

Se tiver sintomas de um ataque de pânico, você provavelmente precisa procurar atendimento médico de emergência. A maioria das pessoas que experimentam um ataque de pânico pela primeira vez acreditam que estão tendo um ataque cardíaco.
Enquanto na sala de emergência, o médico irá realizar vários testes para ver se seus sintomas são causados por um ataque cardíaco. Eles podem executar exames de sangue para descartar outras condições que podem causar sintomas semelhantes, ou um eletrocardiograma (ECG) para verificar a função do coração.
Seu médico também pode realizar um exame de saúde mental e perguntar-lhe sobre seus sintomas. Todos os outros distúrbios médicos serão descartados antes do seu médico fazer um diagnóstico de transtorno do pânico.

O tratamento para Transtorno do Pânico

O tratamento pode trazer alívio significativo para 70 a 90% das pessoas com transtorno do pânico e tratamento precoce pode ajudar a manter a progressão da doença para estágios mais avançados, onde desenvolve agorafobia.
Antes de se submeter a qualquer tratamento para transtorno do pânico, uma pessoa deve passar por um exame médico completo para descartar outras causas possíveis dos sintomas angustiantes. Isso é necessário porque uma série de outras condições, tais como níveis excessivos de hormônio da tireoide, certos tipos de epilepsia, ou arritmias cardíacas, que são distúrbios no ritmo dos batimentos cardíacos, podem causar sintomas parecidos com os do transtorno do pânico.
Vários tratamentos eficazes têm sido desenvolvidos para o transtorno do pânico e agorafobia. Em 1991, uma conferência realizada no National Institutes of Health (NIH), sob o patrocínio do Instituto Nacional de Saúde Mental e do Escritório de Pesquisas de Aplicações Médicas dos EUA, examinou a informação disponível sobre transtorno do pânico e seu tratamento. Os conferencistas concluíram que uma forma de psicoterapia chamada de terapia cognitivo-comportamental e medicamentos são eficazes para o transtorno do pânico. Um tratamento deve ser escolhido de acordo com as necessidades e preferências do paciente individual,  e qualquer tratamento que não consegue produzir um efeito dentro de 6 a 8 semanas deve ser reavaliado.

Terapia cognitiva comportamental para tratar transtorno do pânico

Esta é uma combinação de terapia cognitiva, que pode modificar ou eliminar padrões de pensamento contribuindo para os sintomas do paciente, e terapia comportamental, que visa ajudar o paciente a mudar o seu comportamento.
Na parte cognitiva da terapia, o terapeuta geralmente realiza uma pesquisa cuidadosa dos pensamentos e sentimentos que acompanham os ataques de pânico. Estes eventos mentais são discutidos em termos do “modelo cognitivo” de ataques de pânico.
O modelo cognitivo afirma que os indivíduos com transtorno do pânico têm frequentemente distorções em seu pensamento, de que eles podem não estar cientes, e podem dar origem a um ciclo de medo.
Acredita-se que o ciclo deve operar desta maneira:
  1. Primeiro, o indivíduo sente uma sensação potencialmente preocupante, como uma taxa crescente de batimentos do coração, músculos do peito apertados, ou um estômago enjoado. Esta sensação pode ser desencadeada por alguma preocupação, uma imagem mental desagradável, uma doença menor, ou até mesmo exercício.
  2. A pessoa com transtorno do pânico responde à sensação, tornando-se ansiosa.
  3. A ansiedade inicial desencadeia ainda sensações mais desagradáveis, que por sua vez aumentam a ansiedade, dando origem a pensamentos catastróficos.
  4. A pessoa pensa “Eu estou tendo um ataque do coração” ou “Eu estou ficando louco”, ou algum pensamento similar.
Como o ciclo vicioso continua, resulta em um ataque de pânico . Todo o ciclo pode levar apenas alguns segundos, e o indivíduo pode não estar ciente das sensações ou pensamentos iniciais.
Os defensores desta teoria apontam que, com a ajuda de um terapeuta qualificado, as pessoas com transtorno do pânico, muitas vezes podem aprender a reconhecer os primeiros pensamentos e sentimentos nesta sequência e modificar suas respostas a eles. Os pacientes são ensinados que os pensamentos típicos, tais como “Que terrível sentimento e está ficando pior!” ou “Eu vou ter um ataque de pânico” ou “Eu vou ter um ataque do coração” podem ser substituídos por outros, como “É apenas mal-estar – isso vai passar”, que ajuda a reduzir a ansiedade e evitar um ataque de pânico . Os procedimentos específicos para realizar isto são ensinados. Ao modificar padrões de pensamento, desta forma, o paciente ganha mais controle sobre o problema.
Muitas vezes, o terapeuta irá proporcionar ao paciente orientações simples para seguir quando ele ou ela sentir que um ataque de pânico está se aproximando. Um terapeuta oferece um conjunto de estratégias que ajuda alguns seus pacientes a lidar com ataques de pânico.
Na terapia cognitiva, discussões entre o paciente e o terapeuta não estão geralmente focadas sobre o passado do paciente, como é o caso com algumas formas de psicoterapia. Em vez disso, as conversas se concentram nas dificuldades e sucessos que o paciente está tendo no momento presente, e em habilidades que o paciente precisa aprender.
A parte comportamental de terapia cognitivo-comportamental pode envolver treinamento sistemático em técnicas de relaxamento. Ao aprender a relaxar, o paciente pode adquirir a capacidade de reduzir a ansiedade generalizada eo estresse que muitas vezes prepara o palco para ataques de pânico.
Os exercícios de respiração são frequentemente incluídos na terapia comportamental. O paciente aprende a controlar sua respiração e evitar hiperventilação – um padrão de respiração rápida e superficial que pode desencadear ou exacerbar ataques de pânico de algumas pessoas.
Outro aspecto importante da terapia comportamental é a exposição a sensações internas chamada exposição interoceptiva. Durante a exposição interoceptiva o terapeuta irá fazer uma avaliação individual das sensações internas associadas com pânico. Dependendo da avaliação, o terapeuta pode, em seguida, encorajar o paciente a trazer em algumas das sensações de um ataque de pânico, por exemplo, o exercício para aumentar a frequência cardíaca, respiração rápida para provocar tonturas e sintomas respiratórios, ou girar e provocar tonturas. Exercícios para produzir sensações de irrealidade também podem ser usados. Em seguida, o terapeuta ensina o paciente a lidar efetivamente com essas sensações e pensamentos para substituir os alarmistas como “Eu vou morrer”, por outros mais adequados, tais como “É apenas um pouco de tontura – Eu posso lidar com isso.”
Outro aspecto importante da terapia comportamental é o “in vivo” ou a exposição da vida real. O terapeuta e o paciente determinam se o paciente tem tentado evitar lugares e situações específicas, bem como quais os padrões de evitação estão causando os problemas. Eles concordam em trabalhar sobre os comportamentos de esquiva que são mais seriamente interferem com a vida do paciente. Por exemplo, o medo de dirigir pode ser de suma importância para um paciente, enquanto a incapacidade de ir ao supermercado pode ter desvantagens, mas não ser tão grave.
Alguns terapeutas vão para a casa de um paciente agorafóbico para conduzir as sessões iniciais. Muitas vezes os terapeutas levam seus pacientes em passeios por shoppings e outros lugares, que os pacientes evitam. Ou eles podem acompanhar seus pacientes que estão tentando superar o medo de dirigir um carro.
O paciente se aproxima de uma situação temida gradualmente, tentando ficar, apesar do aumento dos níveis de ansiedade. Desta forma, o paciente vê que os sentimentos não são tão assustadores, eles não são perigosos, e eles passam. Em cada tentativa, o paciente enfrenta tanto medo quanto consegue. Os pacientes acham que com esta abordagem passo-a-passo, ajudados pelo incentivo e conselhos qualificados do terapeuta, podem gradualmente dominar os seus medos e entrar em situações que pareciam inacessíveis.
Muitos terapeutas atribuem ao paciente “lição de casa” para fazer entre as sessões. Às vezes os pacientes passam apenas algumas sessões em contato com um terapeuta e continuam a trabalhar por conta própria com a ajuda de um manual impresso.
Muitas vezes o paciente vai se juntar a um grupo de terapia com os outros se esforçando para superar o transtorno do pânico ou fobias.
Terapia cognitivo-comportamental em geral, exige, pelo menos, 8 a 12 semanas. Algumas pessoas podem precisar de um tempo maior de tratamento para aprender e aplicar as habilidades. Este tipo de terapia, que é relatado por ter uma baixa taxa de recaída, é eficaz na eliminação de ataques de pânico ou redução da sua frequência. Ela também reduz a ansiedade antecipatória e evitação de situações temidas.

Tratamento com medicamentos

 Benzodiazepinas
Neste tipo de tratamento, que também é chamado farmacoterapia, um medicamento de prescrição é usado para prevenir ataques de pânico ou reduzir a sua frequência e gravidade, e para diminuir a ansiedade antecipatória associada. Quando os pacientes acham que seus ataques de pânico são menos frequentes e mais graves, são cada vez mais capazes de se aventurar em situações que tinham sido fora dos limites para eles. Desta forma, eles se beneficiar da exposição a situações anteriormente temidas, bem como da medicação.
Os três grupos de medicamentos mais vulgarmente utilizados são os antidepressivos tricíclicos, as benzodiazepinas de alta potência, e os inibidores da monoamina oxidase (IMAO). Determinação de qual droga usar se baseia em considerações de segurança, a eficácia e as necessidades pessoais e preferências do paciente. Algumas informações sobre cada uma das classes de medicamentos seguem.
Os antidepressivos tricíclicos foram os primeiros medicamentos demonstrados por ter um efeito benéfico contra a desordem de pânico. A imipramina é o tricíclico mais comumente utilizado para esta condição. Quando imipramina é prescrita, o paciente começa geralmente com pequenas doses diárias que são aumentadas a cada poucos dias, até que uma dose eficaz é alcançada. A introdução lenta de imipramina ajuda a minimizar os efeitos colaterais, tais como boca seca, constipação, e visão turva. Pessoas com transtorno de pânico, que estão inclinados a ser vigilantes sobre as sensações físicas, muitas vezes acham esses efeitos colaterais perturbadores no início. Os efeitos colaterais geralmente desaparecem após o paciente ter suspendido a medicação por algumas semanas.
Geralmente, leva várias semanas para imipramina ter um efeito benéfico sobre o transtorno do pânico. A maioria dos doentes tratados com imipramina estará livre de pânico dentro de algumas semanas ou meses. O tratamento dura, geralmente, entre 6 a 12 meses. O tratamento para um período mais curto de tempo é possível, mas há um risco substancial de que quando imipramina for suspensa, ataques de pânico se repitam. O alargamento do período de tratamento de 6 meses a um ano pode reduzir este risco de uma recaída. Quando o período de tratamento está completo, a dosagem de imipramina será reduzida ao longo de um período de várias semanas.
Os benzodiazepínicos de alta potência são uma classe de medicamentos que efetivamente reduzem a ansiedade. O alprazolam, clonazepam, lorazepam e são medicamentos que pertencem a esta classe. Eles causam rapidamente efeito, têm poucos efeitos secundários incômodos, e são bem tolerados pela maioria dos pacientes. No entanto, alguns pacientes, especialmente aqueles que tiveram problemas com álcool ou dependência de drogas, podem tornar-se dependentes de benzodiazepínicos.
Geralmente, o médico que prescreve uma destas drogas começa com uma dose baixa e aumenta gradualmente até que cesse ataques de pânico. Este procedimento minimiza os efeitos secundários.
O tratamento com benzodiazepinas de alta potência é normalmente continuado durante 6 meses a um ano. Uma desvantagem desses medicamentos é que os pacientes podem experimentar sintomas de abstinência – mal-estar, fraqueza, e outros efeitos desagradáveis – quando o tratamento é interrompido. A redução gradual da dose geralmente minimiza estes problemas. Também pode haver uma recorrência de ataques de pânico após a medicação ser retirada.
Dos inibidores da MAO, uma classe de antidepressivos que se demonstrou ser eficaz contra a desordem de pânico, fenelzina, é a mais utilizada. O tratamento com fenelzina geralmente começa com uma dose diária relativamente baixa que é gradualmente aumentada até cessar os ataques de pânico ou o paciente atingir um máximo de dosagem de cerca de 100 miligramas por dia.
Uso de fenelzina ou qualquer outro IMAO requer que o paciente observe e exige restrições dietéticas, porque existem alimentos, medicamentos e certas substâncias de abuso que podem interagir com o IMAO e causar um súbito aumento perigoso da pressão arterial. Todos os doentes que estejam tomando inibidores da MAO devem obter a orientação de seu médico a respeito de restrições alimentares e devem consultar seu médico antes de usar qualquer superdosagem ou outros medicamentos.
ssriTal como no caso das benzodiazepinas de alta potência e a imipramina, o tratamento com fenelzina ou outro IMAO dura geralmente 6 meses a um ano. Na conclusão do período de tratamento, a medicação é gradualmente reduzida.
Antidepressivos recentemente disponíveis, tais como a fluoxetina (de uma classe de novos agentes inibidores da recaptação da serotonina) parecem ser eficazes nos casos selecionados de transtorno do pânico. Tal como acontece com outros medicamentos anti-pânico, é importante iniciar com doses muito pequenas e, gradualmente, aumentar a dosagem.
Os cientistas apoiados pelo NIMH estão procurando maneiras de melhorar o tratamento medicamentoso para o transtorno do pânico. Estudos estão em andamento para determinar a duração ótima do tratamento com medicamentos, como eles são mais propensos a ajudar, e como amenizar os problemas associados com a retirada.

Tratamentos combinados

Muitos acreditam que uma combinação de medicação e terapia cognitivo-comportamental representa a melhor alternativa para o tratamento do transtorno do pânico. A abordagem combinada é dita por oferecer alívio rápido, alta eficácia, e uma baixa taxa de recaída. No entanto, existe uma necessidade para mais estudos para determinar se este é de fato o caso.
Comparando medicamentos e tratamentos psicológicos, e determinar o quão bem eles trabalham em combinação, é o objetivo de vários estudos apoiados pelo NIMH. A maioria deles é um ensaio clínico de 4 anos, que incluirá 480 pacientes e envolve quatro centros da Universidade Estadual de Nova York em Albany, Universidade de Cornell, Hillside Hospital / Columbia University, e da Universidade de Yale. Este estudo foi concebido para determinar como o tratamento com imipramina é comparado com uma abordagem cognitivo-comportamental, e se a combinação dos dois produz mais benefícios do que um ou outro método sozinho.

O tratamento psicodinâmico

Esta é uma forma de “terapia da conversa”, na qual o terapeuta e o paciente, trabalhando em conjunto, procuram descobrir os conflitos emocionais que podem estar subjacentes aos problemas do paciente. Ao falar sobre estes conflitos e obter uma melhor compreensão deles, o paciente é ajudado a superar os problemas. Muitas vezes, o tratamento psicodinâmico se concentra em eventos do passado e torna o paciente ciente das ramificações de problemas há muito enterrados.
Embora as abordagens psicodinâmicas possam ajudar a aliviar o estresse que contribui para os ataques de pânico, elas não parecem parar os ataques diretamente. Na verdade, não há nenhuma evidência científica de que esta forma de terapia por si só é eficaz em ajudar as pessoas a superar o transtorno do pânico ou agorafobia. No entanto, se o transtorno do pânico ocorre em um paciente juntamente com alguma perturbação emocional mais ampla e pré-existente, o tratamento psicodinâmico pode ser uma adição útil para o programa global de tratamento.

Ataques de pânico repetitivos

O transtorno do pânico é muitas vezes, uma doença crônica recidivante. Para muitas pessoas, fica melhor e pior em outros. Se uma pessoa recebe tratamento e parece superar o problema, ela ainda pode piorar mais tarde, sem motivo aparente. Estas recorrências não devem levar uma pessoa ao desespero ou considerar “falência do tratamento”. As recidivas podem ser tratadas eficazmente, assim como um episódio inicial.
Na verdade, as habilidades que uma pessoa aprende para lidar com o episódio inicial podem ser úteis para lidar com quaisquer contratempos. Muitas pessoas que superaram o transtorno do pânico uma vez ou algumas vezes acham que, apesar de ainda ter um ataque de pânico ocasional, são agora muito mais capazes de lidar com o problema. Mesmo que ele não esteja totalmente curado, já não domina suas vidas, ou as vidas daqueles ao seu redor.

Condições coexistentes com Transtorno de Pânico

Na conferência de NIH sobre o transtorno do pânico, recomendou-se que os doentes sejam cuidadosamente avaliados para outras condições que podem estar presentes juntamente com transtorno do pânico. Estas podem influenciar a escolha do tratamento. A seguir estão condições freqüentemente encontradas coexistindo com transtorno de pânico:

Fobias simples

gatos
Pessoas com transtorno do pânico desenvolvem muitas vezes medos irracionais de eventos ou situações específicas que eles associam com a possibilidade de ter um ataque de pânico. Medo de altura e medo de atravessar pontes são exemplos de fobias simples. Geralmente, esses medos podem ser resolvidos através da exposição repetida às situações temidas, enquanto pratica técnicas cognitivo-comportamentais específicas pode ajudar a tornar-se menos sensível a eles.

Fobia social

Este é um medo persistente de situações em que a pessoa está exposta ao possível escrutínio por outras pessoas e medos de agir de uma forma que vai ser embaraçosa ou humilhante. A fobia social pode ser tratada eficazmente com medicamentos ou terapia cognitivo-comportamental, ou ambos.

Depressão

Cetamina - Tratamento rápido para depressão
Cerca de metade dos pacientes com transtorno de pânico vai ter um episódio de depressão clínica em algum momento durante suas vidas. A depressão maior é marcada por tristeza persistente ou sentimentos de vazio, uma sensação de desesperança, e outros sintomas.
Quando a depressão maior ocorre, ela pode ser tratada eficazmente com uma das várias drogas antidepressivas, ou, dependendo da sua gravidade, por terapias cognitivo-comportamentais.
Os sintomas da depressão
 
  • Tristeza ou sentimentos de vazio persistente
  • A sensação de desesperança
  • Sentimentos de culpa
  • Problemas de sono
  • Perda de interesse ou prazer nas atividades comuns
  • Fadiga ou diminuição da energia
  • Dificuldade de concentração, de lembrar-se, e tomar decisões

Transtorno Obsessivo-Compulsivo (TOC)

No TOC, uma pessoa torna-se presa em um padrão de pensamentos e comportamentos repetitivos que são sem sentido e angustiantes, mas extremamente difíceis de superar. Tais rituais como a contagem, a lavagem das mãos prolongada, e verificar repetidamente portas pode ocupar muito do tempo da pessoa e interferir com outras atividades. Hoje, o TOC pode ser tratado eficazmente com medicamentos ou terapias cognitivo-comportamentais.

Abuso de Álcool

Uma pessoa que tem o alcoolismo, além de transtorno do pânico precisa de atendimento especializado para o alcoolismo junto com o tratamento para o transtorno do pânico. Muitas vezes, o alcoolismo será tratado em primeiro lugar.

Abuso de Drogas

Como no caso do alcoolismo, abuso de drogas é mais comum em pessoas com transtorno do pânico do que na população em geral. Os problemas com drogas muitas vezes precisam ser abordados antes do tratamento para transtorno do pânico.

Tendências suicidas

depressao extrema
Recentes estudos na população em geral têm sugerido que as tentativas de suicídio são mais comuns entre as pessoas que têm ataques de pânico do que entre aqueles que não têm um distúrbio mental. Além disso, parece que as pessoas que têm tanto transtorno do pânico e depressão estão em risco elevado de suicídio. (No entanto, especialistas em transtorno de ansiedade que trataram muitos pacientes enfatizam que é extremamente improvável que alguém iria tentar prejudicar a si mesmo durante um ataque de pânico.
Qualquer um que esteja pensando em suicídio necessita de atenção imediata de um profissional de saúde mental. Com a ajuda e o tratamento adequado, é possível superar tendências suicidas.
Há também certas condições físicas que são frequentemente associadas com transtorno de pânico:

Síndrome do Cólon Irritável

A pessoa com essa síndrome experimenta episódios intermitentes de cólicas gastrointestinais e diarreia ou constipação, ocorrendo muitas vezes durante um período de estresse. O transtorno do pânico muitas vezes não é diagnosticado quando ocorre em uma pessoa com síndrome do intestino irritável.

Prolapso da válvula mitral

Esta condição implica um defeito na válvula mitral, que separa as duas câmaras do lado esquerdo do coração. Cada vez que os músculo cardíaco em pessoas com essa condição se contraem, o tecido na válvula mitral é empurrado por um instante para a câmara errada. A pessoa com o transtorno pode sentir dor no peito, batimentos cardíacos acelerados, dificuldade respiratória e dor de cabeça. As pessoas com prolapso da válvula mitral podem estar em maior risco do que de costume de ter o transtorno do pânico, mas muitos especialistas não estão convencidos que essa aparente associação é real.

Ajuda da família

Quando um membro de uma família tem transtorno do pânico, toda a família é afetada pela condição. Os membros da família podem ter frustradas as suas tentativas de ajudar o membro afetado a lidar com o transtorno, sobrecarregados ao assumir responsabilidades adicionais, e socialmente isolados. Os membros da família devem encorajar a pessoa com transtorno do pânico para procurar a ajuda de um profissional de saúde mental qualificado. Além disso, é frequentemente útil para os membros da família participar do tratamento ou procurar a orientação do terapeuta para lidar com seus sentimentos sobre o transtorno.
Certas estratégias, como incentivar a pessoa com transtorno do pânico a ir pelo menos parcialmente em direção a um lugar ou situação que é temida, pode ser útil. Por seus esforços qualificados e atenciosos para ajudar, membros da família podem apoiar a pessoa com transtorno do pânico na recuperação.
Além disso, pode ser valioso para os membros da família se juntarem ou formarem um grupo de apoio para compartilhar informações e oferecer incentivo mútuo.

 

comprar livro freud analises de fobias menino hanslivro ansiedade fobias sindrome do panico comprar  medos fobias panico livro comprarcomprar livro tratando fobia panico depressao

 

 

 
 
 
 
 
 
 




DEIXA O LIKE AÍ COMO REFORÇO POSITIVO PRA GENTE :D CURTE E COMPARTILHA E VAMOS LEVAR A PSICOLOGIA AOS CONFINS DO UNIVERSO! \o/\o/\o/\o/\o/


🔴 COMENTA AÍ

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.