O Mal-Estar na Civilização – Sigmund Freud | Resumo/Resenha/Fichamento

Nos parágrafos introdutórios de O Mal-Estar na Civilização, Sigmund Freud tenta compreender o fenômeno espiritual chamado de “sentimento oceânico” – o sentido de infinitude e unidade sentido entre o ego e o mundo exterior. Este sentimento é “um fato puramente subjetivo, e não um artigo de fé.” Ele não indica uma lealdade a uma religião específica, mas em vez disso aponta para a origem do sentimento religioso de seres humanos. Igrejas e instituições religiosas são hábeis em canalizar esse sentimento em sistemas de crenças, mas não podem criá-lo.


→ Leia também: 1. Guia de estudo: O Mal-estar na Civilização de Sigmund Freud

mal-estar_na_civilizacao_freud

Em geral, o ego se percebe com a manutenção de “linhas nítidas e claras de demarcação” com o mundo exterior. Esta distinção entre interior e exterior é uma parte crucial do processo de desenvolvimento psicológico, permitindo ao ego reconhecer uma “realidade” separada de si mesmo. Após resumir sua pesquisa anterior, Freud retorna à questão do “sentimento oceânico”, achando pouco convincente como uma explicação para a origem do sentimento religioso dos seres humanos. Em vez disso, de acordo com Freud, é um desejo de proteção paterna na infância que continua sustentando na vida adulta um “medo do poder superior do Destino.”

Em Futuro de uma Ilusão, Freud lamentou a preocupação do homem comum com o “pai extremamente exaltado” encarnado por Deus. A ideia de “subornar” um ser supostamente mais elevado para recompensas do futuro parece totalmente infantil e absurda. A realidade é, no entanto, que as massas de homens persistem nesta ilusão durante toda sua vida. De acordo com Freud, os homens apresentam três principais mecanismos de enfrentamento para contrariar a sua experiência de sofrimento no mundo:

  1. a deflexão de dor e decepção (através de distrações previstas);
  2. satisfações substitutivas (principalmente através da substituição da realidade por arte);
  3. substâncias entorpecentes.

Freud conclui que a religião não pode ser claramente categorizada dentro deste esquema.


O que o homem deseja atingir na vida? A crença religiosa se desdobra sobre esta questão central. No imediato, o homem se esforça para ser feliz, e seu comportamento no mundo exterior é determinado por este “princípio do prazer. Mas as possibilidades de felicidade e prazer são limitadas, e mais frequentemente experimentamos infelicidade das três fontes seguintes:

  1. o nosso corpo;
  2. o mundo exterior;
  3. as nossas relações com outros homens.

Nós empregamos várias estratégias para evitar desagrado: isolamento voluntário, integração como um membro da comunidade humana (ou seja, contribuição para um esforço comum), ou influência no nosso próprio organismo. A religião dita um caminho simples para a felicidade. E, assim, poupa as massas de suas neuroses individuais. Freud vê também alguns outros benefícios na religião.

Depois de olhar especificamente a religião, Freud amplia sua investigação sobre a relação entre civilização e miséria. Uma de suas principais afirmações é que a civilização é responsável por nossa miséria: nos organizamos em sociedade civilizada para escapar do sofrimento, só para infligir-lo de volta sobre nós mesmos. Freud identifica três eventos históricos importantes que produziram essa desilusão com a civilização humana:

  1. a vitória da cristandade sobre religiões pagãs (e consequentemente o baixo valor colocado sobre a vida terrena na doutrina cristã);
  2. a descoberta e conquista de tribos e povos primitivos, que pareciam aos europeus estarem vivendo mais felizes em um estado de natureza;
  3. Identificação científica do mecanismo de neuroses, que são causados pelas exigências frustrantes colocadas sobre o indivíduo na sociedade moderna.

Um antagonismo para com a civilização se desenvolveu quando as pessoas concluíram que apenas uma redução dessas exigências –  em outras palavras, a retirada das imposições da sociedade – levaria a uma maior felicidade.

Freud define a civilização como a soma total das realizações humanas e regulamentos destinados a proteger homens contra a natureza e “ajustar suas relações mútuas.” O “passo decisivo” em direção à civilização reside na substituição do poder do indivíduo pelo da comunidade. Esta substituição, doravante, restringe as possibilidades de satisfação individual nos interesses coletivos da lei e da ordem. Aqui Freud faz uma analogia entre a evolução da civilização e o desenvolvimento libidinal do indivíduo, identificando três fases paralelas, em que cada um ocorre:

1) carácter de formação (aquisição de uma identidade);

2) sublimação (canalização da energia primal para outras atividades físicas ou psicológicas);

3) não-satisfação / renúncia dos instintos (enterro de impulsos agressivos no indivíduo; imposição do Estado de direito na sociedade).

Mesmo que uma das principais finalidades da cultura humana seja a de vincular impulsos libidinosos de cada homem aos dos outros, ao amor e a civilização, eventualmente, eles entram em conflito uns com os outros. Freud identifica várias razões diferentes para este antagonismo mais tarde. Por um lado, unidades familiares tendem a isolar-se e impedir que os indivíduos se desprendam e amadureçam por conta própria. Civilização também solapa a energia sexual, desviando-a em empreendimentos culturais. Ela também restringe escolhas de objetos de amor e mutila nossas vidas eróticas. Tabus (por exemplo, contra o incesto), leis e costumes impõe mais restrições.

Freud argumenta que o antagonismo da civilização em relação à sexualidade surge da necessidade de construir um vínculo comum com base em relações de amizade. Se a atividade da libido fosse autorizada a correr desenfreada, é provável que destruiria o amor da relação monogâmica do casal que a sociedade tem endossado como o mais estável.

Freud pega como próximo objetos o mandamento de “Ama o teu próximo”, porque, ao contrário do ensino bíblico, ele chegou a ver os seres humanos como essencialmente agressivos ao invés de amorosos. Ele identificou pela primeira vez essa agressividade instintiva em Além do Princípio do Prazer, e embora a sua proposta de “pulsão de morte” tenha sido inicialmente recebida com ceticismo, ele mantém e desenvolve a tese aqui.

Civilização é continuamente ameaçada de desintegração por causa desta inclinação para a agressão. Investe grande energia em restringir esses instintos de morte, e atinge este objetivo através da instalação de uma espécie de agência de vigilância dentro do indivíduo, o que Freud chama de superego, para dominar o nosso desejo de agressão. Para Freud, toda a evolução da civilização pode ser resumida como uma luta entre Eros (a pulsão de vida) e Tânatos (pulsão de morte), supervisionada pelo superego.

Entenda o que são Id, Ego e Superego:


Com a criação do superego vem um sentimento de má consciência. A moralidade social é internalizada, o onisciente superego regula nossos pensamentos e ações, enquanto que antes da sua instalação, os indivíduos só tinham que submeter-se a uma autoridade superior por medo da punição (como pais).

Há duas fontes de culpa:

1) medo da autoridade

2) medo do superego

Neste último caso, a renúncia do instinto não liberta o indivíduo da sensação de culpa interna que o superego continua a perpetuar. Por extensão, a civilização reforça o sentimento de culpa para regular e acomodar os números crescentes de relações entre os homens. Torna-se uma força mais repressiva que indivíduos acham cada vez mais difícil de tolerar. Freud considera esse crescente sentimento de culpa o “problema mais importante no desenvolvimento da civilização“, uma vez que leva um enorme pedágio na felicidade dos indivíduos.

No último capítulo, Freud esclarece o uso de termos aparentemente intercambiáveis:

  • o “superego” é uma agência interna cuja existência foi inferida;
  • “Consciência” é uma das funções atribuídas ao superego, para vigiar as intenções e ações do ego;
  • “Sentimento de culpa” designa a percepção de que o ego tem de ser vistoriado e surge da tensão entre os seus próprios esforços e as demandas (muitas vezes excessivamente severas) do superego.Ela pode ser sentida antes da execução do ato culpado, enquanto que “remorso” refere-se exclusivamente a reação após a agressão levada a cabo.

Finalmente, Freud enfatiza novamente o instinto de agressão e autodestruição como o grande problema que a civilização enfrenta, tal como se manifesta no “tempo presente”. Ele termina perguntando: qual a força – o “Eros eterno ou o seu potente adversário (Tânatos) – que prevalecerá?


GUIA DE ESTUDO COMPLETO

1. Guia de estudo: O Mal-estar na Civilização de Sigmund Freud

2. O Mal-Estar na Civilização – Sigmund Freud | Resumo

3. Glossário: O Mal-Estar na Civilização – Sigmund Freud

4. Temas abordados no livro O Mal-Estar na Civilização de Sigmund Freud

5. O Mal-Estar na Civilização: Resumo dos Capítulos 1 e 2 + Análise

6. O Mal-Estar na Civilização: Resumo dos Capítulos 3 e 4

7. O Mal-Estar na Civilização: Resumo dos Capítulos 5 e 6 + Análise

8. O Mal-Estar na Civilização: Resumo dos Capítulos 7 e 8 (final) + Análise

9. 10 Perguntas e respostas dissertativas sobre O Mal-Estar na Civilização


Referências:

Christian, Adam. Miller, W.C. ed. “Civilization and Its Discontents Summary”. GradeSaver, 20 July 2008 Web. 5 October 2016.

Freud, S.(1927) Obras psicológicas completas da ed Standard Brasileira. O Futuro de uma ilusão. Rio de Janeiro: Imago Editora.

Freud, S.(1930) Obras psicológicas completas da ed Standard Brasileira. O Mal-Estar na Civilização. Rio de Janeiro: Imago Editora


Quer ler o site sem anúncios + conteúdo exclusivo?
☆ Assine o Psicoativo Premium


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.