ID, EGO E SUPEREGO segundo Freud

De acordo com a teoria psicanalítica da personalidade de Sigmund Freud, a personalidade é composta por três elementos. Estes três elementos da personalidade – conhecidos como o id, ego e superego – trabalham juntos para criar comportamentos humanos complexos.

O Id

  • O ID é o único componente da personalidade que está presente desde o nascimento.
  • Este aspecto da personalidade é totalmente inconsciente e inclui os comportamentos instintivos e primitivos.
  • O id segundo Freud é a fonte de toda a energia psíquica, tornando-se o principal componente da personalidade.

O ID é impulsionado pelo princípio do prazer, que se esforça para a gratificação imediata de todos os desejos, vontades e necessidades. Se essas necessidades não são satisfeitas imediatamente, o resultado é um estado de ansiedade ou tensão. Por exemplo, um aumento da fome ou sede deve produzir uma tentativa imediata de comer ou beber. O ID é muito importante no início da vida, porque assegura que as necessidades de uma criança sejam atendidas. Se a criança está com fome ou desconfortável, ela vai chorar até que se cumpram as exigências do id.

No entanto, sempre satisfazer essas necessidades imediatamente não é realista nem mesmo possível. Se estivéssemos completamente guiados pelo princípio do prazer, estaríamos tirando coisas das mãos de outras pessoas para satisfazer os nossos próprios desejos. Este tipo de comportamento seria perturbador e socialmente inaceitável. De acordo com Freud, o id tenta resolver a tensão criada pelo princípio do prazer através do processo primário, que envolve a formação de uma imagem mental do objeto desejado como uma forma de satisfazer a necessidade.

O Ego

  • O ego é o componente da personalidade que é responsável por lidar com a realidade.
  • De acordo com Freud, o ego se desenvolve a partir do id e garante que os impulsos do id possam ser expressos de uma forma aceitável no mundo real.
  • As funções do ego agem tanto no consciente, no pré-consciente e inconsciente.

O ego opera com base no princípio da realidade, que se esforça para satisfazer os desejos do id de formas realistas e socialmente adequadas. O princípio de realidade pesa os custos e benefícios de uma ação antes de decidir agir sobre desistir ou ceder aos impulsos. Em muitos casos, os impulsos do id podem ser satisfeitos através de um processo de gratificação atrasada – o ego acabará por permitir o comportamento, mas apenas no momento e lugar apropriados.

O ego também descarrega a tensão criada por impulsos não satisfeitos através do processo secundário, em que o ego tenta encontrar um objeto no mundo real que corresponde a imagem mental criada pelo processo principal do id.

O Superego

O último componente da personalidade a se desenvolver é o superego.

  • O superego é o aspecto da personalidade que mantém todos os nossos padrões morais internalizados e ideais que adquirimos dos pais e da sociedade – é nosso senso de certo e errado.
  • O superego fornece diretrizes para fazer julgamentos.
  • De acordo com Freud, o superego começa a surgir por volta dos cinco anos.

Há duas partes do superego:

  1. O ego ideal inclui as regras e normas de bons comportamentos. Esses comportamentos incluem aqueles que são aprovados por figuras de autoridade parental ou outras. Obedecer a estas regras leva a sentimentos de orgulho, valor e realização.
  2. A consciência inclui informações sobre as coisas que são vistas como ruins pelos pais e pela sociedade. Esses comportamentos são frequentemente proibidos e levam a conseqüências ruins, punições ou sentimentos de culpa e remorso.

O superego atua para aperfeiçoar e civilizar o nosso comportamento. Ele trabalha para suprimir todos os impulsos inaceitáveis do id e se esforça para realizar o ato do ego nas normas idealistas em vez de princípios realistas. O superego está presente no consciente, pré-consciente e inconsciente.

A interação entre Id, Ego e Superego

Com tantas forças concorrentes, é fácil ver como podem surgir conflitos entre o id, ego e superego. Freud usou o termo força do ego para se referir a capacidade do ego de trabalhar apesar destas forças em conflito. Uma pessoa com boa força do ego é capaz de gerir eficazmente essas pressões, enquanto que aquela com a força do ego demasiada ou pouca pode tornar-se inflexível demais ou muito perturbada.

De acordo com Freud, a chave para uma personalidade saudável é um equilíbrio entre o id, o ego, e do superego.

Observações

  • “Ao discutir o id, ego, e superego, devemos ter em mente que estes não são três entidades separadas com fronteiras bem definidas, mas sim que eles representam uma variedade de diferentes processos, e funções dinâmicas dentro da pessoa … Além disso , em seus escritos Freud usa os pronomes pessoais alemães, das Es, Das Ich, e das uber-Ich. A tradução em latim dos pronomes tornou-os menos pessoais, levantando a questão da conveniência de tentar uma nova tradução.” (Engler, 2009)
  • “Com o ego colocado no meio, e se todas as exigências forem atendidas, o sistema mantém o seu equilíbrio de poder psíquico e o resultado é uma personalidade ajustada. Se houver desequilíbrio, o resultado é uma personalidade mal-adaptada. Por exemplo, com um id dominante, o resultado poderia ser um indivíduo impulsivo e incontrolável (por exemplo, um criminoso). Com um superego hiperativo, o resultado pode ser um indivíduo extremamente moralista (por exemplo, um religioso fanático). Um ego avassalador poderia criar um indivíduo apegado demais à realidade (por exemplo, extremamente rígido e incapaz de desviar de regras ou estrutura), e incapaz de ser espontâneo (por exemplo, expressar impulsos do id), ou com a falta de um sentimento pessoal do que é certo e errado.” (Carducci, 2009)

Referências
Carducci, B. (2009). The psychology of personality: Viewpoints, research, and applications. John Wiley & Sons
Engler, B. (2009). Personality theories. Boston: Houghton Mifflin Harcourt Publishing.
Por 

DEIXA O LIKE AÍ COMO REFORÇO POSITIVO PRA GENTE :D

CURTE E COMPARTILHA E VAMOS LEVAR A PSICOLOGIA AOS CONFINS DO UNIVERSO! \o/\o/\o/\o/\o/






SEJA PSICOATIVO TAMBÉM E COMENTA AÍ

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.