Psicanálise: O Guia Definitivo!

Psicanálise é um conjunto de teorias e técnicas terapêuticas [1] relacionadas com o estudo da mente inconsciente[2] que em conjunto formam um método de tratamento para distúrbios de saúde mental. A disciplina foi estabelecida no início da década de 1890 pelo neurologista austríaco Sigmund Freud e decorreu parcialmente do trabalho clínico de Josef Breuer e outros.


Freud utilizou pela primeira vez o termo “psicanálise” (em francês) em 1896. Die Traumdeutung (Interpretação dos Sonhos), que Freud viu como o seu “trabalho mais significativo”, apareceu em novembro de 1899. [3] Psicanálise foi desenvolvida posteriormente em diferentes direções, principalmente por estudantes de Freud, como Alfred Adler e Carl Gustav Jung,[a] e por neofreudianos como Erich Fromm, Karen Horney e Harry Stack Sullivan. [4] Freud manteve o termo psicanálise para sua própria escola de pensamento. [5]

Os princípios básicos da psicanálise incluem:

  1. o desenvolvimento de uma pessoa é determinado por eventos frequentemente esquecidos na primeira infância, e não apenas por traços herdados;
  2. o comportamento humano e a cognição são amplamente determinados por movimentos irracionais que estão enraizados no inconsciente;
  3. as tentativas de tornar esses movimentos conscientes desencadeiam resistência sob a forma de mecanismos de defesa, em particular a repressão;
  4. conflitos entre material consciente e inconsciente podem resultar em distúrbios mentais como neurose, traços neuróticos, ansiedade e depressão;
  5. material inconsciente pode ser encontrado em sonhos e atos involuntários, incluindo maneirismos e lapsos de fala;
  6. a libertação dos efeitos do inconsciente é conseguida trazendo este material para a mente consciente através da intervenção terapêutica;
  7. a “peça central do processo psicanalítico” é a transferência, pela qual os pacientes revivem seus conflitos infantis ao projetar os sentimentos de amor, dependência e raiva para o analista.[6]

Durante as sessões psicanalíticas, que geralmente duram 50 minutos e idealmente ocorrem 4-5 vezes por semana, [7] o paciente (o “analisando”) pode estar deitado em um sofá, com o analista muitas vezes sentado logo atrás e fora da visão. O paciente expressa seus pensamentos, incluindo associações livres, fantasias e sonhos, dos quais o analista infere os conflitos inconscientes que causam sintomas e problemas de caráter do paciente. Através da análise desses conflitos, que inclui a interpretação da transferênciacontratransferência[8] (direcionamento dos sentimentos do analista para o paciente), o analista confronta as defesas patológicas do paciente para ajudá-lo a ter discernimento.

A psicanálise é uma disciplina controversa e sua validade como uma ciência é contestada. No entanto, continua a ser uma forte influência na psicologia e na psiquiatria, mais ainda em alguns lugares do que outros.[b] [c] Os conceitos psicanalíticos também são amplamente utilizados fora da arena terapêutica, em áreas como a crítica literária psicanalítica, bem como na análise e desconstrução de filmes, contos de fadas e outros fenômenos culturais.

Conteúdo

    • 1. História da Psicanálise
      • 1.1 | 1890
      • 1.2 | 1900-1940
      • 1.3 | 1940-presente
    • 2. Teorias psicanalíticas
      • 2.1 Teoria topográfica
      • 2.2 Teoria estrutural
      • 2.3 Psicologia do Ego
        • 2.3.1 Teoria do conflito moderno
        • 2.3.2 Teoria das relações de objetos
        • 2.3.3 Psicologia do self
        • 2.3.4 Jacques Lacan e psicanálise lacaniana
        • 2.3.5 Psicanálise interpessoal
        • 2.3.6 Psicanálise culturalista
        • 2.3.7 Psicanálise feminista
        • 2.3.8 Paradigma adaptativo da psicanálise e psicoterapia
        • 2.3.9 Psicanálise relacional
        • 2.3.10 Psicanálise interpessoal-relacional
        • 2.3.11 Psicanálise intersubjetiva
        • 2.3.12 Psicanálise moderna
    • 3. Psicopatologia (distúrbios mentais)
      • 3.1 Pacientes adultos
      • 3.2 Origem na infância

História da Psicanálise

Anos 1890

A ideia de psicanálise (em alemão: Psychoanalyse) começou a receber uma atenção séria por Sigmund Freud, que formulou sua própria teoria da psicanálise em Viena na década de 1890. Freud era um neurologista tentando encontrar um tratamento eficaz para pacientes com sintomas neuróticos ou histéricos. Freud percebeu que havia processos mentais que não eram conscientes, enquanto ele era empregado como consultor neurológico em um hospital infantil, onde percebeu que muitas crianças afásicas não tinham nenhuma causa orgânica aparente para seus sintomas. Ele então escreveu uma monografia sobre esse assunto.[11] Em 1885, Freud obteve uma bolsa para estudar com Jean-Martin Charcot, um famoso neurologista, na Salpêtrière em Paris, onde Freud assistiu as apresentações clínicas de Charcot, particularmente nas áreas de histeria, paralisias e anestesias. Charcot apresentou o hipnotismo como ferramenta de pesquisa experimental e desenvolveu a representação fotográfica dos sintomas clínicos.

A primeira teoria de Freud para explicar os sintomas histéricos foi apresentada em Estudos sobre a HIsteria (1895), sendo co-autor de seu mentor, o distinto médico Josef Breuer, o que geralmente é visto como o nascimento da psicanálise. O trabalho baseou-se no tratamento de Bertha Pappenheim por Breuer, referida em estudos de caso com o pseudônimo “Anna O.”, tratamento que a própria Pappenheim havia apelidado de “cura pela fala”. Breuer escreveu que muitos fatores poderiam resultar em tais sintomas, incluindo vários tipos de trauma emocional, e ele também creditou o trabalho de outros, como Pierre Janet; enquanto Freud alegou que, na raiz dos sintomas histéricos, havia memórias reprimidas de ocorrências angustiantes, quase sempre com associações sexuais diretas ou indiretas.[12]

Ao mesmo tempo, Freud tentou desenvolver uma teoria neurofisiológica de mecanismos mentais inconscientes, da qual ele logo desistiu. Isto permaneceu não publicado durante sua vida.[13]

A primeira ocorrência do termo “psicanálise” de forma escrita (psychoanalyse) foi no ensaio de Freud “L’hérédité et l’étiologie des névroses” que foi escrito e publicado em francês em 1896.[14] [15]

Em 1896, Freud também publicou sua chamada teoria da sedução, que propôs que as condições prévias para os sintomas histéricos fossem excitações sexuais na infância, e afirmou ter descoberto memórias reprimidas de incidentes de abuso sexual para todos os pacientes atuais.[16] No entanto, em 1898 ele reconheceu em particular a seu amigo e colega Wilhelm Fliess que ele não acreditava mais em sua teoria, embora ele não tenha declarado isso publicamente até 1906.[17] Embora em 1896 ele houvesse relatado que seus pacientes “não tinham nenhum sentimento ou lembrança das cenas [sexuais infantis], e asseguraram-lhe “enfaticamente sua incredulidade”[18] em relatos posteriores, ele afirmou que lhe disseram que haviam sido abusados ​​sexualmente na infância. Isso se tornou o histórico, foi recebido e até desafiado por vários estudiosos de Freud na última parte do século 20, que argumentaram que ele impôs suas noções preconcebidas sobre seus pacientes.[19] [20] [21] No entanto, com base em suas afirmações de que os pacientes relataram experiências de abuso sexual infantil, Freud posteriormente afirmou que seus achados clínicos em meados da década de 1890 forneceram evidências da ocorrência de fantasias inconscientes, supostamente para cobrir memórias de masturbação infantil.[22] Apenas muito mais tarde ele reivindicou as mesmas descobertas como evidência de desejos edipianos.[23]

Anos 1900-1940

Congresso Psicanalítico Internacional. 1911. Freud e Jung no centro

Em 1900, Freud teorizara que os sonhos tinham significância simbólica e geralmente eram específicos para o sonhador. Freud formulou sua segunda teoria psicológica – hipótese de que o inconsciente tem ou é um “processo primário” consistindo em pensamentos simbólicos e condensados ​​e um “processo secundário” de pensamentos lógicos e conscientes. Esta teoria foi publicada em seu livro de 1900, “A Interpretação dos Sonhos”[24] O Capítulo VII foi um novo trabalho do “Projeto” anterior e Freud delineou sua “Teoria Topográfica”. Nesta teoria, que foi mais tarde suplantada pela Teoria Estrutural, desejos sexuais inaceitáveis ​​eram reprimidos no “sistema inconsciente”, devido à condenação da sociedade pela atividade sexual pré-matrimonial.

Esta “teoria topográfica” ainda é popular em grande parte da Europa, embora tenha caído em popularidade em grande parte da América do Norte.[25] Em 1905, Freud publicou Três ensaios sobre a teoria da sexualidade[26], no qual apresentou a descoberta das chamadas fases psicossexuais do desenvolvimento:

  • fase oral (0-2 anos de idade),
  • fase anal (2-4),
  • fase fálico-edipal (3-6),
  • fase de latência (6 anos-puberdade) e
  • fase genital (puberdade em diante).

Sua formulação precoce incluiu a ideia de que, devido às restrições sociais, os desejos sexuais eram reprimidos em um estado inconsciente e que a energia desses desejos inconscientes poderia ser transformada em ansiedade ou sintomas físicos. Portanto, as técnicas de tratamento precoce, incluindo hipnotismo e abreação, foram projetadas para conscientizar o inconsciente para aliviar a pressão e os sintomas aparentemente resultantes. Este método seria mais tarde deixado de lado por Freud, dando à associação livre a um papel maior.

Em Sobre o  Narcisismo (1915)[27] Freud voltou sua atenção para o assunto do narcisismo. Ainda usando um sistema energético, Freud caracterizou a diferença entre energia direcionada ao eu versus energia dirigida aos outros, chamada catexia. Em 1917, em “Luto e Melancolia“, ele sugeriu que certas depressões eram causadas por voltar uma ira culpada a si mesmo.[28] Em 1919 em “Uma criança é espancada“, ele começou a abordar os problemas do comportamento autodestrutivo (masoquismo moral) e do masoquismo sexual aberto. [29] Com base na sua experiência com pacientes deprimidos e autodestrutivos, e ponderando a carnificina da Primeira Guerra Mundial, Freud ficou insatisfeito com considerar apenas motivações orais e sexuais de comportamento. Em 1920, Freud abordou o poder de identificação (com o líder e com outros membros) em grupos como motivação para o comportamento (Psicologia de Grupo e a Análise do Ego / Psicologia das Massas e a Análise do Eu). [30] Nesse mesmo ano (1920) Freud sugeriu sua teoria de dois instintos (pulsões) (sexualidade e agressão) em Além do Princípio do Prazer, para tentar começar a explicar a destruição humana. Além disso, foi a primeira aparição de sua “teoria estrutural” composta por três novos conceitos: id, ego e superego.[31]

Três anos depois, ele resumiu as ideias de id, ego e superego no livro O Ego e o Id.[32] No livro, ele revisou toda a teoria do funcionamento mental, agora considerando que a repressão era apenas um dos muitos mecanismos de defesa, e que isso ocorria para reduzir a ansiedade. Por isso, Freud caracterizou a repressão como causa e como resultado da ansiedade. Em 1926, em Inibições, Sintomas e Ansiedade, Freud caracterizou como o conflito intrapsíquico entre o impulso e o superego (desejos e culpa) causa ansiedade e como essa ansiedade poderia levar a uma inibição das funções mentais, como o intelecto e a fala.[33] Inibições, Sintomas e Ansiedade foi escrito em resposta a Otto Rank, que, em 1924, publicou Das Trauma der Geburt (traduzido para o inglês em 1929 como Trauma of Birth e que seria traduzido para português para algo como “Trauma de nascimento”), analisando como a arte, o mito, a religião, a filosofia e a terapia foram iluminadas pela ansiedade de separação na “fase antes do desenvolvimento do complexo de Édipo”.[34] As teorias de Freud, no entanto, não caracterizaram essa fase. De acordo com Freud, o complexo de Édipo estava no centro da neurose e era a fonte fundamental de toda arte, mito, religião, filosofia, terapia – de fato, de toda cultura e civilização humana. Foi a primeira vez que alguém no círculo íntimo caracterizou algo diferente do complexo de Édipo como contribuindo para o desenvolvimento intrapsíquico, uma noção que foi rejeitada por Freud e seus seguidores naquele momento.

Em 1936, o “Princípio da Função Múltipla” foi esclarecido por Robert Waelder.[36] Ele ampliou a formulação de que os sintomas psicológicos eram causados ​​e aliviados simultaneamente. Além disso, os sintomas (como fobias e compulsões) representaram elementos de algum desejo instintivo (sexual e/ou agressivo), o superego, a ansiedade, a realidade e as defesas. Também em 1936, Anna Freud, a filha de Sigmund, publicou seu livro seminal, O Ego e os Mecanismos de Defesa, descrevendo inúmeras maneiras pelas quais a mente poderia calar as coisas perturbadoras fora da consciência.[36]

Anos 1940 – Presente

Quando o poder de Hitler cresceu, a família Freud e muitos de seus colegas fugiram para Londres. Dentro de um ano, Sigmund Freud morreu.[37] Nos Estados Unidos, também após a morte de Freud, um novo grupo de psicanalistas começou a explorar a função do ego. Dirigido por Heinz Hartmann, Kris, Rappaport e Lowenstein, o grupo baseou-se no entendimento da função sintética do ego como mediador no funcionamento psíquico. Hartmann, em particular, distinguiu-se entre funções autônomas do ego (como memória e intelecto que poderiam ser secundariamente afetadas por conflitos) e funções sintéticas que eram resultado de uma formação de compromisso. Estes “psicólogos do ego” da década de 1950 abriram um caminho para enfocar o trabalho analítico atendendo às defesas (mediadas pelo ego) antes de explorar as raízes mais profundas dos conflitos inconscientes. Além disso, havia um crescente interesse pela psicanálise infantil. Apesar de criticada desde o início, a psicanálise tem sido usada como ferramenta de pesquisa no desenvolvimento da infância [38] e ainda é usada para tratar certos distúrbios mentais.[39] Na década de 1960, os primeiros pensamentos de Freud sobre o desenvolvimento infantil da sexualidade feminina foram desafiados; este desafio levou ao desenvolvimento de uma variedade de entendimentos do desenvolvimento sexual feminino, muitos dos quais modificaram o tempo e a normalidade de várias teorias de Freud (que foram extraídas do tratamento de mulheres com distúrbios mentais). Vários pesquisadores [40] seguiram os estudos de Karen Horney sobre as pressões sociais que influenciam o desenvolvimento das mulheres.

Na primeira década do século 21, havia aproximadamente 35 institutos de treinamento para psicanálise nos Estados Unidos credenciados pela Associação Psicanalítica Americana (APsaA), que é uma organização componente da Associação Psicanalítica Internacional (IPA), e há mais de 3000 psicanalistas graduados praticando nos Estados Unidos. O IPA acredita em centros de formação psicanalítica através de “organizações componentes” em todo o resto do mundo, incluindo países como Sérvia, França, Alemanha, Áustria, Itália, Suíça,[41] e muitos outros, bem como cerca de seis institutos diretamente nos Estados Unidos.

Teorias psicanalíticas

As teorias psicanalíticas predominantes podem ser organizadas em várias escolas teóricas. Embora essas escolas teóricas difiram, a maioria delas enfatiza a influência de elementos inconscientes sobre a consciência. Também houve um trabalho considerável na consolidação de elementos de teorias conflitantes (ver o trabalho de Theodore Dorpat, B. Killingmo e S. Akhtar).[42] Há alguns conflitos persistentes em relação a causas específicas de certas síndromes e disputas em relação às técnicas de tratamento ideais. No século 21, as ideias psicanalíticas estão inseridas na cultura ocidental, especialmente em campos como assistência à infância, educação, crítica literária, estudos culturais, saúde mental e particularmente psicoterapia. Embora exista um mainstream de ideias psicanalíticas evoluídas, existem grupos que seguem os preceitos de um ou mais dos últimos teóricos. As ideias psicanalíticas também desempenham papéis em alguns tipos de análises literárias, como a crítica literária arquetípica.

Teoria topográfica

A teoria topográfica foi nomeada e descrita pela primeira vez por Sigmund Freud em A Interpretação dos Sonhos (1900).[24] [43] A teoria hipotetiza que o aparelho mental pode ser dividido nos sistemas Consciente, Pré-consciente e Inconsciente. Esses sistemas não são estruturas anatômicas do cérebro, mas sim processos mentais. Embora Freud tenha mantido essa teoria ao longo de sua vida, ele a substituiu em grande parte pela teoria estrutural.[44] A teoria topográfica permanece como um dos pontos de vista metapsicológicos para descrever como a mente funciona na teoria psicanalítica clássica.

Teoria estrutural

A teoria estrutural divide a psique em id, ego e superego (ou Isso, Eu e Supereu).

  • O id está presente no nascimento como o repositório de instintos básicos, que Freud chamou de “Trieb” (“pulsões” ou “instintos”, dependendo da tradução): desorganizado e inconsciente, opera apenas no “princípio do prazer”, sem realismo ou previsão.
  • O ego desenvolve-se lentamente e gradualmente, preocupado com a mediação entre o impulso do id e as realidades do mundo externo; opera assim no “princípio da realidade”.
  • O superego é considerado a parte do ego em que se desenvolvem auto-observação, autocrítica e outras faculdades reflexivas e críticas. O ego e o superego são ambos parcialmente conscientes e parcialmente inconscientes.[44]

Psicologia do Ego

A psicologia do ego inicialmente foi sugerida por Freud em Inibições, Sintomas e Ansiedade (1926). A teoria foi refinada por Hartmann, Loewenstein e Kris em uma série de artigos e livros de 1939 até o final da década de 1960. Leo Bellak foi um contribuidor posterior. Esta série de construções, paralelizada com alguns dos desenvolvimentos posteriores da teoria cognitiva, inclui as noções de funções autônomas do ego: funções mentais não dependentes, pelo menos de origem, de conflitos intrapsíquicos. Tais funções incluem: percepção sensorial, controle motor, pensamento simbólico, pensamento lógico, fala, abstração, integração (síntese), orientação, concentração, julgamento sobre perigo, teste de realidade, capacidade adaptativa, tomada de decisão executiva, higiene e autopreservação. Freud observou que a inibição é um método que a mente pode utilizar para interferir em qualquer uma dessas funções, a fim de evitar emoções dolorosas. Hartmann (1950) apontou que pode haver atrasos ou déficits em tais funções.

Frosch (1964) descreveu diferenças nas pessoas que demonstraram danos à sua relação com a realidade, mas que pareciam capaz de testá-la. Os déficits na capacidade de organizar o pensamento às vezes são referidos como associações bloqueadoras ou soltas (Bleuler), e são características da esquizofrenia. Os déficits na capacidade de abstração e autopreservação também sugerem psicose em adultos. Os déficits em orientação e sensorium são muitas vezes indicativos de uma doença que afeta o cérebro (e, portanto, funções autônomas do ego). Os déficits em certas funções do ego são rotineiramente encontrados em crianças gravemente abusadas fisicamente ou sexualmente, onde os poderosos efeitos gerados ao longo da infância parecem ter corroído algum desenvolvimento funcional.

De acordo com a psicologia do ego, forças do ego, mais tarde descritas por Otto F. Kernberg (1975), incluem as capacidades de controle de impulsos orais, sexuais e destrutivos; de tolerar afecções dolorosas sem se derrubar; e de evitar a erupção na consciência da fantasia simbólica estranha. As funções sintéticas, em contraste com as funções autônomas, surgem do desenvolvimento do ego e servem ao propósito de gerenciar processos de conflito. As defesas são funções sintéticas que protegem a mente consciente da consciência de impulsos e pensamentos proibidos. Um propósito da psicologia do ego tem sido enfatizar que algumas funções mentais podem ser consideradas básicas, em vez de derivadas de desejos, afetos ou defesas. No entanto, as funções autônomas do ego podem ser secundariamente afetadas devido ao conflito inconsciente. Por exemplo, um paciente pode ter uma amnésia histérica (a memória é uma função autônoma) por causa do conflito intrapsíquico (desejando não lembrar porque é muito doloroso).

Em conjunto, as teorias acima apresentam um grupo de premissas metapsicológicas. Portanto, o grupo inclusivo das diferentes teorias clássicas fornece uma visão transversal da mentalidade humana. Existem seis “pontos de vista”, cinco descritos por Freud e um sexto adicionado por Hartmann. Os processos inconscientes podem, portanto, ser avaliados a partir de cada um desses seis pontos de vista:

  1. Topográfico
  2. Dinâmico (a teoria do conflito)
  3. Econômico (a teoria do fluxo de energia)
  4. Estrutural
  5. Genético (proposições sobre origem e desenvolvimento de funções psicológicas)
  6. Adaptação (fenômenos psicológicos relacionados ao mundo externo). [45]

Teoria moderna do conflito

A teoria moderna do conflito, uma variação da psicologia do ego, é uma versão revisada da teoria estrutural, mas notavelmente diferente, alterando conceitos relacionados a onde os pensamentos reprimidos foram armazenados (Freud, 1923, 1926). A teoria moderna do conflito aborda os sintomas emocionais e os traços de caráter como soluções complexas para o conflito mental.[46] Dispensa os conceitos de id, ego e superego fixos e, em vez disso, coloca conflito consciente e inconsciente entre desejos (dependentes, controladores, sexuais e agressivos), culpa e vergonha, emoções (especialmente ansiedade e afecção depressiva), e operações defensivas que desligaram da consciência algum aspecto dos outros. Além disso, o funcionamento saudável (adaptativo) também é determinado, em grande medida, por resoluções de conflito.

Um dos principais objetivos da moderna teoria psicanalítica dos conflitos é mudar o equilíbrio do conflito em um paciente, tornando conscientes os aspectos das soluções menos adaptativas (também denominadas “formações de compromisso”) para que possam ser repensados ​​e encontradas soluções mais adaptáveis. Teóricos atuais seguiram muitas sugestões de Brenner (ver especialmente o livro de Brenner de 1982, The Mind in Conflict) incluindo Sandor Abend (Abend, Porder, & Willick, (1983), Borderline Patients: Clinical Perspectives), Jacob Arlow (Arlow and Brenner (1964), Psychoanalytic Concepts and the Structural Theory) e Jerome Blackman (2003), 101 Defenses: How the Mind Shields Itself.

Teoria das relações de objetos

A teoria das relações de objetos tenta explicar os altos e baixos das relações humanas através de um estudo de como as representações internas do eu e dos outros são organizadas. Os sintomas clínicos que sugerem problemas de relações de objeto (geralmente atrasos de desenvolvimento ao longo da vida) incluem distúrbios na capacidade de um indivíduo sentir empatia, confiança, sensação de segurança, estabilidade da identidade, proximidade emocional consistente e estabilidade em relacionamentos com outras pessoas importantes. (Não se sugere que se deva confiar em todos, por exemplo). Conceitos relativos a representações internas (também às vezes denominadas “introspecções”, “representações de si mesmo e de objetos”, ou “internalização de si mesmo”), embora muitas vezes atribuídas a Melanie Klein, foram mencionadas pela primeira vez por Sigmund Freud em seus conceitos iniciais da teoria da unidade (Três Ensaios sobre a Teoria da Sexualidade, 1905). O artigo de Freud, em 1917, “Luto e Melancolia”, por exemplo, levantou a hipótese de que o sofrimento não resolvido era causado pela imagem internalizada do falecido se fundindo com a do sobrevivente e, em seguida, o sobrevivente transformando a raiva inaceitável pelo falecido na agora complexa autoimagem. [47]

Vamik Volkan , em “Linking Objects and Linking Phenomena”, expandiu os pensamentos de Freud sobre isso, descrevendo as síndromes de “Luto patológico estabelecido” versus “depressão reativa” com base em dinâmicas semelhantes. As hipóteses de Melanie Klein relativas à internalização durante o primeiro ano de vida, levando a posições paranoicas e depressivas, foram posteriormente desafiadas por René Spitz (por exemplo, The First Year of Life, 1965), que dividiu o primeiro ano de vida em uma fase cenestésica dos primeiros seis meses, e depois uma fase diacrítica para os segundos seis meses. Margaret Mahler e seu grupo (Mahler, Fine e Bergman, The Psychological Birth of the Human Infant, 1975), primeiro em Nova York, depois na Filadélfia, descreveram fases e subfases distintas de desenvolvimento infantil levando a “separação-individuação” durante os três primeiros anos de vida, enfatizando a importância da constância das figuras parentais, em face da agressão destrutiva da criança, internalizações da criança, estabilidade do gerenciamento de afetos e capacidade de desenvolver autonomia saudável.

John Frosch, Otto Kernberg , Salman Akhtar e Sheldon Bach desenvolveram a teoria da autoconfiança e da constância do objeto, pois afeta problemas psiquiátricos adultos, como psicose e estados limítrofes. Peter Blos descreveu (em um livro intitulado On Adolescence, 1960), como as lutas de separação-individuação semelhantes ocorrem na adolescência, é claro, com um resultado diferente dos três primeiros anos de vida: o adolescente geralmente, eventualmente sai da casa dos pais (isso varia com a cultura). Durante a adolescência, Erik Erikson (1950-1960) descreveu a “crise da identidade”, que envolve a ansiedade de identidade/confusão de identidade. Para que um adulto possa experimentar uma “ética calorosa” (empatia, confiança, holding environment (Winnicott ), identidade, proximidade e estabilidade) nos relacionamentos (ver Blackman, 101 Defenses: How the Mind Shields Itself, 2001), o adolescente deve resolver os problemas com a identidade e redimensionar a constância do self e do objeto.

Psicologia do Self

A psicologia do self enfatiza o desenvolvimento de um sentido estável e integrado do eu através de contatos empáticos com outros seres humanos, outros significantes primários concebidos como “self-objetos”. Os self-objetos atendem as necessidades do self em desenvolvimento de espelhamento, idealização e twinship, e assim fortalecem o desenvolvimento de si. O processo de tratamento prossegue através de “internalizações transmutadoras” nas quais o paciente gradualmente internaliza as funções de self-objetos fornecidas pelo terapeuta. A psicologia do self foi proposta originalmente por Heinz Kohut, e foi desenvolvida por Arnold Goldberg, Frank Lachmann, Paul e Anna Ornstein, Marian Tolpin e outros.

Jacques Lacan e psicanálise lacaniana

A psicanálise lacaniana, que integra a psicanálise com linguística estrutural e filosofia hegeliana, é especialmente popular na França e em partes da América Latina. A psicanálise lacaniana é um desvio da psicanálise tradicional britânica e americana, que é predominantemente a psicologia do ego. Jacques Lacan frequentemente usou a frase “retourner à Freud” (“retorno a Freud”) em seus seminários e escritos, alegando que suas teorias eram uma extensão da própria de Freud, contrariamente à de Anna Freud, à Psicologia do Ego, às relações de objeto e teorias do self, e também reivindica a necessidade de ler as obras completas de Freud, não apenas uma parte delas. Os conceitos de Lacan dizem respeito, por exemplo, ao “estádio do espelho“, ao “Real” , ao “Imaginário ” e ao “Simbólico“, e à afirmação de que “o inconsciente está estruturado como uma linguagem“. [48]

Embora tenha uma grande influência na psicanálise na França e em partes da América Latina, Lacan e suas ideias levaram mais tempo para serem traduzidas para o inglês e, portanto, tiveram um menor impacto na psicanálise e psicoterapia no mundo de língua inglesa. No Reino Unido e nos Estados Unidos, suas ideias são amplamente utilizadas para analisar textos na teoria literária.[49] Devido a sua posição cada vez mais crítica em relação ao desvio do pensamento de Freud, muitas vezes destacando textos particulares e leituras de seus colegas, Lacan foi excluído de atuar como analista de treinamento no IPA, levando-o a criar sua própria escola para para manter uma estrutura institucional para os muitos candidatos que desejavam continuar sua análise com ele.[50]

Psicanálise interpessoal

A psicanálise interpessoal acentua as nuances das interações interpessoais, particularmente como os indivíduos se protegem contra a ansiedade, estabelecendo interações colusórias com os outros e a relevância das experiências reais com outras pessoas em desenvolvimento (por exemplo, família e pares), bem como no presente. Isso contrasta com o primado das forças intrapsíquicas, como na psicanálise clássica. A teoria interpessoal foi introduzida pela primeira vez por Harry Stack Sullivan, e desenvolvida por Frieda Fromm-Reichmann, Clara Thompson, Erich Fromm e outros que contribuíram para a fundação do William Alanson White Institute e para a Psicanálise Interpessoal em geral.

Psicanálise culturalista

Alguns psicanalistas foram rotulados como culturalistas, devido à proeminência que atribuíram a cultura na gênese do comportamento.[51] Entre outros, Erich Fromm, Karen Horney e Harry Stack Sullivan, foram chamados de psicanalistas culturalistas[51] Eles eram famosos pelo conflito com psicanalistas ortodoxos.[52]

Psicanálise feminista

As teorias feministas da psicanálise surgiram em direção à segunda metade do século 20, em um esforço para articular a diferença e o desenvolvimento feminino, materno e sexual do ponto de vista das mulheres. Para Freud, Winnicott e as teorias das relações de objeto, a mãe é estruturada como objeto da rejeição do bebê (Freud) e destruição (Winnicott). Para Lacan , a “mulher” pode aceitar o símbolo fálico como um objeto ou encarnar uma falta na dimensão simbólica que informa a estrutura do sujeito humano. A psicanálise feminista é principalmente pós-freudiana e pós-lacaniana com teóricos como Toril Moi, Joan Copjec, Juliet Mitchell,[53] Teresa Brennan [54] e Griselda Pollock que repensam Arte e Mitologia[55] seguindo a psicanálise feminista francesa[56], o olhar e a diferença sexual, do a a partir do feminino.[57] Teóricos franceses como Luce Irigaray desafiam o falogocentrismo.[58] [59] Bracha Ettinger oferece uma dimensão do sujeito “matricial” que leva em conta o estágio pré-natal (conectividade matricial) [60] e sugere um Eros feminino-maternal, um olhar matricial e fantasias-maternas primárias.[61] Jessica Benjamin aborda a questão do feminino e do amor. [62] A psicanálise feminista informa e inclui teorias de gênero, queer e pós-feministas.

Paradigma adaptativo da psicanálise e psicoterapia

O “paradigma adaptativo da psicoterapia” se desenvolve a partir do trabalho de Robert Langs. O paradigma adaptativo interpreta o conflito psíquico principalmente em termos de adaptação consciente e inconsciente à realidade. O trabalho recente de Langs em certa medida retorna a um Freud anterior, na medida em que Langs prefere uma versão modificada do modelo topográfico da mente (consciente, pré-consciente e inconsciente) sobre o modelo estrutural (id, ego e super-ego) incluindo a ênfase do primeiro no trauma (embora Langs olhe para traumas relacionados à morte em vez de traumas sexuais). [44] Ao mesmo tempo, o modelo da mente de Langs difere do de Freud, na medida em que entende a mente em termos de princípios biológicos evolutivos.[63]

Psicanálise relacional

A psicanálise relacional combina a psicanálise interpessoal com a teoria das relações de objeto e com a teoria inter-subjetiva como crítica à saúde mental. Foi apresentada por Stephen Mitchell .[64] A psicanálise relacional enfatiza a forma como a personalidade do indivíduo é moldada por relações reais e imaginadas com os outros, e como esses padrões de relacionamento são reeditados nas interações entre analistas e pacientes. Em Nova York, os principais defensores da psicanálise relacional incluem Lew Aron, Jessica Benjamin e Adrienne Harris. Fonagy e Target, em Londres, propuseram sua visão da necessidade de ajudar certos pacientes separados e isolados a desenvolver a capacidade de “mentalização” associada ao pensamento sobre as relações e eles próprios. Arietta Slade, Susan Coates e Daniel Schechter, em Nova York, contribuíram adicionalmente para a aplicação da psicanálise relacional ao tratamento do paciente adulto como pai, o estudo clínico da mentalização nas relações entre pais e bebês e a transmissão intergeracional de afetos e trauma.

Psicanálise interpessoal-relacional

O termo psicanálise interpessoal-relacional é frequentemente usado como uma identificação profissional. Psicanalistas sob este guarda-chuva mais amplo debatem sobre o que precisamente são as diferenças entre as duas escolas, sem nenhum consenso claro e atual.

Psicanálise interstersubjetiva

O termo “intersubjetividade” foi introduzido na psicanálise por George E. Atwood e Robert Stolorow (1984). As abordagens intersubjetivas enfatizam como o desenvolvimento da personalidade e o processo terapêutico são influenciados pela inter-relação entre a perspectiva subjetiva do paciente e a dos outros. Os autores das abordagens interpessoal-relacionais e intersubjetivas: Otto Rank , Heinz Kohut, Stephen A. Mitchell , Jessica Benjamin , Bernard Brandchaft, J. Fosshage, Donna M.Orange, Arnold “Arnie” Mindell, Thomas Ogden, Owen Renik, Irwin Z. Hoffman, Harold Searles , Colwyn Trevarthen, Edgar A. Levenson, Jay Greenberg, Edward R. Ritvo, Beatrice Beebe, Frank M. Lachmann, Herbert Rosenfeld e Daniel Stern .

Psicanálise moderna

A “psicanálise moderna” é um termo cunhado por Hyman Spotnitz e seus colegas para descrever um conjunto de abordagens teóricas e clínicas que visam ampliar as teorias de Freud de modo a torná-las aplicáveis ​​a todo o espectro de distúrbios emocionais e ampliar o potencial de tratamento para patologias consideradas intratáveis pelos métodos clássicos. As intervenções baseadas nesta abordagem destinam-se principalmente a fornecer uma comunicação emocional-maturacional ao paciente, em vez de promover a percepção intelectual. Essas intervenções, além dos objetivos direcionados, são usadas para resolver resistências que são apresentadas no cenário clínico. Esta escola de psicanálise promoveu oportunidades de treinamento para estudantes nos Estados Unidos e em países de todo o mundo. Seu periódico Modern Psychoanalysis é publicado desde 1976. [65]

Psicopatologia (distúrbios mentais)

Pacientes adultos

As várias psicoses envolvem déficits nas funções autônomas do ego, de integração (organização) do pensamento, na capacidade de abstração, em relação à realidade e aos testes de realidade. Nas depressões com características psicóticas, a função de auto-preservação também pode ser danificada (às vezes por um efeito depressivo esmagador). Devido aos déficits integrativos (muitas vezes causando o que os psiquiatras gerais chamam de “associações soltas”, “bloqueio”, ” vôo de ideias “, “verbigeração” e “retirada do pensamento”), o desenvolvimento das representações de si próprio e de objeto também é prejudicado. Clinicamente, portanto, indivíduos psicóticos manifestam limitações de empatia, confiança, identidade, proximidade e / ou estabilidade nos relacionamentos (devido a problemas com a ansiedade de fusão self-objeto) também.

Em pacientes cujas funções autônomas do ego estão mais intactas, mas que ainda mostram problemas com relações de objeto, o diagnóstico geralmente cai na categoria conhecida como “borderline” (limítrofe). Os pacientes borderline também mostram déficits, muitas vezes no controle de impulsos, afetos ou fantasias – mas sua capacidade para testes de realidade permanece mais ou menos intacta. Os adultos que não experimentam culpa e vergonha, e que praticam comportamentos criminosos, geralmente são diagnosticados como psicopatas ou, usando o DSM-IV-TR, com transtorno de personalidade antissocial.

Pânico, fobias, conversões, obsessões, compulsões e depressões (analistas chamam esses de  “sintomas neuróticos”) não são geralmente causados ​​por déficits em funções, em vez disso, são causados ​​por conflitos intrapsíquicos. Os conflitos são geralmente entre desejos sexuais e hostis-agressivos, culpa e vergonha e fatores de realidade. Os conflitos podem estar conscientes ou inconscientes, mas criam ansiedade, afeto depressivo e raiva. Finalmente, os vários elementos são geridos por operações defensivas – essencialmente fecham mecanismos mentais que tornam as pessoas inconscientes desse elemento de conflito. “Repressão” é o termo dado ao mecanismo que mantém os pensamentos fora da consciência. “Isolamento do afeto” é o termo usado para o mecanismo que mantém sensações fora da consciência. Os sintomas neuróticos podem ocorrer com ou sem déficits nas funções do ego, relações de objeto e forças do ego. Portanto,não é raro encontrar esquizofrênicos obsessivo-compulsivos, pacientes com pânico que também sofrem com transtorno de personalidade limítrofe, etc.

Origem na infância

As teorias freudianas acreditam que os problemas dos adultos podem ser atribuídos a conflitos não resolvidos de certas fases da infância e adolescência, causados pela fantasia, decorrentes de seus próprios instintos. Freud, com base nos dados coletados de seus pacientes no início de sua carreira, suspeitava que ocorreram distúrbios neuróticos quando as crianças foram abusadas sexualmente na infância (a chamada teoria da sedução). Mais tarde, Freud passou a acreditar que, apesar do abuso infantil, os sintomas neuróticos não estavam associados a isso. Ele acreditava que as pessoas neuróticas geralmente tinham conflitos inconscientes que envolviam fantasias incestuosas decorrentes de diferentes estágios de desenvolvimento. Ele observou a fase de cerca de três a seis anos de idade (anos pré-escolares, hoje chamada de “primeiro estágio genital”) sendo cheia de fantasias de ter relacionamentos românticos com ambos os pais. Os argumentos foram gerados rapidamente na Viena do início do século XX sobre a sedução de crianças por pessoas adultas, ou seja, o abuso sexual infantil, era a base de uma doença neurótica. Ainda não existe um acordo completo, embora os profissionais de hoje reconheçam os efeitos negativos do abuso sexual infantil na saúde mental. [66]

Muitos psicanalistas que trabalham com crianças estudaram os efeitos reais do abuso infantil, que incluem déficits de relações de ego e objetos e graves conflitos neuróticos. Muitas pesquisas foram realizadas sobre esses tipos de trauma na infância e as sequelas nos adultos. Ao estudar os fatores da infância que iniciam o desenvolvimento de sintomas neuróticos, Freud encontrou uma constelação de fatores que, por razões literárias, ele chamou de complexo de Édipo (baseado na peça de Sófocles, Édipo Rei, onde o protagonista mata involuntariamente seu pai Laius e casa com a sua mãe Jocasta). A validade do complexo de Édipo agora é amplamente contestada.[67] [68] O termo abreviado, “Édipo” – mais tarde explicado por Joseph J. Sandler em “On the Concept Superego” (1960) e modificado por Charles Brenner em “The Mind in Conflict” (1982) – refere-se aos poderosos apegos que as crianças tem pelos seus pais nos anos pré-escolares. Esses afetos envolvem fantasias de relações sexuais com algum (ou ambos) pais e, portanto, fantasias competitivas para com um (ou com os dois) pais. Humberto Nagera (1975) tem sido particularmente útil para esclarecer muitas das complexidades da criança durante esses anos.

Os conflitos edipianos “positivos” e “negativos” foram associados aos aspectos heterossexuais e homossexuais, respectivamente. Ambos parecem ocorrer no desenvolvimento da maioria das crianças. Eventualmente, as concessões da criança em desenvolvimento à realidade (que não se casará com um dos pais nem eliminará o outro) levam a identificações com os valores dos pais. Essas identificações geralmente criam um novo conjunto de operações mentais quanto a valores e culpa, subsumidos sob o termo “superego”. Além do desenvolvimento do superego, as crianças “resolvem” seus conflitos edipianos pré-escolares através da canalização de desejos em algo que seus pais aprovam (“sublimação”) e o desenvolvimento, durante os anos escolares (“latência”) de manobras de defesa obsessivo-compulsivas adequadas à idade (regras, jogos repetitivos).

Tratamento

Usando as várias técnicas analíticas e psicológicas para avaliar problemas mentais, alguns acreditam que existem constelações particulares de problemas que são especialmente adequados para o tratamento analítico (ver abaixo), enquanto outros problemas podem responder melhor aos medicamentos e outras intervenções interpessoais. Para ser tratado com psicanálise, seja qual for o problema apresentado, a pessoa que solicita ajuda deve demonstrar o desejo de iniciar uma análise. A pessoa que deseja iniciar uma análise deve ter alguma capacidade de fala e comunicação. Além disso, os clientes precisam ser capazes de ter ou desenvolver confiança e insight dentro da sessão psicanalítica. Os pacientes potenciais devem ser submetidos a um estágio preliminar de tratamento para avaliar sua capacidade para a psicanálise naquele momento, e também permitir que o analista forme um modelo psicológico que usará para dirigir o tratamento. Os psicanalistas trabalham principalmente com neurose e histeria em particular; no entanto, formas adaptadas de psicanálise são usadas no trabalho com esquizofrenia e outras formas de psicose ou transtorno mental. Finalmente, se um paciente tiver potencial gravemente suicida, pode ser empregado um estágio preliminar mais longo, às vezes com sessões que têm um intervalo de vinte minutos no meio. Existem inúmeras modificações na técnica sob o título de psicanálise devido à natureza individualista da personalidade tanto no analista como no paciente.

Os problemas mais comuns tratáveis ​​com a psicanálise incluem: fobias, conversões, compulsões, obsessões, ataques de ansiedade, depressões, disfunções sexuais, uma grande variedade de problemas de relacionamento (como conflitos conjugais) e uma grande variedade de problemas de caráter (por exemplo, timidez dolorosa, desobediência, vício em trabalho, hiperatividade, hiperemocionalidade). O fato de que muitos desses pacientes também demonstram os déficits citados anteriormente dificulta o diagnóstico e a seleção de tratamento.

Organizações analíticas como o IPA, APsaA e a Federação Européia de Psicoterapia Psicanalítica estabeleceram procedimentos e modelos para a indicação e prática de terapia psicanalítica para estagiários em análise. A combinação entre o analista e o paciente pode ser vista como outro fator contribuinte para a indicação e contra-indicação para o tratamento psicanalítico. O analista decide se o paciente é adequado para a psicanálise. Esta decisão feita pelo analista, além de levar em conta as indicações e patologia usuais, também é baseada em um certo grau pelo “ajuste” entre analista e paciente. A adequação de uma pessoa para análise em qualquer momento específico é baseada em seu desejo de saber algo sobre a origem da doença.

Uma avaliação pode incluir uma ou mais opiniões independentes de outros analistas e incluirá discussão sobre a situação financeira do paciente.

Técnicas

O método básico da psicanálise é a interpretação dos conflitos inconscientes do paciente que interferem com o funcionamento atual – conflitos que estão causando sintomas dolorosos como fobias, ansiedade, depressão e compulsões. Strachey (1936) enfatizou que a descoberta de maneiras pelas quais o paciente distorceu as percepções sobre o analista levam a entender o que pode ter sido esquecido (veja também o artigo de Freud “Recordar, Repetir e Elaborar”). Em particular, sentimentos hostis inconscientes em relação ao analista poderiam ser encontrados em reações simbólicas e negativas ao que Robert Langs mais tarde chamou de “quadro” na terapia [69] – a configuração que inclui horários das sessões, o pagamento de honorários e a necessidade de falar. Em pacientes que cometeram erros, esqueceram ou mostraram outras peculiaridades em relação ao tempo, aos honorários e à fala, o analista geralmente pode encontrar várias “resistências” inconscientes ao fluxo de pensamentos (às vezes chamado de associação livre).

Quando o paciente se reclina em um divã com o analista fora de vista, tende a lembrar mais, experimenta menos resistência e mais transferência e é capaz de reorganizar os pensamentos após o desenvolvimento da percepção – através do trabalho interpretativo do analista. Embora a vida de fantasia possa ser entendida através do exame dos sonhos, as fantasias de masturbação (Marcus, I. e Francis, J. (1975), Masturbation from Infancy to Senescence) também são importantes. O analista está interessado em como o paciente reage e evita tais fantasias (ver Paul Gray (1994), The Ego e Analysis of Defense). [70] Várias memórias do início da vida são geralmente distorcidas – Freud as chamou de “memórias de tela” – e, em qualquer caso, experiências muito precoces (antes dos dois anos) – não podem ser lembradas (veja os estudos infantis de Eleanor Galenson sobre “memória evocativa”).

Variações na técnica

Existe o que se conhece entre os psicanalistas como “técnica clássica”, embora Freud, ao longo de seus escritos, se desviasse consideravelmente, dependendo dos problemas de qualquer paciente. A técnica clássica foi resumida por Allan Compton como compreendendo instruções (dizer ao paciente para tentar dizer o que está em mente, incluindo interferências); exploração (perguntas); e esclarecimento (reformulando e resumindo o que o paciente descreveu). Além disso, o analista também pode usar o confronto para trazer um aspecto de funcionamento, geralmente uma defesa, para a atenção do paciente. O analista então usa uma variedade de métodos de interpretação, como:

  • a interpretação dinâmica (explicando como as defesas são muito boas contra a culpa, por exemplo – defesa versus afeto);
  • interpretação genética (explicando como um evento passado está influenciando o presente);
  • interpretação de resistência (mostrando aos pacientes como eles estão evitando seus problemas);
  • interpretação de transferência (mostrando ao paciente que conflitos antigos surgem nas relações atuais, inclusive com o analista);
  • ou interpretação de sonhos (obtendo os pensamentos do paciente sobre seus sonhos e conectando isso com seus problemas atuais).

Os analistas também podem usar a reconstrução para estimar o que pode ter acontecido no passado, que criou algum problema atual.

Essas técnicas baseiam-se principalmente na teoria do conflito (ver acima). À medida que a teoria das relações de objeto evoluiu, complementada pelo trabalho de John Bowlby e Mary Ainsworth, as técnicas com pacientes com problemas mais graves com a confiança básica (Erikson , 1950) e uma história de privação materna (ver as obras de Augusta Alpert) levaram a novas técnicas com adultos. Estas às vezes foram chamadas de interpessoais, intersubjetivas (ver Stolorow), relacionais ou corretivas. Estas técnicas incluem expressar uma sintonia empática ao paciente; expondo um pouco da vida pessoal ou atitudes do analista ao paciente; permitindo a autonomia do paciente sob a forma de desacordo com o analista (ver IH Paul, Letters to Simon); e explicando as motivações dos outros que o paciente percebe mal. Os conceitos psicológicos egoicos do déficit no funcionamento levaram a refinamentos na terapia de suporte. Essas técnicas são particularmente aplicáveis ​​aos pacientes psicóticos e quase psicóticos (ver Eric Marcus, “Psychosis and Near-psychosis”). Essas técnicas de terapia de suporte incluem discussões sobre a realidade; incentivo para permanecer vivo (incluindo hospitalização); medicamentos psicotrópicos para aliviar o afeto depressivo esmagador ou fantasias esmagadoras (alucinações e delírios); e conselhos sobre os significados das coisas (para contrariar falhas de abstração).

A noção de “analista silencioso” foi criticada. Na verdade, o analista escuta usando a abordagem de Arlow conforme estabelecido em “The Genesis of Interpretation”, usando a intervenção ativa para interpretar resistências, defesas criando patologia e fantasias. O silêncio não é uma técnica de psicanálise (veja também os estudos e artigos de opinião de Owen Renik). A ” neutralidade analítica ” é um conceito que não significa que o analista é silencioso. Refere-se à posição do analista de não tomar partido nas lutas internas do paciente. Por exemplo, se um paciente se sente culpado, o analista pode explorar o que o paciente tem feito ou pensado que causa a culpa, mas não tranquilizar o paciente a não se sentir culpado.

Os psicanalistas interpessoais e relacionais enfatizam a noção de que é impossível ser neutro. Sullivan introduziu o termo “participante-observador” para indicar que o analista inevitavelmente interage com o analisando e sugeriu o inquérito detalhado como uma alternativa à interpretação. O inquérito detalhado envolve a observação de onde o analisando está deixando de lado elementos importantes de um relato, observar quando a história está ofuscada e fazer perguntas cuidadosas para abrir o diálogo.

Terapia de grupo e terapia de jogo

Embora as sessões de um único cliente permaneçam como norma, a teoria psicanalítica tem sido utilizada para desenvolver outros tipos de tratamento psicológico. A terapia grupal psicanalítica teve como pioneiros Trigant Burrow, Joseph Pratt, Paul F. Schilder, Samuel R. Slavson , Harry Stack Sullivan, e Wolfe. O aconselhamento para os pais centrado na criança foi instituído no início da história analítica por Freud e foi posteriormente desenvolvido por Irwin Marcus, Edith Schulhofer e Gilbert Kliman. A terapia de casal baseada em psicanálise foi promulgada e explicada por Fred Sander. As técnicas e ferramentas desenvolvidas na primeira década do século XXI tornaram a psicanálise disponível para pacientes que não eram tratáveis ​​por técnicas anteriores. Isso significa que a situação analítica foi modificada para que fosse mais adequada e mais provável de ser útil para esses pacientes. MN Eagle (2007) acredita que a psicanálise não pode ser uma disciplina autônoma, mas deve estar aberta a influência e integração com achados e teorias de outras disciplinas. [71]

As construções psicanalíticas foram adaptadas para uso com crianças com tratamentos como terapia de jogo, terapia de arte e narração de histórias. Ao longo de sua carreira, desde a década de 1920 até a década de 1970, Anna Freud adaptou a psicanálise para as crianças através do jogo. Isso ainda é usado hoje para crianças, especialmente aquelas que são pré-adolescentes (ver Leon Hoffman, New York Psychoanalytic Institute Center for Children). Usando brinquedos e jogos, os filhos são capazes de demonstrar, simbolicamente, seus medos, fantasias e defesas; embora não idêntica, essa técnica em crianças é análoga ao objetivo da livre associação em adultos. A terapia de jogo psicanalítica permite que o analista entenda os conflitos das crianças, em particular as defesas, como a desobediência e a retirada, que têm guardado vários sentimentos desagradáveis ​​e desejos hostis. Na terapia de arte, o analista pode ver uma criança desenhar um retrato e depois contar uma história sobre o retrato. O analista observa temas recorrentes – independentemente de ser com arte ou brinquedos.

Variações culturais

A psicanálise pode ser adaptada a diferentes culturas , desde que o terapeuta  entenda a cultura do cliente. Por exemplo, Tori e Blimes descobriram que os mecanismos de defesa eram válidos em uma amostra normativa de 2.624 tailandeses. O uso de certos mecanismos de defesa estava relacionado a valores culturais. Por exemplo, os tailandeses valorizam a tranquilidade e a coletividade (por causa das crenças budistas), de modo que eles estavam com baixa emoção regressiva. A psicanálise também se aplica porque Freud usou técnicas que lhe permitiram perceber as percepções subjetivas de seus pacientes. Ele toma uma abordagem objetiva ao não enfrentar seus clientes durante suas sessões de psicoterapia. Ele se encontrava com seus pacientes onde quer que estivessem, como quando ele usava associação livre – onde os clientes diriam tudo o que viesse à mente sem autocensura. Seus tratamentos tinham pouca ou nenhuma estrutura para a maioria das culturas, especialmente as culturas asiáticas. Portanto, é mais provável que as construções freudianas sejam usadas em terapia estruturada (Thompson, et al., 2004). Além disso, Corey postula que será necessário que um terapeuta ajude os clientes a desenvolver uma identidade cultural e uma identidade do ego.

Custo e duração do tratamento

O custo para o paciente do tratamento psicanalítico varia amplamente de um lugar para outro e entre os praticantes. A análise mais barata geralmente está disponível em uma clínica de treinamento psicanalítico e em graduação e pós-graduação em universidades. Caso contrário, o preço definido por cada analista varia com o treinamento e a experiência do analista. Uma vez que, na maioria dos locais nos Estados Unidos, ao contrário de Ontário e Alemanha, a análise clássica (que geralmente requer sessões de três a cinco vezes por semana) não é coberta pelo seguro de saúde, muitos analistas podem negociar seus preços com pacientes que eles sentem que podem ajudar, mas que têm dificuldades financeiras. As modificações da análise, que incluem terapia psicodinâmica, terapias breves e certos tipos de terapia grupal (ver Slavson, SR, A Textbook in Analytic Group Therapy), são realizadas de forma menos frequente – geralmente uma vez, duas vezes ou três vezes por semana – e geralmente o paciente fica de frente para o terapeuta. Como resultado dos mecanismos de defesa e da falta de acesso aos elementos insondáveis ​​do inconsciente, a psicanálise pode ser um processo expansivo que envolve 2 a 5 sessões por semana por vários anos. Este tipo de terapia baseia-se na crença de que reduzir os sintomas não ajudará realmente com as causas raiz ou unidades irracionais. O analista tipicamente é uma “tela em branco”, revelando muito pouco sobre si mesmo para que o cliente possa usar o espaço no relacionamento para trabalhar em seu inconsciente sem interferências externas.

O psicanalista usa vários métodos para ajudar o paciente a se tornar mais consciente de si mesmo e a desenvolver insights sobre seu comportamento e os significados dos sintomas. Em primeiro lugar, o psicanalista tenta desenvolver uma atmosfera confidencial em que o paciente possa se sentir seguro informando seus sentimentos, pensamentos e fantasias. Os analisandos (como as pessoas em análise são chamadas) são convidados a relatar o que vem à mente sem medo de represálias. Freud chamou isso de “regra fundamental”. Os analisandos são convidados a falar sobre suas vidas, incluindo seu passado, vida atual, esperanças e aspirações para o futuro. Eles são encorajados a relatar suas fantasias, “flash de pensamentos” e sonhos. Na verdade, Freud acreditava que os sonhos eram “a estrada real para o inconsciente”; ele dedicou um volume inteiro à interpretação dos sonhos. Além disso, os psicanalistas encorajam seus pacientes a se reclinar em um sofá – o famoso divã. Normalmente, o psicanalista se senta, fora da vista, por trás do paciente.

A tarefa do psicanalista, em colaboração com o analisando, é ajudar a aprofundar a compreensão do analisando desses fatores, fora de sua consciência, que impulsionam seus comportamentos. No ambiente seguro do cenário psicanalítico, o analisando se apega ao analista e logo começa a experimentar os mesmos conflitos com seu analista que ele experimenta com figuras-chave em sua vida, como seus pais, seu chefe, o outro significativo, etc. É o papel do psicanalista apontar esses conflitos e interpretá-los. A transferência desses conflitos internos para o analista é chamada de “transferência”.

Muitos estudos também foram feitos em tratamentos “dinâmicos” mais breves; estes são mais fáceis de medir e lançam luz sobre o processo terapêutico até certo ponto. Terapia Relacional Breve (TRB) e Terapia Psicodinâmica Breve (TPB) limitam o tratamento a 20-30 sessões. Em média, a análise clássica pode durar vários anos, mas para fobias e depressões sem complicações de déficits de ego ou déficit de relações de objeto, a análise pode ocorrer por um curto período de tempo. Análises mais longas são indicadas para aqueles com distúrbios mais sérios nas relações de objetos, mais sintomas e mais patologia de caráter enraizado.

Treinamento e pesquisa

Estados Unidos

O treinamento psicanalítico nos Estados Unidos envolve uma psicanálise pessoal para o estagiário, aproximadamente 600 horas de aula, com um currículo padrão, durante um período de quatro ou cinco anos.

Normalmente, essa psicanálise deve ser conduzida por um Analista de Supervisão e Treinamento. A maioria dos institutos (mas não todos) dentro da American Psychoanalytic Association, exigem que os Analistas de Supervisão e Treinamento sejam certificados pela American Board of Psychoanalysts. A certificação implica uma revisão cega na qual o trabalho dos psicanalistas é examinado por psicanalistas fora de sua comunidade local. Após a obtenção de certificação, esses psicanalistas são avaliados por membros seniores de seu próprio instituto. Os analistas de supervisão e treinamento são mantidos nos mais altos padrões clínicos e éticos. Além disso, eles são obrigados a ter uma vasta experiência na realização de psicanálise.

Da mesma forma, a instrução de classe para candidatos psicanalíticos é rigorosa. Normalmente, as aulas duram várias horas por semana, ou durante um dia inteiro ou dois, todos os outros fins de semana durante o ano letivo; Isso varia com o instituto.

Os candidatos geralmente têm uma hora de supervisão a cada semana, com um Analista de Supervisão e Treinamento, em cada caso psicanalítico. O número mínimo de casos varia entre institutos, muitas vezes dois a quatro casos. São necessários casos masculinos e femininos. A supervisão deve durar pelo menos alguns anos em um ou mais casos. A supervisão é feita no escritório do supervisor, onde o estagiário apresenta material do trabalho psicanalítico naquela semana. Na supervisão, os conflitos inconscientes do paciente são explorados, além disso, as constelações de transferência e contratransferência são examinadas. Além disso, a técnica clínica é ensinada.

Muitos centros de treinamento psicanalítico nos Estados Unidos foram credenciados por comitês especiais da APsaA ou do IPA. Devido às diferenças teóricas, existem institutos independentes, geralmente fundados por psicólogos, que até 1987 não tinham acesso a institutos de treinamento psicanalítico da APsaA. Atualmente, existem entre 75 e 100 institutos independentes nos Estados Unidos. Além disso, outros institutos são afiliados a outras organizações, como a Academia Americana de Psicanálise e Psiquiatria Dinâmica, e a Associação Nacional para o Avanço da Psicanálise. Na maioria dos institutos psicanalíticos nos Estados Unidos, as qualificações para a entrada incluem um diploma em um campo de saúde mental, como Ph.D., Psy.D., MSW ou MD. Poucos institutos restringem os candidatos àqueles que já possuem um MD ou Ph.D., e a maioria dos institutos no sul da Califórnia confere um Ph.D. ou Psy.D. na psicanálise após a graduação, o que envolve a conclusão dos requisitos necessários para os conselhos estaduais que conferem o doutorado. O primeiro instituto de treinamento na América para educar psicanalistas não médicos foi o The National Psychological Association for Psyanalysis (1978) na cidade de Nova York. Foi fundado pelo analista Theodor Reik. The Contemporary Freudian (originalmente a New York Freudian Society), um ramo da Associação Nacional de Psicologia, tem uma filial em Washington, DC.

Há treinamento psicanalítico como bolsa pós-doutoral em ambientes universitários, como a Universidade Duke, Universidade de Yale, Universidade de Nova York, Universidade de Adelphi e Universidade de Columbia. Outros institutos psicanalíticos podem não estar diretamente associados às universidades, mas a faculdade nesses institutos geralmente mantém cargos em programas de  Ph.D. em psicologia e / ou com programas de residência de psiquiatria da escola médica.

O IPA é o principal órgão de credenciamento e regulação de psicanálise do mundo. A missão deles é assegurar o vigor contínuo e o desenvolvimento da psicanálise em benefício dos pacientes psicanalíticos. Trabalha em parceria com as 70 organizações constituintes em 33 países para apoiar 11.500 membros. Nos Estados Unidos, existem 77 organizações psicanalíticas e associações de institutos. APSaA tem 38 sociedades afiliadas que possuem 10 ou mais membros ativos que praticam em uma determinada área geográfica. Os objetivos da APSaA e outras organizações psicanalíticas são: proporcionar oportunidades educacionais contínuas aos seus membros, estimular o desenvolvimento e pesquisa da psicanálise, providenciar treinamento e organizar conferências. Existem oito grupos de estudo afiliados nos Estados Unidos. Um grupo de estudo é o primeiro nível de integração de um corpo psicanalítico dentro do IPA, seguido de uma sociedade provisória e, finalmente, de uma sociedade membro.

A Divisão de Psicanálise (39) da American Psychological Association (APA) foi estabelecida no início dos anos 80 por vários psicólogos. Até o estabelecimento da Divisão de Psicanálise, os psicólogos que haviam treinado em institutos independentes não possuíam organização nacional. A Divisão de Psicanálise tem aproximadamente 4.000 membros e aproximadamente 30 divisões locais nos Estados Unidos. A Divisão de Psicanálise realiza duas reuniões ou conferências anuais e oferece educação contínua em teoria, pesquisa e técnica clínica, assim como suas divisões locais afiliadas. A Federação Europeia de Psicanálise (EPF) é a organização que consolida todas as sociedades psicanalíticas europeias. Esta organização está afiliada ao IPA. Em 2002, havia aproximadamente 3.900 membros individuais em 22 países, falando 18 línguas diferentes. Existem também 25 sociedades psicanalíticas.

A Associação Americana de Psicanálise em Trabalho Social Clínico (AAPCSW) foi criada por Crayton Rowe em 1980 como uma divisão da Federação de Sociedades Clínicas de Trabalho Social e tornou-se uma entidade independente em 1990. Até 2007 era conhecida como o Comitê Nacional de Membros sobre Psicanálise. A organização foi fundada porque, embora os trabalhadores sociais representassem o maior número de pessoas que estavam treinando para ser psicanalistas, eles estavam sub-representados como supervisores e professores dos institutos a que participaram. AAPCSW agora tem mais de 1000 membros e tem mais de 20 divisões. Realiza uma conferência nacional bianual e numerosas conferências locais anuais.

Experiências de psicanalistas e psicoterapeutas psicanalíticos e pesquisas sobre desenvolvimento infantil levaram a novos conhecimentos. As teorias foram desenvolvidas e os resultados da pesquisa empírica agora estão mais integrados na teoria psicanalítica . [72]

Reino Unido

A Sociedade Psicanalítica de Londres foi fundada por Ernest Jones em 30 de outubro de 1913. Com a expansão da psicanálise no Reino Unido, a Sociedade foi renomeada para Sociedade Psicanalítica Britânica em 1919. Logo depois, o Instituto de Psicanálise foi criado para administrar as atividades da Sociedade. Estes incluem: o treinamento dos psicanalistas, o desenvolvimento da teoria e prática da psicanálise, a provisão de tratamento através da Clínica de Psicanálise de Londres, a publicação de livros na The New Library of Psychoanalysis and Psychoanalytic Ideas. O Instituto de Psicanálise também publica a The International Journal of Psychoanalysis, mantém uma biblioteca, promove pesquisa e realiza palestras públicas. A sociedade possui um Código de Ética e um Comitê Ético. A sociedade, o instituto e a clínica estão localizados em Byron House.

A sociedade é um componente do IPA, um corpo com membros em todos os cinco continentes que protege a prática profissional e ética. A sociedade é membro do British Psychoanalytic Council (BPC); O BPC publica um registro de psicanalistas britânicos e psicoterapeutas psicanalíticos. Todos os membros da British Psychoanalytical Society são obrigados a empreender o desenvolvimento profissional contínuo.

Os membros da Sociedade incluíram Michael Balint , Wilfred Bion , John Bowlby , Anna Freud, Melanie Klein, Joseph J. Sandler e Donald Winnicott .

O Instituto de Psicanálise é o principal editor da literatura psicanalítica. A edição padrão de 24 volumes das Obras psicológicas completas de Sigmund Freud foi concebida, traduzida e produzida sob a direção da British Psychoanalytical Society. A Sociedade, em conjunto com Random House, publicará em breve uma edição padrão nova, revista e expandida. Com a Nova Biblioteca da Psicanálise, o Instituto continua a publicar os livros de líderes teóricos e praticantes. O International Journal of Psychoanalysis é publicado pelo Instituto de Psicanálise. Agora, no seu 84º ano, possui uma das maiores circulações de qualquer revista psicanalítica.

Pesquisa

Mais de cem anos de relatos de casos e estudos na revista Modern Psychoanalysis, Psychoanalytic Quarterly , International Journal of Psychoanalysis e Journal of the American Psychoanalytic Association analisaram a eficácia da análise em casos de neurose e problemas de personalidade ou caráter. A psicanálise modificada pelas técnicas de relações de objetos mostrou-se eficaz em muitos casos de problemas enraizados de intimidade e relacionamento (ver muitos livros de Otto Kernberg). Como tratamento terapêutico, as técnicas psicanalíticas podem ser úteis em uma consulta de uma sessão. [73] O tratamento psicanalítico, em outras situações, pode variar de cerca de um ano a muitos anos, dependendo da gravidade e complexidade da patologia.

A teoria psicanalítica tem sido, desde o início, objeto de críticas e controvérsias. Freud observou isso no início de sua carreira, quando outros médicos em Viena o desprezaram por suas descobertas de que os sintomas de conversão histérica não se limitaram a mulheres. Os desafios da teoria analítica começaram com Otto Rank e Alfred Adler (virada do século 20), continuaram com behavioristas (por exemplo, Wolpe ) nos anos 40 e 50 e persistiram (por exemplo, Miller). As críticas são daqueles que se opõem à noção de que existem mecanismos, pensamentos ou sentimentos na mente que podem ser inconscientes. Também foram criticadas a ideia de “sexualidade infantil” (o reconhecimento de que as crianças entre os dois e os seis anos imaginam coisas sobre a procriação). As críticas à teoria levaram a variações nas teorias analíticas, como o trabalho de Ronald Fairbairn, Michael Balint e John Bowlby. Nos últimos 30 anos, as críticas se concentraram na questão da verificação empírica [74] , apesar de muitos estudos de pesquisa empíricos e prospectivos que foram empiricamente validados (por exemplo, veja os estudos de Barbara Milrod et al., da Cornell University Medical School). Na literatura científica, há algumas pesquisas que apoiam algumas das ideias de Freud, por exemplo, inconsciência, repressão, etc.[75]

A psicanálise tem sido utilizada como ferramenta de pesquisa no desenvolvimento da infância (ver a revista The Psychoanalytic Study of the Child) e desenvolveu-se para um tratamento flexível e efetivo para certos distúrbios mentais. [39] Na década de 1960, os pensamentos anteriores de Freud (1905) sobre o desenvolvimento infantil da sexualidade feminina foram desafiados; este desafio levou a pesquisas importantes nos anos 70 e 80, e depois a uma reformulação do desenvolvimento sexual feminino que corrigiu alguns dos conceitos de Freud. [76] Veja também as várias obras de Eleanor Galenson, Nancy Chodorow, Karen Horney, Françoise Dolto, Melanie Klein, Selma Fraiberg, e outros. Mais recentemente, pesquisadores psicanalíticos que integraram a teoria do apego em seus trabalhos, incluindo Alicia Lieberman, Susan Coates e Daniel Schechter, exploraram o papel da traumatização dos pais no desenvolvimento das representações mentais de si mesmos e de outras pessoas. [77]

Existem diferentes formas de psicanálise e psicoterapias em que o pensamento psicanalítico é praticado. Além da psicanálise clássica, há, por exemplo, psicoterapia psicanalítica, uma abordagem terapêutica que amplia “a acessibilidade da teoria psicanalítica e das práticas clínicas que evoluíram em mais de 100 anos para um número maior de indivíduos”. [78] Outros exemplos de terapias bem conhecidas que também usam insights sobre a psicanálise são o tratamento baseado em mentalização (TBM) e a psicoterapia centrada na transferência (PCT). [72] Existe também uma influência contínua do pensamento psicanalítico em cuidados de saúde mental. [79]

Avaliação de eficácia

A eficácia da psicanálise rigorosa é difícil de avaliar; a terapia como Freud pretendia que dependesse demais da interpretação do terapeuta não pode ser comprovada. [80] A eficácia de técnicas mais modernas e desenvolvidas pode ser avaliada. As metanálises em 2012 e 2013 chegam à conclusão de que há suporte ou evidência para a eficácia da terapia psicanalítica, pelo que é necessária mais pesquisa. [81] [82] Outras meta-análises publicadas nos últimos anos mostrou que psicanálise e terapia psicodinâmica podem ser eficazes, com resultados comparáveis ou superiores a outros tipos de psicoterapia ou drogas antidepressivas , [83] [84][85], mas esses argumentos também foram submetidos a várias críticas. [86] [87] [88] [89]

Em 2011, a American Psychological Association fez 103 comparações entre o tratamento psicodinâmico e um concorrente não-dinâmico e descobriu que 6 eram superiores, 5 eram inferiores, 28 não tinham diferença e 63 eram adequados. O estudo descobriu que isso poderia ser usado como base “para fazer da psicoterapia psicodinâmica um tratamento empiricamente validado”. [90]

As metanálises da Psicoterapia Psicodinâmica de Curto Prazo (STPP) encontraram tamanhos de efeitos que variaram de .34-.71 em comparação com nenhum tratamento e foi vista como um pouco melhor do que outras terapias no seguimento. [91] Outras avaliações encontraram um efeito de tamanho de .78-.91 para distúrbios somáticos em comparação com nenhum tratamento [92] e .69 para tratar a depressão. [93] Uma meta-análise de 2012 pela Harvard Review of Psychiatry da Psicoterapia dinâmica intensiva de curto prazo (ISTDP) encontrou tamanhos de efeitos variando de 0,84 para problemas interpessoais a 1,51 para depressão. A ISTDP geral teve um tamanho de efeito de 1,18 em comparação com nenhum tratamento. [94]

Uma revisão do sistema de psicoterapia psicodinâmica a longo prazo em 2009 encontrou um tamanho de efeito global de .33. [95] Outros encontraram tamanhos de efeito de .44-.68. [96]

De acordo com uma revisão em francês de 2004 realizada pelo INSERM, a psicanálise foi presumida ou comprovada como eficaz no tratamento de transtorno de pânico, estresse pós-traumático e transtornos de personalidade. [97]

O maior estudo controlado aleatorizado do mundo em terapia com pacientes ambulatórios de anorexia nervosa, o ANTOP-Study, publicado em 2013 na The Lancet, encontrou evidências de que a terapia psicodinâmica modificada é efetiva no aumento do índice de massa corporal após um tratamento de 10 meses e que o efeito é persistente até pelo menos um ano após a conclusão do tratamento. Relativamente a outros tratamentos atribuídos, verificou-se que era tão eficaz no aumento do índice de massa corporal como a terapia comportamental cognitiva e como um protocolo de tratamento padrão (que consistiu em encaminhamento para uma lista de psicoterapeutas com experiência no tratamento de transtornos alimentares, além de monitoramento próximo e tratamento por um médico de família). Além disso, considerando que o resultado é a taxa de recuperação um ano após o tratamento, medida pela proporção de pacientes que já não atendiam aos critérios diagnósticos de anorexia nervosa, a terapia psicodinâmica modificada foi mais efetiva que o protocolo de tratamento padrão e tão efetiva como terapia comportamental cognitiva. [98]

Uma revisão sistemática de 2001 da literatura médica pela Cochrane Collaboration concluiu que não existem dados que demonstrem que a psicoterapia psicodinâmica é efetiva no tratamento de esquizofrenia e doença mental grave e advertiu que a medicação deve sempre ser usada ao lado de qualquer tipo de psicoterapia em casos de esquizofrenia. [99] Uma revisão francesa de 2004 encontrou o mesmo. [97] A equipe de pesquisa de resultados de pacientes com esquizofrenia aconselha contra o uso de terapia psicodinâmica em casos de esquizofrenia, argumentando que são necessários mais ensaios para verificar sua eficácia. [100] [101]

Crítica

Como um campo de ciência

“O motivo mais forte para considerar Freud um pseudocientista é que ele afirmou ter testado – e, portanto, ter fornecido os motivos mais convincentes para a aceitação – teorias que não são testáveis ​​ou mesmo se testáveis ​​não foram testadas.”

– Frank Cioffi [102]

Tanto Freud quanto a psicanálise foram criticados em termos muito extremos. [103] Os intercâmbios entre críticos e defensores da psicanálise têm sido freqüentemente tão acalorados que passaram a ser caracterizados como as Guerras de Freud[104]

As primeiras críticas à psicanálise acreditavam que suas teorias se baseavam muito pouco na pesquisa quantitativa e experimental , e demais no método de estudo de caso clínico. Alguns acusaram Freud de fabricação, mais famosamente no caso de Anna O. [105] Frank Cioffi, autor de Freud and the Question of Pseudoscience (Freud e a Questão de Pseudociência), cita falsas alegações de uma sólida verificação científica da teoria e seus elementos como a base mais forte para classificar o trabalho de Freud e sua escola como pseudociência. [106] Outros especularam que os pacientes sofreram agora condições facilmente identificáveis ​​não relacionadas à psicanálise; por exemplo, pensa-se que Anna O. sofreu uma deficiência orgânica, como a meningite tuberculosa ou epilepsia do lobo temporal e não histeria. [107]

Karl Popper argumentou que a psicanálise é uma pseudociência porque suas reivindicações não são testáveis ​​e não podem ser refutadas; isto é, eles não são falsificáveis . [108] Mais tarde, Imre Lakatos observou: “Os freudianos não foram atormentados pelo desafio básico de Popper em relação à honestidade científica. Na verdade, eles se recusaram a especificar condições experimentais sob as quais eles abandonariam seus pressupostos básicos”. [109]

Os cientistas cognitivos, em particular, também pesaram. Martin Seligman, um proeminente acadêmico em psicologia positiva, escreveu: “Trinta anos atrás, a revolução cognitiva na psicologia derrubou Freud e os behavioristas, pelo menos na academia. Pensamento … não é apenas um [resultado] de emoção ou comportamento … Emoção sempre é gerada pela cognição, e não o contrário “. [110] O linguista Noam Chomsky criticou a psicanálise por falta de uma base científica. [111] Steven Pinker considera a teoria freudiana não científica para entender a mente. [112] Biólogo evolutivo Steven Jay Gould considerou a psicanálise como influenciada por teorias pseudocientíficas, como a teoria da recapitulação. Os psicólogos Hans Eysenck [113] e John F. Kihlstrom [114] também criticaram o campo como pseudociência.

Adolf Grünbaum argumenta que as teorias baseadas na psicanálise são falsificáveis, mas que as alegações causais da psicanálise não são suportadas pela evidência clínica disponível. [115]

Richard Feynman reduziu os psicanalistas à meros “feiticeiros”:

“Se você olhar para todas as ideias complicadas que eles desenvolveram em uma quantidade infinitesimal de tempo, se você compara com qualquer outra das ciências quanto tempo leva para obter uma ideia depois da outra, se você considerar todas as estruturas e invenções e coisas complicadas, os ids e os egos, as tensões e as forças, e os impulsos e as trações, eu digo que não podem estar todos lá. É demais para um cérebro ou alguns cérebros forjarem em tão pouco tempo. [116]”

E. Fuller Torrey, em Witchdoctors and Psychiatrists (1986), concorda que as teorias psicanalíticas não têm mais bases científicas do que as teorias de curandeiros nativos tradicionais, “feticeiros” ou alternativas modernas de “culto”. [117] A psicóloga Alice Miller acusou a psicanálise de ser semelhante às pedagogias venenosas, que descreveu em seu livro For Your Own Good. Ela examinou e rejeitou a validade da teoria das pulsões de Freud, incluindo o complexo de Édipo, que, segundo ela e Jeffrey Masson, culpa a criança pelo comportamento sexual abusivo de adultos. [118] O psicólogo Joel Kupfersmid investigou a validade do complexo de Édipo, examinando sua natureza e origens. Ele concluiu que há pouca evidência para apoiar a existência do complexo de Édipo. [68]

Michel Foucault e Gilles Deleuze alegaram que a instituição da psicanálise tornou-se um centro de poder e que suas técnicas confessionais se assemelham à tradição cristã. [119] Jacques Lacan criticou a ênfase de algumas tradições psicanalíticas americanas e britânicas sobre o que ele considerou como a sugestão de “causas” imaginárias de sintomas e recomendou o retorno a Freud. [120] Juntamente com Deleuze, Félix Guattari criticou a estrutura edipiana. [121] Luce Irigaray criticou a psicanálise, empregando o conceito de falogocentrismo de Jacques Derrida para descrever a exclusão da mulher das teorias psicanalíticas freudianas e lacanianas. [122] Deleuze e Guattari, em seu trabalho de 1972, O Anti-Édipo: Capitalismo e Esquizofrenia, pegam os casos de Gérard Mendel, Bela Grunberger e Janine Chasseguet-Smirgel, membros proeminentes das associações mais respeitadas ( IPa ), para sugerir que, tradicionalmente, a psicanálise abraça entusiasticamente um estado policial. [123]

A psicanálise continua a ser praticada por psicólogos, psiquiatras, assistentes sociais e outros profissionais de saúde mental; no entanto, sua prática é menos comum hoje do que nos anos passados. [124] “Eu acho que a maioria das pessoas concorda que a psicanálise como forma de tratamento está em suas últimas pernas”, diz Bradley Peterson, psicanalista, psiquiatra infantil e diretor do Instituto para a Mente em Desenvolvimento do Children’s Hospital Los Angeles. [125] Os fundamentos teóricos da psicanálise encontram-se nas mesmas correntes filosóficas que conduzem à fenomenologia interpretativa em vez de naqueles que levam ao positivismo científico, tornando a teoria incompatível com abordagens positivistas para o estudo da mente. [126] [127] [107]

Um relatório francês de 2004 do INSERM disse que a terapia psicanalítica é menos eficaz do que outras psicoterapias (incluindo terapia comportamental cognitiva) para certas doenças. Utilizou uma meta-análise de inúmeros outros estudos para determinar se o tratamento foi “comprovado” ou “presumido” como eficaz em diferentes doenças. [97] Numerosos estudos mostraram que sua eficácia está relacionada à qualidade do terapeuta, ao invés da escola, técnica psicanalítica ou treinamento. [128]

Teoria freudiana

“Muitos aspectos da teoria freudiana estão de fato datados, e eles devem estar: Freud morreu em 1939, e ele teve lentidão para realizar novas revisões. Muitos de seus críticos, no entanto, estão igualmente datados, atacando as visões freudianas da década de 1920 como se continuassem a ter algum valor na sua forma original. A teoria e a terapia psicodinâmica evoluíram consideravelmente desde 1939, quando o semblante barbudo e sério de Freud foi visto pela última vez. Os psicanalistas e os psicodinâmicos contemporâneos já não escrevem muito sobre ids e egos, nem concebem tratamento para distúrbios psicológicos como uma expedição arqueológica em busca de memórias perdidas.”

– Drew Westen [129]

Uma crescente quantidade de pesquisas empíricas de psicólogos e psiquiatras acadêmicos começou a abordar essas críticas. Um levantamento feito por uma pesquisa científica sugeriu que, embora possam ser observados traços de personalidade correspondentes às fases oral, anal, edipiana e genital de Freud, não se manifestam necessariamente como estágios no desenvolvimento de crianças. Esses estudos também não confirmaram que tais características em adultos resultam de experiências infantis (Fisher & Greenberg, 1977, 399). No entanto, essas etapas não devem ser vistas como cruciais para a psicanálise moderna. O que é crucial para a teoria e a prática psicanalítica moderna é o poder do inconsciente e do fenômeno de transferência.

A ideia de “inconsciente” é contestada porque o comportamento humano pode ser observado enquanto a atividade mental humana deve ser inferida. No entanto, o inconsciente é agora um tópico popular de estudo nos campos da psicologia experimental e social (por exemplo, medidas de atitude implícitas, fMRI e PET scan, e outros testes indiretos). A ideia de inconsciente e o fenômeno de transferência foram amplamente pesquisados ​​e, segundo eles, são validados nos campos da psicologia cognitiva e psicologia social (Westen & Gabbard 2002), embora uma interpretação freudiana da atividade mental inconsciente não seja realizada pela maioria dos psicólogos cognitivos. Os desenvolvimentos recentes na neurociência resultaram em um lado argumentando que forneceu uma base biológica para o processamento emocional inconsciente em consonância com a teoria psicanalítica, ou seja, a neuropsicanálise (Westen & Gabbard 2002), enquanto o outro lado argumenta que tais descobertas tornam a teoria psicanalítica obsoleta e irrelevante.

Shlomo Kalo explica que o materialismo científico que floresceu no século 19 prejudicou gravemente a religião e rejeitou o que fosse chamado espiritual. A instituição do sacerdote de confissão em particular foi gravemente danificada. O vazio que esta instituição deixou para trás foi rapidamente ocupado pela psicanálise recém-nascida. Em seus escritos, Kalo afirma que a abordagem básica da psicanálise é errônea. Representa o princípio principal de pressuposições erradas de que a felicidade é inacessível e que o desejo natural de um ser humano é explorar seus semelhantes para seu próprio prazer e benefício. [130]

Jacques Derrida incorporou aspectos da teoria psicanalítica em sua teoria da desconstrução para questionar o que chamou de “metafísica da presença”. Derrida também transforma algumas dessas ideias contra Freud, para revelar tensões e contradições em seu trabalho. Por exemplo, embora Freud defina a religião e a metafísica como deslocamentos da identificação com o pai na resolução do complexo edipiano, Derrida insiste em Cartão-Postal (The Postcard: From Socrates to Freud and Beyond) que a proeminência do pai na própria análise de Freud põe em dívida à proeminência dada ao pai na metafísica e teologia ocidental desde Platão. [131]

Notas

  • a. Alfred Adler desenvolveu a escola de pensamento conhecida como psicologia individual, enquanto Carl Jung estabeleceu a psicologia analítica.
  • b. Kaplan e Sadock’s Synopsis of Psychiatry, 2007: “A psicanálise existiu antes da virada do século 20 e, nesse período, se estabeleceu como uma das disciplinas fundamentais da psiquiatria. A ciência da psicanálise é o suporte fundamental de compreensão psicodinâmica e forma o quadro teórico fundamental de referência para uma variedade de formas de intervenção terapêutica, abrangendo não só a própria psicanálise, mas também várias formas de psicoterapia psicanalítica e formas de terapia relacionadas usando conceitos psicodinâmicos”. [9]
  • c.  Robert Michels, 2009: “A psicanálise continua a ser um paradigma importante organizando a forma como muitos psiquiatras pensam sobre pacientes e tratamento. No entanto, suas limitações são mais amplamente reconhecidas e presume-se que muitos avanços importantes no futuro virão de outras áreas, particularmente a psiquiatria biológica. Ainda não resolvido é o papel apropriado do pensamento psicanalítico na organização do tratamento dos pacientes e no treinamento de psiquiatras após a revolução biológica ter nascido. Os tratamentos destinados a defeitos biológicos ou anormalidades se tornam passos técnicos em um programa organizado em um quadro psicanalítico? A psicanálise ajudará a explicar e orientar a intervenção de suporte para indivíduos cujas vidas são deformadas por defeitos biológicos e intervenções terapêuticas, como é o caso dos pacientes com doença física crônica, com o psicanalista no programa de diálise psiquiátrica? Ou analisaremos o papel da psicanálise no tratamento dos doentes mentais graves como a última e mais cientificamente iluminada fase da tradição humanística na psiquiatria, uma tradição que se extinguiu quando os avanços na biologia nos permitiram curar aqueles que por tanto tempo tínhamos apenas consolado? “[10]

Referências 

  1.  Merton M. Gill, American Mental Health Foundation: “What is psychoanalysis? Of course, one is supposed to answer that it is many things — a theory, a research method, a therapy, a body of knowledge. In what might be considered an unfortunately abbreviated description, Freud said that anyone who recognizes transference and resistance is a psychoanalyst, even if he comes to conclusions other than his own. … I prefer to think of the analytic situation more broadly, as one in which someone seeking help tries to speak as freely as he can to someone who listens as carefully as he can with the aim of articulating what is going on between them and why. David Rapaport (1967a) once defined the analytic situation as carrying the method of interpersonal relationship to its last consequences.” Gill, Merton M. “Psychoanalysis, Part 1: Proposals for the Future”, American Mental Health Foundation, archived 10 June 2009
  2.  Jane Milton, Caroline Polmear, Julia Fabricius. A Short Introduction to Psychoanalysis. SAGE, 2011, 27. “All psychoanalytic theories include the idea that unconscious thoughts and feelings are central in mental functioning.”
  3. Gay, Peter. Freud: A Life for Our Time. New York: W. W. Norton, 1988, 3–4, 103.
  4. Birnbach, Martin. Neo-Freudian Social Philosophy, Stanford University Press, 1961, 3.
  5. Mitchell, Juliet. Psychoanalysis and Feminism: A Radical Reassessment of Freudian Psychoanalysis. Penguin Books, 2000, 341.
  6. For points 1–6, see Fromm, Erich. The Revision of Psychoanalysis, New York: Open Road, 1992, 12–13. For point 7, Chessick, Richard D. The Future of Psychoanalysis, New York: State University of New York Press, 2007, 125.
  7. For session length, Thompson, M. Guy. The Ethic of Honesty: The Fundamental Rule of Psychoanalysis, Rodopi, 2004, 75.

    For session frequency, Hinshelwood, Robert D. “Surveying the Maze”, in Serge Frisch, Robert D. Hinshelwood, and Jean-Marie Gauthier (eds.). Psychoanalysis and Psychotherapy: The Controversies and the Future, Karnac Books, 2001, 128.

  8. Alberto Stefana: History of Countertransference. From Freud to the British Object Relations School, Routledge ed., 2017, ISBN 978-1138214613
  9. Sadock, Benjamin J. and Sadock, Virginia A. Kaplan and Sadock’s Synopsis of Psychiatry. 10th ed., Lippincott Williams & Wilkins, 2007, 190.
  10. Michels, Robert. “Psychoanalysis and Psychiatry: A Changing Relationship”, American Mental Health Foundation, archived 6 June 2009.
  11. Stengel E (1953), Sigmund Freud on Aphasia (1891), New York: International Universities Press
  12. Freud, S. Studies on Hysteria (1895), Standard Edition, vol. 2, Hogarth Press, 1955.
  13. Freud, S. (1895), “Project for a Scientific Psychology”, Standard Edition, vol. 1, Hogarth Press, 1966.
  14. “L’hérédité et l’étiologie des névroses” – Psychanalyse-Paris.com
  15. Élisabeth Roudinesco, Michel Plon, Dictionnaire de la psychanalyse, Paris, Fayard, 2011 [1997], p. 1216.
  16. Freud, S. (1896), “The Aetiology of Hysteria”, Standard Edition, vol. 7, Hogarth Press, 1953.
  17. Freud, S. (1906), “My Views on the Part Played by Sexuality in the Aetiology of the Neuroses”, Standard Edition, vol. 7, Hogarth Press, 1953.
  18. Freud 1896, 204.
  19. Cioffi, F. (1973), “Was Freud a Liar”, reprinted in Freud and the Question of Pseudoscience (1998), Open Court, 199–204.
  20. Schimek, J. G. (1987). “Fact and Fantasy in the Seduction Theory: a Historical Review”, Journal of the American Psychoanalytic Association, xxxv: 937–965.
  21. Allen Esterson (February 1998). “Jeffrey Masson and Freud’s seduction theory: a new fable based on old myths (synopsis in Human Nature Review)”History of the Human Sciences11 (1): 1–21. doi:10.1177/095269519801100101.
  22. Freud, S. (1906).
  23. Freud, S. (1925), “An Autobiographical Study”, Standard Edition, vol. 20, Hogarth Press, 1959.
  24. Sigmund, Freud (1900), The Interpretation of Dreams, IV and V (2nd ed.), Hogarth Press, 1955
  25. Arlow, Brenner (1964), Psychoanalytic Concepts and the Structural Theory, NY: International Universities Press
  26. Freud S (1905), Three Essays on the Theory of SexualityVII (2nd ed.), Hogarth Press, 1955
  27. Freud S (1915), On NarcissismXIV (2nd ed.), Hogarth Press, 1955
  28. Freud S (1917), Mourning and MelancholiaXVII (2nd ed.), Hogarth Press, 1955
  29. Freud S (1919), A Child is Being BeatenXVII (2nd ed.), Hogarth Press, 1955
  30. Freud S (1920), “Group Psychology and Analysis of the Ego”, Nature (2nd ed.), Hogarth Press, 1955, XVII (2784): 321, Bibcode:1923Natur.111T.321.doi:10.1038/111321d0
  31. Freud S (1920), Beyond the Pleasure Principle, XVIII (2nd ed.), Hogarth Press, 1955
  32. Freud S (1923), The Ego and the IdXIX (2nd ed.), Hogarth Press, 1955
  33. Freud S (1926), Inhibitions, Symptoms and AnxietyXX(2nd ed.), Hogarth Press, 1955
  34. Organisational Behaviour
  35. Waelder R (1936), The Principles of Multiple Function: Observations on Over-Determination, IJP
  36. Freud A (1966), The Ego and the Mechanisms of Defense, IUP
  37. Emily A. Kuriloff (2013). Contemporary Psychoanalysis and the Legacy of the Third Reich. Routledge. p. 45. ISBN 1136930418.
  38. (cf. the journal The Psychoanalytic Study of the Child)
  39. Wallerstein (2000), Forty-Two Lives in Treatment: A Study of Psychoanalysis and Psychotherapy
  40. Blum H. Masochism, the Ego Ideal and the Psychology of Women, JAPA 1976
  41. IPA Component Organisations in Europe
  42. Journal of the American Psychoanalytical AssociationAugust 1976 24: 855-874
  43. Freud S (1915), The UnconsciousXIV (2nd ed.), Hogarth Press, 1955
  44. Langs R (2010), Freud on a Precipice. How Freud’s Fate pushed Psychoanalysis over the Edge, Lanham MD: Jason Aronson
  45. Rapaport, Gill (1959), “The Points of View and Assumptions of Metapsychology”, IJP
  46. Brenner (2006), “Psychoanalysis: Mind and Meaning”, Psychoanalytic Quarterly Press, New York
  47. “Archived copy” (PDF). Archived from the original(PDF) on 2015-05-01. Retrieved 2015-06-27.
  48. Lacan, Jacques, The Function and Field of Speech and Language in Psychoanalysis. Trans. Bruce Fink. New York – London: W.W. Norton, 2006.
  49. Evans, Dylan “From Lacan to Darwin”, in The Literary Animal; Evolution and the Nature of Narrative, eds. Jonathan Gottschall and David Sloan Wilson, Evanston: Northwestern University Press, 2005.
  50. Lacan, J., Television/A Challenge to the Psychoanalytic Establishment
  51. J. Guimón (2003) Relational mental health: beyond evidence-based interventions, 68.
  52. Deleuze and Guattari (1972). Anti-Oedipus, 190–191.
  53. Mitchell, Juliet. Psychoanalysis and Feminism, (1974), reissued in Basic Books 2000.
  54. Brenan, Teresa (ed.) Between Feminism and Psychoanalysis. London and NY: Routledge, 1989. ISBN 0-415-01490-5
  55. Pollock, Griselda. Encounters in the Virtual Feminist Museum. London: Routledge, 2007. ISBN 0-415-41374-5
  56. Zajko, Vanda, and Leonard, Miriam, eds. Laughing with Medusa. Oxford University Press, 2006. ISBN 0-19-927438-X.
  57. Pollock, Griselda, ed. Psychoanalysis and the Image. Oxford: Blackwell, 2006. ISBN 1-4051-3461-5.
  58. Irigaray, Luce. Speculum of the Other Woman. NY: Cornell University Press, 1985, ISBN 978-0801493300
  59. Irigaray, Luce. This Sex which is Not One. NY: Cornell University Press., 1985
  60. Ettinger, Bracha, The Matrixial Borderspace. Minneapolis: University of Minnesota Press, 2006. ISBN 0-8166-3587-0
  61. Ettinger, Bracha, “(M)Other Re-spect. Maternal Subjectivity, the Ready-made mother-monster and the Ethics of Respecting.” Mamsie – Studies in the Maternal, nº 3. London: Birkbeck University, 2010. <“Archived copy”. Archived from the original on 2013-12-03. Retrieved 2011-12-12.>
  62. Benjamin, Jessica. Like Subjects, Love Objects. Yale University, 1995. ISBN 0-300-06419-5
  63. Langs R (2010), Fundamentals of Adaptive Psychotherapy and Counseling, London: Palgrave-MacMillan
  64. Mitchell S (1997), “Influence and Autonomy in Psychoanalysis”, The Analytic Press
  65. http://www.cmps.edu/Modern-Psychoanalysis-Journal
  66. “Apologies: Page Not Found – PTSD: National Center for PTSD”.
  67. Miller, Alice. Thou Shalt Not Be Aware, Society’s Betrayal of the Child New York: Farrar Straus Giroux, 1984, 105–227.
  68. Kupfersmid, Joel. Abstract Does the Oedipus complex exist?American Psychological Association, 1995
  69. Langs R (1998), Ground Rules in Psychotherapy and Counselling, London: Karnac
  70. Gray P, The Ego and Analysis of Defense, J. AronsonYear= 1994
  71. Morris N, Eagle (2007), “Psychoanalytic Psychology”, Psychoanalysis and its Critics24: 10–24, doi:10.1037/0736-9735.24.1.10
  72. Nederlands Psychoanalytisch Instituut
  73. Blackman J (1994), “Psycho-dynamic Technique during Urgent Consultation Interviews”, Journal Psychotherapy Practice & Research
  74. Tallis RC (1996), “Burying Freud”Lancet347 (9002): 669–671, doi:10.1016/S0140-6736(96)91210-6PMID 8596386
  75. Westen, D. (1999), “The scientific status of unconscious processes: Is Freud really dead?” (PDF), Journal of the American Psychoanalytic Association (49): 1–30.
  76. Blum HP, ed. (1977), Female Psychology, New York: International Universities Press
  77. Schechter DS; Zygmunt A; Coates SW; Davies M; Trabka KA; McCaw J; Kolodji A.; Robinson JL (2007). “Caregiver traumatization adversely impacts young children’s mental representations of self and others”Attachment & Human Development9 (3): 187–20. doi:10.1080/14616730701453762PMC 2078523Freely accessiblePMID 18007959.
  78. [What is Psychoanalytic Psychotherapy? Toronto Psychoanalytic Society and Institute – ]
  79. Nederlands Psychoanalytisch Genootschap, archived from the original on September 16, 2009
  80. Myers, D. G. (2014). Psychology: Tenth edition in modules. New York, NY: Worth Publishers
  81. Leichsenring, F (2013). “The emerging evidence for long-term psychodynamic therapy”. Psychodyn Psychiatry41: 361–84. doi:10.1521/pdps.2013.41.3.361PMID 24001160.
  82. de Maat, S. “The current state of the empirical evidence for psychoanalysis: a meta-analytic approach”. Harv Rev Psychiatry21: 107–37. doi:10.1097/HRP.0b013e318294f5fdPMID 23660968.
  83. Shedler, J. (2010), “The Efficacy of Psychodynamic Psychotherapy” (PDF), American Psychologist65 (2): 98–109, doi:10.1037/a0018378PMID 20141265
  84. Leichsenring, F (2005), “Are psychodynamic and psychoanalytic therapies effective”, International Journal of Psychoanalysis86 (Pt 3): 841–68, doi:10.1516/rfee-lkpn-b7tf-kpduPMID 16096078
  85. Leichsenring F, Rabung S (July 2011). “Long-term psychodynamic psychotherapy in complex mental disorders: update of a meta-analysis”. Br J Psychiatry199: 15–22. doi:10.1192/bjp.bp.110.082776PMID 21719877.
  86. McKay, D. (2011). “Methods and mechanisms in the efficacy of psychodynamic psychotherapy”. American Psychologist66 (2): 147–148; discussion 148–4. doi:10.1037/a0021195PMID 21299262.
  87. Thombs, B. D.; Jewett, L. R.; Bassel, M. (2011). “Is there room for criticism of studies of psychodynamic psychotherapy?”. American Psychologist66 (2): 148–149; discussion 149–4. doi:10.1037/a0021248PMID 21299263.
  88. Anestis, M. D.; Anestis, J. C.; Lilienfeld, S. O. (2011). “When it comes to evaluating psychodynamic therapy, the devil is in the details”. American Psychologist66 (2): 149–151; discussion 151–4. doi:10.1037/a0021190PMID 21299264.
  89. Tryon, W. W.; Tryon, G. S. (2011). “No ownership of common factors”. American Psychologist66 (2): 151–152; discussion 152–4. doi:10.1037/a0021056PMID 21299265.
  90. Gerber AJ, Kocsis JH, Milrod BL, Roose SP, Barber JP, Thase ME, Perkins P, Leon AC: A quality-based review of randomized controlled trials of psychodynamic psychotherapy” Am J Psychiatry 2011 Jan;168(1) 19-28. Epub 2010 Sep 15.
  91. Anderson Edward M.; Lambert Michael J. (1995). “Short-term dynamically oriented psychotherapy: A review and meta-analysis”. Clinical Psychology Review15 (6): 503–514. doi:10.1016/0272-7358(95)00027-m.
  92. Abbass Allan; Kisely Stephen; Kroenke Kurt (2009). “Short-Term Psychodynamic Psychotherapy for Somatic Disorders. Systematic Review and Meta-Analysis of Clinical Trials”. Psychotherapy and Psychosomatics78(5): 2009. doi:10.1159/000228247PMID 19602915.
  93. Abass Allen A.; et al. (2010). “The efficacy of short-term psychodynamic psychotherapy for depression: A meta-analysis”. Clinical Psychology Review30 (1): 25–36. doi:10.1016/j.cpr.2009.08.010PMID 19766369.
  94. Abbass Allan; TownDClinPsych Joel; Driessen Ellen (2012). “Intensive Short-Term Dynamic Psychotherapy: A Systematic Review and Meta-analysis of Outcome Research”. Harvard Review of Psychiatry20 (2): 97–108. doi:10.3109/10673229.2012.677347PMID 22512743.
  95. Smit, Y.; Huibers, J.; Ioannidis, J.; van Dyck, R.; van Tilburg, W.; Arntz, A. (2012). “The effectiveness of long-term psychoanalytic psychotherapy — A meta-analysis of randomized controlled trials”. Clinical Psychology Review32 (2): 81–92. doi:10.1016/j.cpr.2011.11.003PMID 22227111.
  96. Leichsenring, Falk; Rabung, Sven (2011). “Long-term psychodynamic psychotherapy in complex mental disorders: update of a meta-analysis”The British Journal of Psychiatry199: 15–22. doi:10.1192/bjp.bp.110.082776PMID 21719877.
  97. Jump up to:a b c National Institute for health and medical research (2004), Psychotherapy: Three approaches evaluatedPMID 21348158
  98. http://www.thelancet.com/journals/lancet/article/PIIS0140-6736(13)61746-8/abstract
  99. Mamberg, L.; Fenton, M.; Rathbone, J. (2001). “Individual psychodynamic psychotherapy and psychoanalysis for schizophrenia and severe mental illness”Cochrane Database of Systematic Reviews (3): CD001360. doi:10.1002/14651858.CD001360PMC 4171459Freely accessiblePMID 11686988.
  100. AHRQ.gov Initial Results from the Schizophrenia Patient Outcomes Research Team (PORT) Client Survey 2001
  101. AHRQ.gov The Schizophrenia Patient Outcomes Research Team (PORT) Treatment (continued) 1998
  102. Frank Cioffi (November 9, 2005). “Was Freud a Pseudoscientist?”. Retrieved April 13, 2011.
  103. Brunner, José (2001), Freud and the politics of psychoanalysis, Transaction, p. xxi, ISBN 0-7658-0672-X
  104. “washingtonpost.com: Dispatches from the Freud Wars: Psychoanalysis and Its Passions”.
  105. Borch-Jacobsen 1996
  106. Frank Cioffi (November 9, 2005). “Was Freud a Pseudoscientist?”. Retrieved April 13, 2011.
  107. Jump up to:a b Webster, Richard (1996). Why Freud was wrong. Sin, science and psychoanalysis. London: Harper Collins.
  108. Popper KR, “Science: Conjectures and Refutations”, reprinted in Grim P (1990) Philosophy of Science and the Occult, Albany, 104–110. See also Conjectures and Refutations.
  109. Lakatos, Imre; John Worrall and Gregory Currie, eds. (1978). The Methodology of Scientific Research Programmes. Philosophical Papers, Volume 1. Cambridge: Cambridge University Press. p. 146.
  110. Seligman, MartinAuthentic Happiness (The Free Press, Simon & Schuster, 2002), p. 64.
  111. “The Professorial Provocateur, Noam Chomsky interviewed by Deborah Solomon”.
  112. Pinker, Steven (1997). How The Mind Works.
  113. Eysneck, Hans (1985). Decline and Fall of the Freudian Empire
  114. Is Freud Still Alive? No, Not Really. John F. Kihlstrom
  115. Adolf., Grünbaum, (1993). Validation in the clinical theory of psychoanalysis : a study in the philosophy of psychoanalysis. Grünbaum, Adolf. Madison, Conn.: International Universities Press, Inc. ISBN 0823667227OCLC 26895337.
  116. Feynman, Richard (2007) [1998]. The Meaning of It All: Thoughts of a Citizen-Scientist. London: Penguin. pp. 114–5. Feynman was also speaking here of psychiatrists.
  117. Fuller Torrey E (1986), Witchdoctors and Psychiatrists, p. 76
  118. Miller, Alice (1984). Thou shalt not be aware: society’s betrayal of the child. NY: Meridan Printing.
  119. Weeks, Jeffrey (1989), Sexuality and its Discontents: Meanings, Myths, and Modern Sexualities, New York: Routledge, p. 176, ISBN 0-415-04503-7
  120. Lacan J (1977), Ecrits. A Selection and The Seminars, Alan Sheridan, London: Tavistock
  121. Deleuze G, Guattari F (1984), Anti-Oedipus, London: Athlone, ISBN 0-485-30018-4
  122. Irigaray L (1974), Speculum, Paris: Minuit, ISBN 2-7073-0024-1
  123. Deleuze, Guattari (1972) Anti-Œdipus, section 2.4 The disjunctive synthesis of recording 89.
  124. “French Psychoflap”. Science307 (5713): 1197a–1197a. 25 February 2005. doi:10.1126/science.307.5713.1197a.
  125. Schwartz, Casey. “Tell It About Your Mother”The New York Times Magazine (June 28, 2015). Retrieved July 1, 2015.
  126. Fuller, Torrey E (1986), Witchdoctors and Psychiatrists, 76.
  127. Popper, KR, “Science: Conjectures and Refutations”, reprinted in Grim P (1990). Philosophy of Science and the Occult, Albany, 104–110. See also Conjectures and Refutations
  128. Horvath A (2001), “The Alliance”, Psychotherapy: Theory, research, practice, training38 (4): 365–372, doi:10.1037/0033-3204.38.4.365
  129. Drew Westen, “The Scientific Legacy of Sigmund Freud Toward a Psychodynamically Informed Psychological Science”. November 1998 Vol. 124, No. 3, 333-371
  130. Kalo, Shlomo Powerlessness as a Parable, 1997, D.A.T. Publ., 16 and backcover text
  131. Derrida, Jacques, and Alan Bass. The Postcard: From Socrates to Freud and Beyond. Chicago & London: Univ. of Chicago, 1987.

Fontes: Wikipedia


Quer ler o site sem anúncios + conteúdo exclusivo?
☆ Assine o Psicoativo Premium





2 comentários em “Psicanálise: O Guia Definitivo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.