Sobre o Narcisismo: Uma Introdução – Freud | Resumo

Sobre a introdução do conceito de narcisismo na psicanálise de Freud

transtorno de personalidade narcisista

Sobre o narcisismo: Uma introdução, texto de de 1914, foi um ponto significativo no desenvolvimento das teorias de Freud. Foi produzido após o trabalho em suas teorias anteriores sobre sonhos e mente inconsciente. Freud começou a explorar os vários aspectos da mente inconsciente, como o ‘id‘. No entanto, Freud não menciona o ‘id’ neste trabalho. Em vez disso, ele dá sugestões sobre a existência dessas várias partes da mente. Além disso, Freud começa a falar sobre mecanismos de autocontrole da mente, a que ele se refere como o ‘ego ideal‘. No entanto, ele não menciona diretamente o superego, que seria a base de seus trabalhos posteriores. É importante notar que Sobre o narcisismo é um de seus trabalhos mais técnicos. Nele, Freud utiliza muitos termos clínicos, que podem não ser fáceis para o leitor iniciante entender.

Na obra Sobre o narcisismo: uma introdução (On Narcissism em inglês, Zur Einführung des Narzißmus em alemão) is a 1914 , Freud introduz o conceito de ‘narcisismo’. Freud nos diz que Paul Nacke escolheu o termo narcisismo para denotar “a atitude de uma pessoa que trata seu próprio corpo da mesma forma pela qual o corpo de um objeto sexual é comumente tratado”. Ele postula que todos os seres humanos têm algum nível de narcisismo em seu desenvolvimento.

Em sua obra, Freud diferencia entre dois tipos de narcisismo: narcisismo primário e narcisismo secundário. Narcisismo primário preexiste em todos os seres humanos; este tipo de energia está presente desde o nascimento. Freud especula que este é o mesmo tipo de energia evidente em crianças e jovens. Neste momento de sua vida, as crianças, muitas vezes acreditam ser superseres capazes de realizar proezas incríveis apenas por suas palavras. Segundo Laplanche e Pontalis (2008), o narcisismo primário designa um estado precoce em que a criança investe toda a sua libido em si mesma. No entanto, em algum momento de sua vida, este narcisismo primário é dirigido para o exterior, para um objeto.

Freud especula que o narcisismo secundário se desenvolve quando os indivíduos direcionam este afeto de objeto de volta a si mesmos. Isto é, após a libido já ter sido projetada para fora, para outros objetos além de si mesmo. O resultado é que um indivíduo se torna “cortado” da sociedade e desinteressado em outros. Freud postula que tal indivíduo terá baixa autoestima devido à sua incapacidade de expressar o amor para os outros e que eles expressem amor para ele. Além disso, essa pessoa pode ficar cheia de vergonha, culpa e muitas vezes fica na defensiva. Isso ocorre porque o narcisismo faz com que um indivíduo busque a autopreservação.

Em sua obra, Freud especula que o narcisismo tem fontes distintas. Em primeiro lugar, a pessoa é impulsionada por uma necessidade de autopreservação; em segundo lugar, o indivíduo é movido pelos instintos sexuais, essencialmente a necessidade de procriar. Durante a infância, estas duas unidades são geralmente as mesmas. Em essência, quanto mais a ‘libido’ é projetada para os outros (libido objetal), menos energia existe para o amor-próprio (libido do ego). Em essência, Freud postula objeto libido emana de uma necessidade de garantir a sobrevivência da espécie. Consequentemente, Freud argumenta que o conceito de amor é para garantir a continuação da espécie. Ele argumenta ainda que, para o indivíduo e a espécie sobreviverem, há uma necessidade de manter um delicado equilíbrio entre estas duas libidos. Por exemplo, se um indivíduo quer comer, ele deve ter alguma libido do ego, no entanto, se ele quer que a espécie sobreviva, ele deve ter libido objetal. Um desequilíbrio ocorre quando muita energia é dirigida para dentro, para o indivíduo. O resultado é que a personalidade da pessoa torna-se infectada e que já não pode funcionar adequadamente na sociedade.

Nos últimos capítulos de sua obra, Freud procura explicar a causa da homossexualidade. De acordo com Freud, na relação entre mãe e filho, a criança orienta a sua afeto para fora em relação à mãe. No entanto, os homossexuais não aprendem a projetar a sua libido objetal corretamente. De acordo com Freud, esses indivíduos procuram a si mesmos como um objeto amoroso. De acordo com Freud, este é o narcisismo em sua forma mais pura.

Além disso, Freud teve algumas palavras bem escolhidas para o comportamento de mulheres bonitas. Ele postulou que a maioria dessas belas mulheres eram narcisistas interessadas em autoadoração. Ele postulou que elas tendem a olhar para alguém que poderia desenvolver uma admiração por elas. Consequentemente, essas mulheres eram altamente atraentes para os homens principalmente devido a sua indiferença para com eles.

Freud postula que aos pais expressam seu amor pelas crianças como uma forma de satisfazer seus próprios desejos narcisistas. Este narcisismo primário ressurge após o nascimento da criança. Freud mais tarde explora o ideal do ego. Neste trabalho, ele explica que quando uma pessoa se desenvolve, ela desenvolve uma espécie de autocensura. Em indivíduos paranoicos, o ideal do ego é muito forte e descontrolado, o que faz com que um indivíduo possa desenvolver a ideia de ser monitorado por pessoas invisíveis. Freud também explica que o ideal do ego poderia ser a causa da voz relatada em pacientes com transtornos mentais, que muitas vezes é dita ser crítica do indivíduo.

Consequentemente, a autoestima é pesada contra a satisfação deste ego ideal. Quanta autoestima se tem depende da quantidade de carinho e amor que se é capaz de derivar do objeto de seu desejo. Ou seja, se o libido objetal é projetada para fora, sem reciprocidade, pode levar a baixa autoestima.


Leia mais sobre Narcisismo:


Referrências:

Freud, S. Sobre o Narcisismo: Uma introdução. 1914.

Via SigmundFreud.net



DEIXA O LIKE AÍ COMO REFORÇO POSITIVO PRA GENTE :D CURTE E COMPARTILHA E VAMOS LEVAR A PSICOLOGIA AOS CONFINS DO UNIVERSO! \o/\o/\o/\o/\o/


🔴 COMENTA AÍ

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.