O Imaginário na Psicanálise de Lacan | Real, Simbólico e Imaginário #3

Na obra de Jacques Lacan, o real, o simbólico e o imaginário são um conjunto central de referências.

O imaginário é o campo do ego.

Em seu ensaio de 1936  “Au-delà du ‘principe de réalit锑 (Para além do “Princípio de realidade”), Lacan observou que Freud descobriu um significado nas queixas dos pacientes que outros médicos consideravam imaginário e, portanto, ilusório. Em sua primeira leitura da obra de Freud, Lacan enfatizou a noção de imagem, destacando a sua função: refletir comportamentos discretos do sujeito em imagens unificadas. No estádio do espelho, o sujeito se identifica com essas imagens e desenvolve um conceito de ego em relação a outro.

Em seu primeiro seminário, Lacan reconheceu que tal identificação implica uma alienação radical (1988a), mas ele considerou essa identificação essencial para a estrutura da ordem imaginária e ao desenvolvimento do ego humano. Naquela época (1953-1954), ele estava interessado no trabalho etológico de Nikolaas Tinbergen e Konrad Lorenz, que privilegiou a função da imagem como gestalt no desenvolvimento do instinto sexual.

Lacan acreditava que o desenvolvimento do impulso sexual de seres humanos também está relacionado com a função imaginária. Isso explicaria a atração de imagens. Como exemplo, ele se referiu ao esgana-gata do sexo feminino, um peixe cuja dança copulatória é posta em movimento pela visão de uma determinada mancha de cor nas costas do macho. No entanto, um entalhe de papel tendo as mesmas marcas podem ter o mesmo efeito sobre a fêmea (Lacan, 1988a, pp. 122-123).

O que importa é que a imagem é investida com a libido. Lacan se refere ao investimento libidinal como “o que faz com que um objeto se torne desejável, ou seja, como ele se confunde com esta imagem mais ou menos estruturada que, de diversas maneiras, nós carregamos conosco” (1988a, p. 141).

Mas para o sujeito vir a ser, é preciso encontrar “um guia para além do imaginário, no nível do plano simbólico…. Este guia que rege o sujeito é o ego ideal” (1988a, p. 141). O ego ideal, de acordo com Lacan, é o Outro (cuidador) falando. A partir desse ponto, a ordem simbólica (linguagem) domina a ordem imaginária, que é reduzida a ser um chamariz. Lacan levou vinte anos para restaurar o imaginário para o seu pleno lugar ao lado do real e do simbólico, o que ele fez dentro do tópico do nó de Borromeu (um conjunto de três anéis interligados que se separam, se algum é removido).

Leia também:

Ego ideal x Ideal do ego / Eu ideal x Ideal do eu

Apesar do foco de Lacan, em 1982, sobre a importância de atar as três consistências (o real, o simbólico e o imaginário), muitos lacanianos continuam a negligenciar o imaginário. Em seu estudo de James Joyce (2001), no entanto, Lacan mostrou as dificuldades que se seguem a partir de uma falha para dar lugar ao imaginário. De acordo com Marie-Christine Laznik-Penot (1995), o tratamento de autismo também nos permite ver as dificuldades que podem seguir com o fracasso de conceder à ordem imaginária seu devido lugar.

Por Marie-Christine Laznik


Fonte

Imaginary, The (Lacan).” International Dictionary of Psychoanalysis. Recuperado em 17 de Agosto de 2017 de Encyclopedia.com: http://www.encyclopedia.com/psychology/dictionaries-thesauruses-pictures-and-press-releases/imaginary-lacan

Bibliografia

Lacan, Jacques. (1936). Au-delà du “principe de réalité.” In hisÉcrits. Paris: Seuil, 1966, 73-92.

Lacan, Jacques. (1982). The seminar XXII of 21 January 1975: RSI. In Juliet Mitchell and Jacqueline Rose (Eds.), Feminine sexuality. New York: W. W. Norton.

Lacan, Jacques. (1988a). The seminar of Jacques Lacan. Book 1: Freud’s papers on technique (1953-1954) (John Forrester, Trans.). New York: W. W. Norton.

Lacan, Jacques. (1988b). The seminar of Jacques Lacan. Book 2: The ego in Freud’s theory and in the technique of psychoanalysis (1954-1955) (Sylvana Tomaselli, Trans.). New York: W. W. Norton.

Lacan, Jacques. (2001). Joyce: le symptôme. In his Autres écrits. Paris: Seuil.

Laznik-Penot, Marie-Christine. (1995). Vers la parole: trois enfants autistes en psychanalyse. Paris: Denoël.




DEIXA O LIKE AÍ COMO REFORÇO POSITIVO PRA GENTE :D CURTE E COMPARTILHA E VAMOS LEVAR A PSICOLOGIA AOS CONFINS DO UNIVERSO! \o/\o/\o/\o/\o/


🔴 COMENTA AÍ

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.