Condicionamento clássico: O que é e como funciona

Um guia passo-a-passo de como condicionamento clássico funciona realmente 

Condicionamento clássico é um tipo de aprendizagem que teve uma grande influência sobre a escola de pensamento na psicologia conhecida como behaviorismo. Descoberto pelo fisiologista russo Ivan Pavlov, o condicionamento clássico é um processo de aprendizagem que ocorre através de associações entre um estímulo ambiental e um estímulo que ocorre naturalmente.

cachorro-sino-condicionamento-classico

Embora o condicionamento clássico não tenha sido descoberto por um psicólogo, ele teve uma influência tremenda sobre uma das mais importantes escola de pensamento na psicologia: o behaviorismo.

Behaviorismo baseia-se no pressuposto de que:

  • Todo aprendizado ocorre através de interações com o meio ambiente
  • O ambiente forma o comportamento
  • Levar em consideração  estados mentais internos, como pensamentos, sentimentos e emoções é inútil para explicar comportamento

É importante notar que o condicionamento clássico envolve a colocação de um sinal neutro antes de um reflexo que ocorre naturalmente. No experimento clássico de Pavlov com cães, o sinal neutro era o som de um tom e o reflexo que ocorria naturalmente era salivar em resposta aos alimentos. Ao associar o estímulo neutro com o estímulo ambiental (apresentação de alimentos), o som do tom por si só poderia produzir a resposta de salivação.

A fim de entender como o condicionamento clássicos funciona, é importante estar familiarizado com os princípios básicos do processo.

Como o condicionamento clássico funciona?

Condicionamento clássico envolve, basicamente, formar uma associação entre dois estímulos, resultando em uma resposta aprendida.

Há três fases básicas deste processo:

Fase 1: antes do condicionamento

A primeira parte deste processo requer um estímulo que ocorre naturalmente que vai provocar automaticamente uma resposta. Salivar em resposta ao cheiro da comida é um bom exemplo de um estímulo que ocorre naturalmente.

Durante esta fase dos processos, o estímulo incondicionado (EI) resulta em uma resposta incondicionada (RI).

Por exemplo, apresentar alimentos (EI) natural e automaticamente desencadeia uma resposta de salivação (RI).

Neste ponto, há também um estímulo neutro, que não produz nenhum efeito – ainda. Não até que este estímulo neutro seja emparelhado com o estímulo incondicionado.

Vamos dar uma olhada mais de perto nos dois componentes críticos desta fase do condicionamento clássico.

  • O estímulo incondicionado (EI):  o estímulo incondicionado é aquele que incondicionalmente, provoca naturalmente e, automaticamente, uma resposta. Por exemplo, quando você cheira um de seus alimentos favoritos, você pode imediatamente sentir muita fome. Neste exemplo, o cheiro da comida é o estímulo não condicionado.
  • A resposta não condicionada (RI):  A resposta não condicionada é a resposta que ocorre naturalmente em resposta ao estímulo não condicionado. No nosso exemplo, a sensação de fome em resposta ao cheiro da comida é a resposta não condicionada.

Fase 2: durante o condicionamento

Durante a segunda fase do processo de condicionamento clássico, o estímulo neutro anterior é repetidamente emparelhado com o estímulo não condicionado.

Como resultado deste emparelhamento, uma associação entre o estímulo anteriormente neutro e o estímulo incondicionado é formada. Neste ponto, o estímulo neutro, uma vez torna-se conhecido como o estímulo condicionado (EC). O sujeito já foi condicionado a responder a este estímulo.

  • O estímulo condicionado o estímulo condicionado é previamente um estímulo neutro que, após tornar-se associado com o estímulo incondicionado, eventualmente, vai desencadear uma resposta condicionada. Em nosso exemplo anterior, suponha que quando você sentia o cheiro da sua comida favorita, você também ouvia o som de um apito. O apito não está relacionado com o cheiro da comida, mas se o som do apito for emparelhado várias vezes com o cheiro, o som acabaria por desencadear a resposta condicionada. Neste caso, o som do apito é o estímulo condicionado.

Fase 3: Após o Condicionamento

Uma vez que a associação tenha sido feita entre a EI e EC, apresentar o estímulo condicionado vai evocar uma resposta, mesmo sem o estímulo incondicionado. A resposta resultante é conhecida como a resposta condicionada (RC).

  • A resposta condicionada A resposta condicionada é a resposta aprendida ao estímulo anteriormente neutro. No nosso exemplo, a resposta condicionada estaria em sentir fome quando ouvir o som do apito.

Exemplos de condicionamento clássico

Pode ser útil olhar para alguns exemplos de como o processo de condicionamento clássico opera tanto em contextos experimentais quanto reais:

Condicionamento Clássico e resposta de medo

Um dos exemplos mais famosos do condicionamento clássico foi de John B. Watson, o experimento no qual uma resposta de medo foi condicionada em um bebê conhecido como Pequeno Albert. A criança mostrou inicialmente medo de um rato branco, mas depois de o rato ser emparelhado repetidamente com sons altos, assustadores, a criança chorava quando o rato estava presente. O medo da criança também generalizado a outros objetos brancos.

Vamos examinar os elementos deste experimento clássico. Antes do condicionamento, o rato branco era um estímulo neutro. O estímulo não condicionado foi o barulho, e a resposta incondicionada foi a resposta de medo criada pelo barulho. Ao emparelhar repetidamente o rato com o estímulo incondicionado, o rato branco (agora o estímulo condicionado) passou a evocar a resposta de medo (agora a resposta condicionada).

Esta experiência ilustra como fobias podem se formar através de condicionamento clássico. Em muitos casos, um único par de um estímulo neutro (um cão, por exemplo) e uma experiência assustadora (ser mordido pelo cão) pode levar a uma fobia de longa duração (o medo de cães).

Condicionamento Clássico e aversão ao sabor

Outro exemplo de condicionamento clássico pode ser visto no desenvolvimento de aversões gustativas condicionadas. Os pesquisadores John Garcia e Bob Koelling notaram pela primeira vez este fenômeno quando observaram como os ratos que tinham sido expostos a uma radiação que causa náuseas desenvolveram uma aversão à água com sabor após a radiação e a água serem apresentadas em conjunto. Neste exemplo, a radiação representa o estímulo não condicionado e a náusea representa a resposta não condicionada. Após o emparelhamento entre os dois, a água aromatizada é o estímulo condicionado, enquanto a náusea gerada quando expostos à água por si só, é a resposta condicionada.

Pesquisas posteriores demonstraram que tais aversões condicionado classicamente podem ser produzidas através de um único emparelhamento do estímulo condicionado e o estímulo não condicionado. Investigadores também descobriram que tais aversões podem até desenvolver-se se o estímulo condicionado (o sabor da comida) é apresentado várias horas antes do estímulo não condicionado (o estímulo causador de náuseas).

Por que tais associações se desenvolvem tão rapidamente? Obviamente, formar tais associações pode ter benefícios de sobrevivência para o organismo. Se um animal come algo que o torna doente, ele precisa evitar comer a mesma comida no futuro para evitar a doença ou mesmo morte. Este é um grande exemplo do que é conhecido como preparação biológica. Algumas associações se formam mais facilmente porque elas ajudam na sobrevivência.

Em um estudo de campo famoso, pesquisadores injetaram em carcaças de ovinos um veneno que faria coiotes doentes, mas não mataria-os. O objetivo era ajudar fazendeiros de ovelhas a reduzir o número de ovelhas perdidas por assassinatos de coiotes. Não só o trabalho funcionou reduzindo o número de ovelhas mortas, como também fez alguns dos coiotes desenvolverem uma forte aversão a ovelhas, de tal modo que eles realmente fugiam ao sentir o cheiro ou verem uma ovelha.

Condicionamento clássico no Mundo Real

Na realidade, as pessoas não respondem exatamente como os cães de Pavlov. Há, no entanto, inúmeras aplicações do mundo real para o condicionamento clássico. Por exemplo, muitos treinadores de cães usam técnicas de condicionamento clássico para ajudar as pessoas a treinarem seus animais de estimação.

Estas técnicas são também úteis para o tratamento de fobias ou problemas de ansiedade. Os professores são capazes de aplicar o condicionamento clássico na classe, criando um ambiente de sala de aula positivo para ajudar os alunos a superarem a ansiedade ou medo. Emparelhar uma situação provocadora de ansiedade, tal como falar na frente de um grupo, com ambiente agradável, ajuda o aluno a aprender novas associações. Em vez de sentir-se ansioso e tenso, nestas situações, a criança vai aprender a ficar calma e relaxada.

Mais Sobre condicionamento clássico

O condicionamento clássico pode ser usado para aumentar a quantidade de um comportamento, mas ele também pode ser usado para diminuir o comportamento.

Você também pode explorar os seguintes links para mais informações:


Referências

Garcia, J., & Koelling, R. A. (1966). Relation of cue to consequence in avoidance learning.Psychonomic Science, 4, 123-124.

Gustavson, C. R., Garcia, J., Hankins, W. G., & Rusiniak, K. W. (1974). Coyote predation control by aversive conditioning. Science, 184, 581-583.

Nevid, J. S. (2013). Psychology: Concepts and Applications. Belmont, CA: Wadsworth.

Watson, J. B. & Rayner, R. (1920). Conditioned emotional reactions. Journal of Experimental Psychology, 3(1), 1–14.

Por Kendra Cherry



DEIXA O LIKE AÍ COMO REFORÇO POSITIVO PRA GENTE :D CURTE E COMPARTILHA E VAMOS LEVAR A PSICOLOGIA AOS CONFINS DO UNIVERSO! \o/\o/\o/\o/\o/


🔴 COMENTA AÍ

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.