Diferenças de Freud e Jung sobre religião

Religião segundo Sigmund Freud

Sigmund Freud foi fortemente contra a religião e chamou-lhe de “neurose coletiva”, afirmando que ela deve ser abolida a partir da sociedade moderna.

Ele admitiu que a religião serviu, no passado, quando vivíamos em grupos primitivos, ‘hordas primitivas” de seres humanos que viviam em tribos, mas afirmou que nós, como espécie ultrapassamos a nossa necessidade de comportamento religioso irracional.

Semelhanças entre Carl Jung e Freud

  • Ambos, Carl Jung e Freud acreditavam no inconsciente e seu importante papel no nosso comportamento e em explicar o significado dos nossos sonhos.
  • Freud e Jung acreditavam que a religião era uma coisa positiva para a nossa sociedade, em algum ponto no tempo, mas Freud alegou que era apenas benéfica, até o ponto em que evoluiu a partir de nossas sociedades primitivas básicas.
  • Carl Jung e Freud basearam suas teorias da religião em torno da ideia que temos diferentes seções da nossa psique. Para Freud todos nós temos instintos mais primitivos (id) e também faculdades superiores (ego, superego), enquanto para Jung existem outras “partes”, como o inconsciente coletivo e os arquétipos.
  • Ambos acreditavam que a religião tem sido usada para ajudar as pessoas a lidar com certas questões.

Diferenças de Freud e Jung sobre religião

Diferenças da visão sobre religião de Jung e Freud

  • Jung acreditava que a religião era, de fato, muito benéfica para a sociedade e deve permanecer para sempre, ao contrário de Freud que estava completamente contra a religião, chamando comportamento religioso de uma “neurose coletiva” e afirmando que ele deve ser obsoleto.
  • Jung acreditava que a religião era uma expressão natural do inconsciente coletivo, enquanto Freud acreditava que era uma neurose coletiva.
  • Jung achava que a religiosidade era uma maneira de ajudar o processo de individuação: a exploração de nós mesmos e aceitação final de quem somos.
  • Jung inventou a ideia e acreditava em arquétipos, instalações mentais que “criam” imagens de certas coisas. Ele pensou que nós nascemos com um “arquétipo” de Deus, uma imagem que todos nós estamos predispostos a ter. Ele fornece evidência para isso referindo-se ao fato de que, embora existam milhares de religiões existentes, todos elas tem ideias centrais comuns: compartilham fortes valores infalíveis, regras etc. Isto sugere que nascemos com, ou pegamos rapidamente a partir de outros, imagens ou arquétipos dessas coisas.
  • Jung acreditava em Deus, dizendo: “Eu não acredito, eu sei [que ele existe]” enquanto Freud pensava que a crença em Deus é ridícula.
  • Jung dividiu a psique de uma maneira diferente de Freud, afirmando que temos anima e animus – um lado masculino e um lado feminino. Freud acreditava em id, ego, superego.

Qual era a relação entre Freud e Jung?

Jung encontrou pela primeira vez Freud depois de enviar-lhe um de seus trabalhos. Os dois psicólogos se deram bem e Freud e Jung firmaram uma amizade intelectual. Aparentemente, a primeira conversa que Freud e Jung tiveram juntos durou um total de treze horas!

Jung lembra seu primeiro encontro com Freud e afirma que ele encontrou-o como “extremamente inteligente, astuto, e completamente notável.” Freud olhou para o jovem Jung como um herdeiro das teorias freudianas.

Após desentendimentos, inclusive sobre religiosidade,  Jung e Freud cortaram relações, e o fundador da psicologia analítica foi desenvolver sua própria linha de pensamento com ideias sobre a psique e as causas de nossos comportamentos.

Jung afirmou a Freud que “… a sua técnica de tratamento de seus alunos como pacientes é um erro. Dessa forma você quer produzir filhos servis ou cachorros impudentes … Eu sou objetivo o suficiente para ver através de seu pequeno truque” (McGuire, 1974 ).



DEIXA O LIKE AÍ COMO REFORÇO POSITIVO PRA GENTE :D CURTE E COMPARTILHA E VAMOS LEVAR A PSICOLOGIA AOS CONFINS DO UNIVERSO! \o/\o/\o/\o/\o/


🔴 COMENTA AÍ

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.