Por que as crianças aprendem línguas estrangeiras tão facilmente?

Muitos pesquisadores acreditam que aprender linguagem estrangeira antes da puberdade permite que as crianças falem com mais fluência, quase como falantes nativos. Além disso, aprender mais de uma língua em idade precoce melhora a capacidade de comunicação ao longo da vida e contribui para o desenvolvimento cognitivo e a conscientização cultural.


Muitos estudos sugerem que o melhor momento para introduzir uma língua estrangeira é antes dos 10 anos de idade. Nesta fase inicial da vida, a linguagem é aprendida e adquirida mais rapidamente, retida melhor e falada com pronúncia excepcional. É amplamente aceito que quanto mais jovens forem os alunos, mais bem sucedidos estão imitando novos sons. Isso ocorre porque nosso cérebro está mais aberto a novos sons (palavras) antes da adolescência. Por outro lado, é extremamente difícil para os alunos mais velhos falarem um novo idioma sem ter um sotaque “estrangeiro”.

Image via sasint.

Leia também:

Embora algumas descobertas tenham indicado que a criança até os 5 anos de idade pode processar até cinco idiomas, os especialistas concordam que uma abordagem bilíngue é melhor para crianças pequenas. Estudos demonstraram que crianças bilíngues pode discriminar e separar seus dois idiomas mesmo antes de falar sua primeira palavra.Além disso, eles estão começando a construir representações sonoras para ambas as línguas durante o primeiro ano de vida. Alguns especialistas acreditam que os bebês nascem com a capacidade de distinguir os contrastes de fala e som de todas as línguas dos mundos, enquanto a experiência de ouvir um idioma (em contraste com outra) ajuda a manter as distinções entre eles.

Alguns cientistas acreditam que as crianças aprendem a língua de maneira diferente, mas não é mais fácil do que os adultos. Como eles apontam, as crianças adquirem um idioma usando as mesmas partes do cérebro que as partes que controlam as ações inconscientes. É por isso que muitas vezes parece que as crianças pegam palavras e frases sem muito esforço. Por outro lado, os adultos são mais capazes de aprendizagem complexa e intelectual. Outros pesquisadores consideram que nosso cérebro está configurado para adquirir linguagem naturalmente durante a infância e início da adolescência. Além das possíveis predisposições no cérebro, as crianças parecem estar mais motivadas para aprender idiomas em comparação com os adultos: dedicam muito mais tempo a aprender novas palavras e frases.

Mesmo pesquisas iniciais sugeriram que a linguagem é aprendida de forma diferente antes e após o início da puberdade. No final da década de 1960, um cientista propôs que a linguagem só possa ser adquirida durante o período crítico, definido como o período entre o nascimento e a puberdade. Neste estágio de vida, as forças maturacionais e experienciais direcionam o hemisfério do cérebro esquerdo para uma especialização gradual para a linguagem. Este processo é suposto ser finalizado antes da puberdade, independentemente de quão completa seja a aquisição da linguagem. Isso significa que, após a puberdade, a linguagem não é aprendida através dos sistemas neurais especializados para a aprendizagem de línguas, mas através dos mecanismos destinados à aprendizagem geral.

Com base nestas descobertas, os cientistas levantaram a questão: “Este período crítico para a aprendizagem de línguas se estender a aquisição de uma segunda língua também?” Um grupo de pesquisadores testou a proficiência em inglês adquirida por falantes nativos chineses e coreanos de 3 a 39 anos no momento da chegada aos Estados Unidos e dos que tinham vivido nos EUA entre 3 e 26 anos antes do teste. O teste baseou-se em investigar a eficiência do uso de várias estruturas de gramática inglesa. Os resultados revelaram uma clara vantagem para os chegados anteriormente. Ou seja, até a puberdade, o desempenho no teste foi linearmente correlacionado com a idade de chegada, enquanto, após a puberdade, o desempenho não estava relacionado com a idade de chegada e, mais importante, era bastante baixo. Portanto, este estudo demonstrou que as crianças são melhores aprendentes de uma segunda língua, bem como sua língua nativa, atingindo níveis mais altos de proficiência.

Para resumir, as crianças podem não ser melhores em aprender idiomas em termos de inserção de esforço e dedicar tempo para esse objetivo, mas certamente são melhores do que os adultos na aquisição da estrutura gramatical e fonética correta de uma língua estrangeira. As mudanças associadas à idade na estrutura cerebral e na plasticidade tornam a tarefa de aprender uma língua estrangeira mais difícil para as pessoas mais velhas, pois seus cérebros processam a informação de forma diferente.


Referências

Ghasemi, B., Hashemi, M. (2011). Foreign Language Learning During Childhood. Procedia – Social and Behavioral Sciences. 28: 872-876. doi: 10.1016/j.sbspro.2011.11.160

Werker, J.F., Byers-Heinlein, K. (2008). Bilingualism in infancy: first steps in perception and comprehension. Trends in Cognitive Sciences. 12(4): 144-151. doi: 10.1016/j.tics.2008.01.008.

Van de Putte, E., De Baene, W., García-Pentón, L., Woumans, E., Dijkgraaf, A., Duyck, W. (2017). Anatomical and functional changes in the brain after simultaneous interpreting training: A longitudinal study. Cortex. 99: 243-257. doi: 10.1016/j.cortex.2017.11.024

Nora, A., Karvonen, L., Renvall, H., Parviainen, T., Kim, J.Y., Service, E, Salmelin, R. (2017). Children show right-lateralized effects of spoken word-form learning. PLoS One. 12(2): e0171034. doi: 10.1371/journal.pone.0171034

Smalle, E.H.M., Muylle, M., Szmalec, A., Duyck, W. (2017). The different time course of phonotactic constraint learning in children and adults: Evidence from speech errors. Journal of Experimental Psychology. Learning, Memory and Cognition. 43(11): 1821-1827. doi: 10.1037/xlm0000405

Johnson, J.S., Newport, E.L. (1989). Critical period effects in second language learning: the influence of maturational state on the acquisition of English as a second language. Cognitive Psychology. 21(1): 60-99. PMID: 2920538

Via Brain Blogger.


Quer ler o site sem anúncios + conteúdo exclusivo?
☆ Assine o Psicoativo Premium





Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.