Dica psicológica para aprender inglês e outros idiomas e se lembrar melhor

Dica da psicologia para aprender inglês, espanhol e outros idiomas mais fácil e rápido.

Impulsione a aprendizagem de línguas com esta dica simples.


aprender-idiomas-linguas - maos com dedos falando idiomas

Usar gestos durante a tentativa de aprender uma nova língua pode ajudar a impulsionar a memória, segundo estudo.

O sistema motor, a parte do cérebro que controla os movimentos, parece ser particularmente importante na aprendizagem de línguas. Enquanto os sistemas de aprendizagem de idiomas já incorporam imagens para ajudar no aprendizado, este é um dos primeiros estudos a mostrar a importância do gesto.

No experimento, publicado na revista Current Biology,  os participantes tentaram aprender uma língua inventada chamada “Vimmish ‘, escolhida de forma que as pessoas nunca teriam ouvido isso antes ( Mayer et al., 2015 ).

Aos grupos foi ensinado Vimmish, que soa um pouco como italiano, em uma variedade de maneiras para testar as que promoveriam o melhor aprendizado.

Drª Katja Mayer, primeira autora do estudo, explicou os resultados:

“Recordação dos indivíduos foi melhor em relação aos termos que eles próprios tinham manifestado através de gestos. Quando ouviram o termo e sua tradução e também observaram uma imagem correspondente, eles também foram mais capazes de lembrar a tradução. Por outro lado, no entanto, traçar um termo ou a observação de um gesto não era melhor do que apenas ouvir o termo”.

Os pesquisadores descobriram que os gestos eram ligeiramente mais úteis do que as imagens em ajudar as pessoas a aprender o vocabulário de um idioma novo.

A teoria multissensorial, que é apoiada por este estudo, propõe que quanto mais sentidos são estimulados durante a aprendizagem, melhor a recordação será.

Professor Katharina von Kriegstein, que liderou o estudo, disse

“Se nós estamos no telefone com alguém que conhecemos, por exemplo, as áreas do cérebro responsáveis pelo reconhecimento facial são ativadas durante o telefonema. Parece que o cérebro simula a informação não capturada pelos olhos, e a cria por si “.

Pode ser que quando diferentes áreas do cérebro são recrutadas durante a aprendizagem, isso ajude a memória e facilite guardar o que aprendemos do novo idioma.

Professor von Kriegstein disse:

“Isso poderia muito bem ser assim, mas não sabemos o quanto os resultados de aprendizagem de novos idiomas melhoram com a adição de mais sentidos. Idealmente, contudo, as impressões sensoriais individuais devem corresponder a uma outra. Em outras palavras, para aprender a palavra espanhola para a maçã, deve fazer um gesto de maçã, saborear uma maçã ou olhar para uma imagem de uma maçã.


Imagem de aprendizagem de línguas do Shutterstock

Post via Psyblog


Quer ler o site sem anúncios + conteúdo exclusivo?
☆ Assine o Psicoativo Premium


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.