A Linguagem e o Pensamento da Criança – Piaget | Resumo

Da mesma forma que Alfred Kinsey passou anos coletando espécimes e escrevendo sobre o cynipidae (vespas-das-galhas) antes de de lançar-se no estudo da sexualidade humana, Jean Piaget foi um mestre da observação do mundo natural antes de voltar sua mente para assuntos humanos.  Quando criança e adolescente ele vagava pelas colinas, riachos e montanhas da Suíça coletando caracóis, e mais tarde escreveu sua tese de doutorado sobre os moluscos das montanhas Valais.

O que ele aprendeu nesses anos – observar primeiro e classificar depois – colocou-se bem para examinar o assunto do pensamento da criança, que tinha atraído muitas teorias, mas não uma grande observação científica sólida das crianças reais. Entrando no campo, seu principal desejo era que suas conclusões fossem extraídas dos fatos, mesmo que parecessem difíceis ou paradoxais. Somando-se a suas habilidades metódicas ele teve – para um cientista – uma boa compreensão da filosofia. Psicologia infantil era um emaranhado de questões epistemológicas, mas ele decidiu se concentrar em questões mais “pé no chão”, tais como ‘Por que uma criança conversa, e o que ela está falando?’ e ‘Por que ela faz tantas perguntas?’.

Se houvesse respostas, ele sabia que elas poderiam beneficiar muito os professores, e foi para eles, principalmente, que ele escreveu  A Linguagem e o Pensamento da Criança. Como Edouard Claparede observa em seu prefácio, a maioria dos exploradores da mente da criança tinha focado na natureza quantitativa da psicologia infantil – pensava-se que as crianças eram como eles eram, porque elas têm menos habilidades mentais que o adulto e cometem mais erros. Mas Piaget acreditava que não era uma questão de crianças com menos ou mais de alguma coisa – elas são fundamentalmente  diferentes  na maneira de pensar. Existem problemas de comunicação entre adultos e crianças não por causa de lacunas de informação, mas devido às bastante diferentes maneiras que cada um tem de ver-se dentro de seus mundos.

Por que uma criança fala

Nas páginas de abertura, Piaget pergunta o que ele admite ser uma pergunta estranha: “Quais são as necessidades que a criança tende a satisfazer quando ela fala?” Qualquer pessoa em sã consciência diria que o propósito da linguagem é comunicar com os outros, mas se este era o caso, ele se perguntou, por que as crianças falam quando não há ninguém por perto, e por que mesmo os adultos falam para si mesmos, seja internamente ou resmungando em voz alta? Ficou claro que a linguagem não pode ser reduzida à uma função de simplesmente comunicar pensamento.

Piaget conduziu sua pesquisa no Instituto Rousseau em Genebra, inaugurado em 1912 para o estudo da formação da criança e professor. Lá ele observou crianças de quatro e seis anos, anotando tudo o que elas diziam enquanto brincavam e jogavam, e o livro inclui transcrições de suas ‘conversas’.

O que Piaget descobriu rapidamente – e que todos os pais puderam confirmar – é que quando as crianças falam, muitas vezes elas são não falam com ninguém em particular. Elas estão pensando em voz alta. Ele identificou dois tipos de discurso, egocêntrico e socializado.

Dentro do tipo de discurso egocêntrico há três padrões:

  • Repetição  – discurso não dirigido para as pessoas, o ditado de palavras pelo simples prazer.
  • Monólogo  – comentários que seguem ações ou jogo da criança.
  • Monólogo coletivo  – quando as crianças estão falando aparentemente juntas, mas não estão realmente tendo em conta o que os outros estão dizendo. (Uma sala com dez crianças sentadas em mesas diferentes pode ser barulhenta com a conversa, mas na verdade todas estão realmente falando sozinhas.)

Ele observou que até uma certa idade (sete anos, ele pensou), uma criança não tem ‘continência verbal‘, pois vai dizer qualquer coisa que vem em sua cabeça. A creche ou berçário, escreveu ele, “é uma sociedade em que, estritamente falando, vida individual e social não são diferenciadas”. Já que a criança acredita ser o centro do universo, não há necessidade da ideia de privacidade ou se conter pela sensibilidade aos outros. O adulto, ao contrário, por causa de sua comparativa falta de egocentrismo, adaptou-se a um padrão de discurso totalmente socializado. Só os loucos e as crianças, por assim dizer, dizem o que pensa, porque só eles realmente importam. É por esta razão que uma criança é capaz de falar o tempo todo na presença de seus amigos, mas nunca será capaz de ver as coisas do ponto de vista deles.

Parte da razão para o egocentrismo da criança é que uma parte significativa de sua língua envolve gestos, movimentos e sons. Como estas não são palavras, elas não podem expressar tudo, então a criança deve permanecer parcialmente uma prisioneira de sua própria mente. Podemos entender isso quando nós apreciamos que quanto maior o domínio da linguagem por um adulto, mais provável é que ele será capaz de entender, ou pelo menos estar ciente, dos pontos de vista dos outros. Linguagem, na verdade, leva uma pessoa além de si mesma, razão pela qual a cultura humana coloca tanta ênfase em ensinar isso às crianças – que lhes permite, eventualmente, sair do pensamento egocêntrico.

Pensamento diferente, diferentes mundos

Piaget pega emprestado uma distinção da psicanálise sobre dois tipos de pensamento:

  • Pensamento dirigido ou pensamento inteligente  é aquele que tem um objetivo, adapta-se ao objetivo da realidade, e pode se comunicar em linguagem. Este pensamento é baseado na experiência e da lógica.
  • Pensamento sem direção ou autista (ou pensamento autístico)  envolve objetivos que não são conscientes e não adaptados à realidade, baseado na satisfação dos desejos, em vez de estabelecer a verdade. A linguagem deste tipo de pensamento consiste em imagens, mitos e símbolos.

Para a mente dirigida, a água tem certas propriedades e obedece a certas leis. Ela é concebido tanto conceitual quanto materialmente. Para a mente autística, a água só é relevante em relação aos desejos ou necessidades: é algo que pode ser bebido ou visto ou apreciado.

Estas distinções ajudaram Piaget apreciar o desenvolvimento do pensamento da criança até a idade de 11 anos. De 3 a 7 anos a criança foi em grande parte egocêntrica e tinha elementos do pensamento autístico, mas de 7 aos 11 a lógica egocêntrica abriu caminho para a inteligência perceptiva.

Piaget configurou experiências nas quais crianças foram convidadas a contar uma história que tinha sido dito ou explicar algo de volta, como o funcionamento de uma torneira, que tinha sido mostrado a eles. Quando tinham 7 anos, as crianças realmente não se importavam se as pessoas que estavam relacionadas entendiam a história ou o mecanismo. Elas podem descrever, mas não analisar. Mas a partir de 7-8 anos em diante, as crianças não assumiem que outra pessoa vai saber o que elas querem dizer e tentam dar um relato fiel de alguma coisa – para ser objetivas. Até então, o egocentrismo de uma criança não lhe permitia ser objetiva. O que elas não podem explicar ou não sabem, elas “maquiam”. Mas aos 7-8 anos a criança sabe o que significa dar uma interpretação correta da verdade – isto é, a diferença entre invenção e realidade.

Piaget notou que as crianças pensam em termos de ‘esquemas‘, que lhes permite concentrar-se na totalidade de uma mensagem sem que cada detalhe tenha de fazer sentido. Quando ouvem algo que elas não entendem, as crianças não tentam analisar a estrutura da frase ou palavras, mas tentam compreender ou criar um significado geral. Ele observou que a tendência no desenvolvimento mental é sempre do sincrético ao analítico – do “ver tudo” primeiro, antes de ganhar a capacidade de quebrar as coisas em partes ou categorizar. Antes das idades de 7 ou 8 anos, a mente da criança é em grande parte sincrética, mas mais tarde se desenvolve o poder de análise que marca a mudança do juvenil para a mente adulta.

Lógica da criança

Piaget se perguntou: Por que as crianças, particularmente aquelas com menos de 7 anos, fantasiam, sonham e usam tanto a sua imaginação?

Ele observou que, porque elas não se envolvem em pensamento dedutivo ou analítico, não há nenhuma razão para fazer uma demarcação clara entre ‘o real’ e ‘o não real’. Como suas mentes não funcionam em termos de causalidade e provas, tudo parece possível.

Usemos como exemplo quando uma criança pergunta: ‘O que aconteceria se eu fosse um anjo?’. Para um adulto, não vale a pena persistir na questão, porque sabemos que não pode ser real. Mas para uma criança, qualquer coisa não só é possível, mas também é explicável, já que nenhuma lógica objetiva é necessária. Para satisfazer sua mente, tudo o que é necessário é uma motivação. Por exemplo: “A bola queria rolar morro abaixo, por isso que ela fez isso”. Aos 6 anos, um menino pode sentir que um rio flui para baixo de uma colina porque quer. Um ano mais tarde, ele vai explicar isso em termos de ‘água sempre flui para baixo, de modo que é por isso que o rio está fluindo para baixo desta colina aqui’.

No ‘mundo do faz de conta’ tudo faz sentido de acordo com suas próprias intenções e motivações. Na verdade, como Piaget observa ironicamente, o mundo da criança parece funcionar tão bem que, de acordo com seu próprio entendimento, a lógica não é obrigada a apoiá-lo.

Por que muitas crianças incessantemente perguntam ‘Por quê?’

Porque elas querem saber a intenção de todos e de tudo, mesmo que seja inanimado, não percebendo que apenas algumas coisas têm intenções. Mais tarde, quando a criança pode perceber que a maioria das coisas são causadas, em vez de pretendidas, suas questões tornam-se sobre a causalidade. O tempo de vida de uma criança antes que ela entenda causa e efeito – pré-causalidade – coincide com o tempo de egocentrismo.

Os adultos muitas vezes têm dificuldade para compreender as crianças, porque eles se esqueceram de que na criança existe uma mente completamente diferente em que a lógica não desempenha nenhum papel. Você não pode fazer uma criança pensar da mesma maneira como você antes que ela tenha certa idade. Em cada idade, uma criança ganha um certo equilíbrio em relação ao seu ambiente. Ou seja, a maneira como elas pensam e percebem aos 5 anos explica perfeitamente o seu mundo. Mas não fazem dessa mesma forma quando estão com 8 anos. Assim como os seres humanos crescem fisicamente e se ajustam ao seu ambiente de acordo com os seus corpos, eles se ajustam intelectualmente. Como Piaget coloca, “necessidade cria consciência”.

* * *

Em escritos posteriores, Piaget explorou a fase final de desenvolvimento mental, começando aos 11 anos ou 12. A capacidade do adolescente de raciocinar, pensar abstratamente, fazer julgamentos e considerar as possibilidades futuras é essencialmente a mesma de um adulto. Deste ponto em diante é uma questão de aumentos na capacidade em vez de mudanças qualitativas.

Comentários finais

Apesar de algumas dúvidas sobre as idades precisas, os estágios de desenvolvimento infantil de Piaget em grande parte resistem ao teste do tempo, e seu impacto na educação pré-escolar e escolar tem sido grande.

No entanto, Piaget nunca se considerou um psicólogo infantil, e foi mais precisamente um cientista focado em teorias do conhecimento. Sua observação das crianças levou a teorias mais amplas sobre comunicação e cognição, porque o que ele aprendeu sobre a mente da criança jogou o adulto em uma visão mais clara. Por exemplo, não são só as crianças que usam esquemas para criar “sentido no mundo” – nós adultos também temos que acomodar e assimilar novas informações, conformando-as com o que já sabemos.

Piaget inventou o campo da ‘epistemologia genética‘, que significa como teorias do conhecimento evoluem ou mudam em relação a novas informações. Tendo em conta que a construção do conhecimento é um esforço humano, psicológico, ele fez todo o mais importante para ser rigorosamente objetivo sobre a admissão de novos fatos. Para Piaget, a mente de uma pessoa é uma criação relativamente arbitrária, formada de tal modo que a realidade pode ser explicada de acordo com modelo de mundo próprio da pessoa. Na educação, ele acreditava que você tinha que ter em conta estes modelos em vez de simplesmente empurrar fatos na garganta de uma pessoa, caso contrário, a informação não seria assimilada. Tal método de educação resultou em conformistas que estavam desconfortáveis com a mudança, e Piaget estava à frente de seu tempo quando sugere que devemos educar as pessoas a serem pensadores inovadores e inventivos que estavam cientes da subjetividade de suas próprias mentes, mas maduros o suficiente para acomodar novos fatos. Seus experimentos iniciais observando a linguagem e o pensamento da criança, portanto, levaram a grandes insights sobre como, quando adultos, realizamos o processo de conhecimento e criamos uma nova compreensão.


↓↓↓ Clique na imagem do livro para comprar. ↓↓↓

 


Fonte: Tom Butler-BowdonPsychology Classics: Who We Are, How We Think, What We Do. (Nicholas Brealey, London & Boston).




DEIXA O LIKE AÍ COMO REFORÇO POSITIVO PRA GENTE :D CURTE E COMPARTILHA E VAMOS LEVAR A PSICOLOGIA AOS CONFINS DO UNIVERSO! \o/\o/\o/\o/\o/


🔴 COMENTA AÍ

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.