Generalização de estímulos na Psicologia + Exemplos

Generalização de estímulos – Definição:

No condicionamento, a generalização de estímulos é a tendência do estímulo condicionado para evocar respostas semelhantes após a resposta ter sido condicionada.

generalizacao-de-estimulos-animal-parece-gente

Exemplo de generalização de estímulos

Se uma criança foi condicionada a temer um coelho branco de pelúcia, vai expor o medo de objetos semelhantes ao estímulo condicionado, tal como um rato branco de brinquedo.

No clássico experimento do Pequeno Albert, os pesquisadores John B. Watson e Rosalie Rayner condicionaram um menino a ter medo de um rato branco.

Os pesquisadores observaram que o menino experimentou a generalização de estímulos ao mostrar medo em resposta a estímulos semelhantes, incluindo um cão, um coelho, um casaco de pele, uma barba branca de Papai Noel e até mesmo o próprio cabelo de Watson.

A generalização de estímulos também explica por que o medo de um determinado objeto muitas vezes afeta muitos objetos semelhantes. Uma pessoa que tem medo de aranhas geralmente não vai ter medo de apenas um tipo de aranha. Em vez disso, esse medo se aplicará a todos os tipos e tamanhos de aranhas.O indivíduo pode até ter medo de aranhas e imagens de aranhas de brinquedo também.

• Leia: Top 100 fobias: Lista de fobias estranhas, comuns e engraçadas

A generalização de estímulos no condicionamento clássico e operante

A generalização de estímulos pode ocorrer tanto no condicionamento clássico quanto no condicionamento operante.

• Leia: As diferenças entre Condicionamento Clássico e Condicionamento Operante

O medo de objetos brancos e peludos do pequeno Albert é um grande exemplo de como a generalização de estímulos funciona no condicionamento clássico. Enquanto a criança tinha sido originalmente condicionada a temer um rato branco, o medo também foi generalizado para objetos semelhantes.

No condicionamento operante, a generalização de estímulos explica como podemos aprender algo em uma situação e aplicá-lo a outras situações similares. Por exemplo, imagine que os pais punem seu filho por não limpar seu quarto. Ele finalmente aprende a limpar sua bagunça para evitar a punição. Em vez de ter de reaprender esse comportamento na escola, ele aplica os mesmos princípios que aprendeu em casa para o seu comportamento em sala de aula e limpa suas coisas antes que o professor possa puni-lo.

A generalização de estímulos e a discriminação de estímulos

No entanto, um sujeito pode ser ensinado a discriminar entre estímulos semelhantes e só responder a um estímulo específico. Por exemplo, imagine que um cão foi treinado para obedecer a seu dono, quando ele ouve um apito. Depois que o cão foi condicionado, ele poderia responder a uma variedade de sons que são semelhantes aos do apito. Se o treinador quer que o cão responda unicamente ao som específico do apito, o treinador pode trabalhar com o animal para ensiná-lo a discriminar entre diferentes sons. Eventualmente, o cão vai responder apenas ao apito e não a outros sons.

Em outro experimento clássico realizado em 1921, Shenger-Krestovnika emparelhou o sabor da carne (o estímulo incondicionado ) com a visão de um círculo. Os cães, em seguida, aprenderam a salivar ( resposta condicionada ) quando viram o círculo. Os pesquisadores também observaram que os cães começavam a salivar quando apresentados a uma elipse, que era semelhante, mas um pouco diferente da forma de círculo.

Depois de não conseguir emparelhar a visão da elipse com o sabor da carne, os cães foram capazes de discriminar, eventualmente, entre o círculo e elipse.


Referências

Gray, Jeffrey A. (1979)”Ivan Pavlov. NY: Viking.

Watson, J. B. & Rayner, R. (1920). Conditioned emotional reactions. Journal of Experimental Psychology, 3, 1-14.

Artigo de Kendra Cherry para o Very Well


DEIXA O LIKE AÍ COMO REFORÇO POSITIVO PRA GENTE :D CURTE E COMPARTILHA E VAMOS LEVAR A PSICOLOGIA AOS CONFINS DO UNIVERSO! \o/\o/\o/\o/\o/


🔴 COMENTA AÍ

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.