Transtorno esquizoafetivo #1: Causas, sintomas e fatores de risco

Tópicos:

  • Causas do Transtorno esquizoafetivo.
  • Sinais e sintomas do Transtorno esquizoafetivo.
  • Fatores de risco

O transtorno esquizoafetivo é caracterizado por uma combinação de esquizofrenia e os sintomas afetivos (humor) do transtorno – há discordância sobre se é um tipo de transtorno de humor ou esquizofrenia. No entanto, a maioria dos profissionais de saúde (clínicos) concordam que é principalmente uma forma de esquizofrenia; nem todos os especialistas concordam sobre se ele deve ser tratado como uma doença distinta.

Transtorno esquizoafetivo

Um indivíduo diagnosticado com transtorno esquizoafetivo tem episódios recorrentes de humor elevado ou deprimido, ou de modo simultâneo elevado e deprimido, ocorrerendo em conjunto ou alternando com as distorções de percepção. Simplificando – o indivíduo experimenta uma combinação de sintomas de esquizofrenia (alucinações, delírios) e sintomas de transtorno de humor (mania ou depressão). 

Esta doença geralmente afeta a cognição (pensamento, saber, lembrar-se, julgar e resolver problemas) e emoção. O paciente pode experimentar alucinações auditivas, delírios bizarros, paranoia, e pode ter discurso desorganizado e pensar com disfunção social e profissional considerável (ter problemas sociais e no trabalho).

Os diagnósticos antes da idade de 13 anos são extremamente raros. A grande maioria dos pacientes experimentam o início dos sintomas durante a idade adulta. De acordo com a Aliança Nacional da Doença Mental (NAMI) , a prevalência nos EUA é entre 2 a 5 em cada 1.000 pessoas. De acordo com o dicionário médico da MediLexicon:

Perturbação esquizoafectiva é: 1. uma doença que se manifesta por uma depressão maior duradoura, maníaca ou episódio misto juntamente com delírios, alucinações, discurso e comportamento desorganizado, e os sintomas negativos da esquizofrenia. Na ausência de um episódio depressivo maior, mania, ou misturado, deve haver delírios ou alucinações durante várias semanas. 2. um diagnóstico pelo DSM que é estabelecido quando os critérios especificados forem atingidos.

Com o tratamento, os pacientes tendem a ter um melhor prognóstico do que os indivíduos com esquizofrenia, mas não tão bom como pessoas que apenas têm transtornos de humor.

Quais são os sinais e sintomas de transtorno esquizoafetivo?

Um sintoma é algo que o paciente sente e descreve, enquanto um sinal é algo que as outras pessoas veem, como aviso médico. Por exemplo, sonolência pode ser um sintoma, enquanto as pupilas dilatadas podem ser um sinal.

Normalmente, um paciente terá sintomas psicóticos – incluindo alucinações, pensamentos paranoicos e pensamento desorganizado, bem como a depressão ou estados de humor maníacos (perturbação do humor). Seu comportamento anti-social tende a deixá-lo isolado. No entanto, os sintomas tendem a variar de paciente para paciente. Os sintomas psicóticos e distúrbios de humor, podem ocorrer simultaneamente ou alternadamente. O indivíduo geralmente vai passar por ciclos de gravidade dos sintomas. Os médicos só irão diagnosticar o transtorno esquizoafetivo se o paciente tem delírios ou alucinações por um mínimo de duas semanas sem sintomas de transtorno de humor. Os transtornos de humor mais comuns que acompanham a esquizofrenia são:

  • transtorno bipolar – Em tais casos, será denominado do tipo bipolar esquizoafetivo.
  • depressão – Em tais casos, será denominado do tipo depressivo esquizoafetivo.

Os seguintes sinais e sintomas podem estar presentes em um indivíduo com perturbação esquizoafetiva:

  • Delírios – e / ou falsas crenças fixas
  • pensamento desorganizado – pensamentos estão confusos e pouco claros
  • alucinações
  • ideias e pensamentos paranoides
  • Períodos de depressão
  • percepções estranhas
  • pensamentos estranhos
  • mania, ou um impulso inesperado de energia e comportamentos “fora de si”
  • controle de temperamento pobre
  • Irritabilidade
  • discurso incoerente
  • discurso irrelevante
  • problemas de atenção
  • comportamento catatônico – o paciente dificilmente responde; pode haver agitação que não parece ser desencadeada pelo ambiente
  • Falta de preocupação com sua própria aparência física
  • Falta de preocupação com a higiene pessoal
  • problemas de memória
  • Problemas em adormecer
  • Problemas em manter o sono.

Quais são os fatores de risco para transtorno esquizoafetivo?

Um fator de risco é algo que aumenta a probabilidade de desenvolver uma condição ou doença. Por exemplo, a obesidade aumenta significativamente o risco de desenvolver diabetes tipo 2. Portanto, a obesidade é um fator de risco para o diabetes tipo 2. Os peritos dizem que o transtorno esquizoafetivo, como na esquizofrenia, é causado por variações ou atrasos na maneira como o cérebro de um ser humano se desenvolve durante infância – é um distúrbio do desenvolvimento neurológico

Genética – pessoas com um parente próximo que tem transtorno esquizoafetivo têm um maior risco de desenvolver a doença si, em comparação com outros indivíduos. Os seguintes fatores podem também aumentar o risco:

  • Ter um parente com esquizofrenia
  • Ter um parente com um transtorno de humor.

Idade – a influência aqui é do tipo de desordem. Os indivíduos mais velhos tendem a ter transtorno esquizoafetivo tipo depressivo, enquanto que os mais jovens são mais propensos a ter o tipo bipolar. Idade Parental – idade paterna avançada no momento da concepção, uma causa comum de mutações genéticas, tem sido associada a um maior risco de esquizofrenia e transtornos do espectro, dos quais transtorno esquizoafetivo é uma parte. A exposição fetal e o parto – alguns especialistas têm especulado que a exposição fetal talvez a toxinas ou doença viral, ou até mesmo complicações no parto, podem desempenhar um papel. No entanto, não existem estudos para suportar isto.

Quais são as causas do transtorno esquizoafetivo?

Não temos certeza do que causa o transtorno esquizoafetivo – ou o que exatamente acontece. Um número significativo de cientistas acreditam que um desequilíbrio de serotonina e dopamina no cérebro é uma causa fundamental – estes são neurotransmissores; produtos químicos que ajudam a transmitir sinais eletrônicos no cérebro, bem como ajudar no controle de humor. Muitos fatores biológicos e ambientais diferentes são vistos interagindo com os genes dos indivíduos de uma maneira que pode aumentar ou reduzir o risco do indivíduo para desenvolver a doença. A fisiologia dos pacientes diagnosticados com a perturbação esquizoafetiva parece ser semelhante, mas não idêntica à das pessoas diagnosticadas com esquizofrenia e grave transtorno bipolar.

Continua em:

Transtorno esquizoafetivo #2: Diagnóstico e critérios do DSM-V

Transtorno esquizoafetivo #3: Tratamento, cura e complicações

 

 

 





DEIXA O LIKE AÍ COMO REFORÇO POSITIVO PRA GENTE :D CURTE E COMPARTILHA E VAMOS LEVAR A PSICOLOGIA AOS CONFINS DO UNIVERSO! \o/\o/\o/\o/\o/


🔴 COMENTA AÍ

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.