Transtorno de personalidade ansiosa (evitação): Tratamentos

Tratamentos para Transtorno de personalidade ansiosa (evitação) / Transtorno de personalidade evitativa / Transtorno de personalidade esquiva

Por Steve Bressert, Ph.D.


Índice

  • Psicoterapia
  • Remédios para transtorno de personalidade ansiosa (evitação)
  • Autoajuda

Monofobia - Medo de ficar sozinho


Psicoterapia

Tal como acontece com a maioria dos transtornos de personalidade,um bom tratamento para transtorno de personalidade ansiosa é a psicoterapia. Enquanto a terapia individual é geralmente a modalidade preferida, terapia de grupo pode ser útil se o cliente concordar em participar de sessões suficientes.

Os indivíduos que sofrem de transtorno de personalidade ansiosa geralmente têm baixa autoestima e problemas que envolvem qualquer tipo de interações sociais. Eles muitas vezes veem apenas o aspecto negativo na vida e têm dificuldade em olhar para as situações e interações de forma objetiva.

Isso também pode interferir com seu auto-relato quando apresentam uma avaliação inicial, que pode levar a perda de história de vida e informação médica importante (porque o paciente julga que ele é insignificante demais para se preocupar). É necessário ter uma avaliação mais detalhada do que o habitual, e fazê-lo de uma forma relativamente discreta. O psicólogo deve ser sensível aos sinais não-verbais do cliente durante a sessão, para avaliar quando a informação está sendo retida. Isto é essencial para fazer um diagnóstico diferente de distúrbios que podem ter sintomas semelhantes, porém são muitos distintos, como alguém que sofre de transtorno de personalidade esquizoide ou limítrofe.

Tal como acontece com outros transtornos de personalidade, o indivíduo com transtorno de personalidade ansiosa não é suscetível de apresentar-se à terapia, a menos que algo deu errado na sua vida e seu estilo de personalidade disfuncional não pode lidar adequadamente.

A psicoterapia é geralmente mais eficaz quando é relativamente de curto prazo e orientada no sentido de encontrar soluções para os problemas específicos da vida.

Formar o rapport inicial é provável que seja mais difícil com alguém que tem esse transtorno, uma vez que a rescisão antecipada é muitas vezes um problema.Uma vez que o rapport é formado, a terapia é geralmente bastante estável, a menos que as questões levantadas sejam extremamente difíceis para o cliente lidar. Cuidado deve ser utilizado pelo clínico em explorar o novo material, portanto.

A suspensão do tratamento é uma questão importante também, porque um final bem-sucedido para a terapia e a relação terapêutica reforça a possibilidade de novas relações.

 


Remédios para transtorno de personalidade ansiosa (evitação)

Os medicamentos são geralmente menos eficazes para o tratamento de transtornos de personalidade  do que transtornos psiquiátricos por causa de sua natureza difusa. Assim, agentes anti-ansiedade e antidepressivos devem ser prescritos para ‘transtorno de personalidade evitativa’ apenas quando um outro problema psiquiátrico ocorre junto (por exemplo, ansiedade ou depressão). Os médicos devem resistir à tentação de prescrever remédios para alguém com este transtorno, porque muitas vezes eles apresentam queixas de ansiedade em situações sociais ou uma sensação de desconexão com os seus sentimentos. A ansiedade neste caso é claramente situacional e medicação pode realmente interferir com o tratamento psicoterapêutico eficaz.


Fonte: Psych Central


Quer ler o site sem anúncios + conteúdo exclusivo?
☆ Assine o Psicoativo Premium


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.