Ansiedade e ataques cardíacos

Ansiedade e infartoUma pesquisa da University of Southern California em Los Angeles publicada no Journal of the American College of Cardiology concluiu que a ao longo prazo a ansiedade aumenta o risco de ataque cardíaco significativamente em homens, mesmo quando outros fatores de risco comuns são levados em conta.

Biing-Jiun Shen, professor assistente de psicologia disse:

“O que estamos vendo está além do que pode ser explicado por pressão sanguínea, obesidade, colesterol, idade, tabagismo, níveis de açúcar no sangue e outros fatores de risco cardiovasculares. Esses fatores psicológicos são importantes na previsão do risco de doença cardíaca, mas ansiedade é destacada. Os homens mais velhos com ansiedade generalizada e sustentada parecem estar em maior risco de ter um ataque cardíaco, mesmo depois que  seus níveis de depressão, raiva, hostilidade e comportamento do Tipo A são consideradas “.

Os pesquisadores analisaram dados de 735 participantes no Estudo de Envelhecimento Normativo, projetado para avaliar as mudanças médicas e psicológicas associadas com o envelhecimento entre um grupo de homens inicialmente saudáveis. Uma vez concluída a avaliação inicial, em 1986, os objetos de estudo estavam com boa saúde cardiovascular no momento. Os participantes foram acompanhados a cada três anos por 12 anos.

No estudo atual pesquisadores testaram quatro medidas de ansiedade:

  • Psicastenia – dúvidas excessivas, pensamentos obsessivos e compulsões irracionais;
  • Introversão social – ansiedade, insegurança e desconforto em situações sociais e interpessoais;
  • Fobias – ansiedades ou medos de animais, situações ou objetos de forma exagerada; e
  • Ansiedade manifesta – a tendência a experimentar tensão e excitação física em situações estressantes.

Hostilidade, raiva, comportamento do Tipo A, depressão e emoções negativas foram testadas separadamente. Os participantes também completaram questionários sobre hábitos de saúde como o tabagismo, consumo de álcool e dieta.

Os investigadores descobriram que aqueles que apresentavam maior porcentagem de qualquer uma das quatro escalas de ansiedade, bem como numa escala combinando todas os quatro, foram confrontados com um aumento do risco de ataque cardíaco de cerca de 30 a 40%. Aqueles com níveis mais elevados de ansiedade enfrentaram um risco ainda maior. Isto era verdade após o ajuste para fatores de risco cardiovasculares convencionais, hábitos de saúde e traços psicológicos e de personalidade negativos. Mais pesquisas são necessárias para comparar estes resultados em mulheres.

Biing-Jiun Shen comentou:

“A coisa boa sobre a ansiedade é que ela é muito tratável. Se alguém está muito ansioso, sofrendo de ataques de pânico, fobia social ou constante preocupação, recomendamos terapia. Embora seja necessário mais investigação, esperamos que, reduzindo a ansiedade, podemos reduzir o futuro risco de ataque cardíaco. Este é mais um motivo para procurar ajuda “.



DEIXA O LIKE AÍ COMO REFORÇO POSITIVO PRA GENTE :D CURTE E COMPARTILHA E VAMOS LEVAR A PSICOLOGIA AOS CONFINS DO UNIVERSO! \o/\o/\o/\o/\o/


🔴 COMENTA AÍ

4 comentários em “Ansiedade e ataques cardíacos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.