Transtorno de jogos pela internet: Causas, sintomas e tratamentos

Muitas pessoas ficam +16 horas por dia em jogos pela internet

Por Naveed Saleh, MD, MS

Cerca de 10% dos jogadores da Internet  – meninos em sua maioria adolescentes – jogam no que pode ser chamado de uma ou maneira “compulsiva” ou “viciada”. Por compulsão ou vício, quero dizer mais de 16 horas por dia e até o ponto de que o funcionamento da vida está severamente comprometido – trabalho e relacionamentos românticos prejudicados.

Transtorno de jogos pela internet

No entanto, para a minoria, o vício é uma caracterização com sintomas semelhantes aos da dependência de substâncias (modificação de humor, conflito,  sintomas de abstinência, ânsias e recaída).

Eu li recentemente uma revisão sistemática interessante sobre transtorno de jogos na Internet (vício) publicado no International Journal of Mental Health Addiction. Daria Joanna Kuss e Mark D. Griffiths detalham diversos achados de abrir os olhos que lançam luz sobre o mundo do vício em videogames.

Traços de personalidade dos jogadores.  Embora os jogadores tenham diferentes características de personalidade, as pessoas com uma dependência de jogos são geralmente classificadas como neuróticas, introvertida e impulsiva. Pesquisadores sugerem que alguns jogadores também expressam as seguintes características:

  • baixa autoestima
  • baixa inteligência emocional
  • transtorno de personalidade esquiva e transtorno de personalidade esquizóide
  • agradabilidade diminuída
  • narcisismo
  • “Mal” em situações do mundo real e “bom” em situações virtuais
 Motivações para jogos.  As pessoas que são viciadas em Massively Multiplayer Online Shooters First-Person role-playing (Firefall ou Planetside), jogos de simulação (Second Life), Massively Online Role Playing Games ( World of Warcraft) e, claro, jogos de tiro em primeira pessoa ( Call of Duty ) estão socializando com milhões de outros jogadores.

Além de prazer e satisfação, a socialização em um sentido virtual obriga as pessoas com transtorno de jogo pela internet a continuar jogando. Além disso, os pesquisadores sugerem que muitas pessoas com dependência de jogo têm mecanismos de enfrentamento disfuncionais e “lidam” com jogos.

Fisiopatologia. No geral, os jogadores jogam em um aumento do estado de excitação semelhante à emoção que permeia outras formas de dependência. De nota, não está claro se este estado de aumento de excitação provoca resultados em mudança física, ou tais efeitos fisiológicos são atribuíveis ao próprio jogo. Excessividade do jogo causa uma variedade de sintomas físicos e cognitivos, incluindo a diminuição da qualidade do sono e diminuição da memória verbal. Do ponto de vista de diagnóstico, aqueles com o vício em videogames mostraram polimorfismos genéticos no sistema dopaminérgico. Além disso, as mudanças também foram observadas em ressonâncias magnéticas funcionais retiradas de pessoas com dependência de jogo. Esses polimorfismos e resultados de ressonância magnética funcionais foram semelhantes às alterações observadas em outros com dependência de substâncias e dependência do jogo.

De uma perspectiva psiquiátrica, jogos tem sido associados a ansiedade, depressão, distúrbios de pânico e mais. Além disso, os jogadores com vício apresentam aumento da agressividade, estresse, diminuição da sensação de bem estar e pensamentos de suicídio, e sugerem ainda perturbação do humor e patologia.

“Tratamento” para o vício em videogames.

Um tratamento requer um diagnóstico.

No fim de 2014 o “transtorno por jogos de internet entra no manual de psiquiatria” – G1.

Medicamentos psiquiátricos têm sido usados para tratar esta condição com bom resultado. O benefício potencial da medicação psiquiátrica aponta para as bases biológicas do transtorno de jogos na Internet.

Jogos de vídeo oferecem-nos a capacidade de explorar novos mundos, interagir com outras pessoas experiência cultural em formas robustas e emocionantes. A única coisa que nos separa de mundos virtuais é carne. As pessoas são capazes de ser quem elas querem e estar em um ambiente virtual, e a pesquisa mostra que as pessoas realmente veem seus avatares online como versões idealizadas de si mesmos. No entanto, transtorno de jogos na Internet é um fenômeno real e assustador, e excesso de jogos é tanto física como mentalmente perigoso.


Referências:

“Internet Gaming Addiction: A Systematic Review of Empirical Research” ´por DJ Kuss and D Griffiths puclicado no International Journal of Mental Health Addiction em 2012.

“Internet gaming disorder and the DSM-5” por NM Petry e CP O’Brien publicado em Addiction em 2013.


DEIXA O LIKE AÍ COMO REFORÇO POSITIVO PRA GENTE :D

CURTE E COMPARTILHA E VAMOS LEVAR A PSICOLOGIA AOS CONFINS DO UNIVERSO! \o/\o/\o/\o/\o/






SEJA PSICOATIVO TAMBÉM E COMENTA AÍ

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.