A psicologia da procrastinação

A procrastinação é algo com o qual a maioria das pessoas têm pelo menos um pouco de experiência. Não importa o quão bem organizado e comprometido você é, as chances de que você encontrou-se desperdiçando horas em atividades triviais (assistir TV, atualizar seu status no Facebook, compras online) quando deveria ter gastado esse tempo no trabalho ou na escola ou projetos relacionados é enorme. Se você está adiando terminar um projeto para o trabalho, evitando tarefas de casa, ou ignorando as tarefas domésticas, a procrastinação pode ter um grande impacto sobre seu trabalho, suas notas, e sua vida.

Por que nós procrastinamos?

relógio (tempo) voando
‘Hoje o tempo voa amor…’

Nós todos procrastinamos em algum momento ou outro, e os pesquisadores sugerem que o problema pode ser particularmente visto entre os estudantes. Estima-se que de 25 a 75% dos estudantes universitários procrastinam no trabalho acadêmico. Um estudo de 2007 descobriu que uma gritante parcela de 80 a 95% dos estudantes universitários procrastinava regularmente, especialmente quando se tratava de completar tarefas e cursos. Um estudo de 1997 descobriu que a procrastinação foi uma das principais razões pelas quais candidatos a doutorado não conseguiam concluir suas dissertações.

De acordo com a Ferrari, Johnson, e McCown, existem algumas grandes distorções cognitivas que levam à procrastinação acadêmica.

Os alunos tendem a:

  1. Superestimar por quanto tempo eles deixaram de realizar tarefas
  2. Superestimar o quão motivados eles serão no futuro
  3. Subestimar o tempo que certas atividades levarão para ser concluídas
  4. Se enganam ao supor que precisam estar no “estado mental certo” para trabalhar em um projeto
 Como você lida com essa lista? Você provavelmente pode recordar algumas vezes no passado que o mesmo tipo de lógica levou você a enrolar as obrigações até mais tarde. Lembra daquela vez que você pensou que tinha uma semana para terminar um trabalho que deveria ser entregue no dia seguinte? Ou daquela vez que você decidiu não limpar seu apartamento, porque você “não tinha vontade de fazer isso agora.”

Nós muitas vezes assumimos que os projetos não vão demorar tanto tempo para terminar, o que pode levar a uma falsa sensação de segurança quando acreditamos que ainda temos muito tempo para concluir essas tarefas. Um dos maiores fatores que contribuem para a procrastinação é a noção de que temos de nos sentir inspirados ou motivados para trabalhar em uma tarefa em um determinado momento. A realidade é que se você esperar até estar no “estado mental certo” para fazer determinadas tarefas (especialmente as indesejáveis), provavelmente você vai descobrir que o momento certo simplesmente nunca vem e a tarefa nunca é concluída.

Autodúvida também pode desempenhar um papel importante. Quando você não tem certeza de como lidar com um projeto ou está inseguro em suas habilidades, você pode ver-se evitando trabalhar e realizando outras tarefas.

O impacto negativo da procrastinação

catatoniaNão são apenas os estudantes que se enquadram na armadilha do “eu vou fazer isso mais tarde” . De acordo com Joseph Ferrari, professor de psicologia na Universidade DePaul em Chicago e autor de Still Procrastinating: The No Regret Guide to Getting It Done, cerca de 20% dos adultos dos EUA são procrastinadores crônicos. Essas pessoas não apenas procrastinam ocasionalmente; é uma parte importante do seu estilo de vida. Eles pagam suas faturas em atraso, não começam a trabalhar em grandes projetos até a noite antes do prazo, adiam a compra do feriado até véspera de Natal, etc.

Infelizmente, essa procrastinação pode ter um sério impacto sobre uma série de áreas da vida, incluindo a saúde mental de uma pessoa. Em um estudo de 2007, pesquisadores descobriram que, no início do semestre, os alunos procrastinadores relataram menos doenças e menores níveis de estresse do que os não-procrastinadores. Isso mudou drasticamente até o final do prazo, quando procrastinadores relataram níveis mais elevados de estresse e doença.

Procrastinação não só pode ter um impacto negativo sobre a sua saúde; ela também pode prejudicar seus relacionamentos sociais. Ao enrolar demais, você pode estar colocando um fardo nas pessoas ao seu redor. Se você habitualmente faz seus trabalhos atrasados ou demora até o último minuto, as pessoas que dependem de você, como seus amigos, familiares e colegas de trabalho podem ficar ressentidas.

As razões pelas quais procrastinamos

Além das razões porque nós procrastinamos, muitas vezes vêm com uma série de desculpas ou racionalizações para justificar nosso comportamento. De acordo com Tuckman, Abry, e Smith, existem 15 principais razões pelas quais as pessoas procrastinam:

  1. Não saber o que precisa ser feito
  2. Não saber como fazer algo
  3. Não querer fazer algo
  4. Não se importar se algo é feito ou não
  5. Não se importar do quando algo é feito
  6. Não se sentir com vontade de fazê-lo
  7. Ter o hábito de esperar até o último minuto
  8. Acreditar que você trabalha melhor sob pressão
  9. Pensar que você pode terminar no último minuto
  10. Falta de iniciativa para começar
  11. Esquecer
  12. Culpar doença ou má saúde
  13. Esperar o momento certo
  14. Precisar de tempo para pensar sobre a tarefa
  15. Atrasar uma tarefa em favor de trabalhar em outra

Como procrastinadores diferem dos não-procrastinadores?

Na maioria dos casos, adiamento não é um sinal de um problema grave. É uma tendência comum que todos nós cedamos em algum ponto ou outro. É somente nos casos em que a procrastinação se torna tão crônica que começa a ter um sério impacto sobre a vida diária de uma pessoa que se torna um problema mais sério. Em tais casos, não é apenas uma questão de ter gestão de tempo pobre; é uma indicação do que Ferrari se refere como um estilo de vida mal-adaptativo.

“Não-procrastinadores se concentram na tarefa que precisa ser feita Eles têm uma identidade pessoal mais forte e são menos preocupados com o que os psicólogos chamam de “Estima social“- como os outros nos veem – em oposição a autoestima , que é a forma como nos sentimos a respeito de nós mesmos”, explicou o Dr. Ferrari em uma entrevista com a American Psychological Association .

Segundo a psicóloga Piers Steel, as pessoas que não procrastinamr tendem a ter alta pontuação no traço de personalidade conhecido como conscienciosidade, uma das disposições gerais identificadas pela teoria Big 5 da personalidade. As pessoas que são ricas em conscienciosidade também tendem a ser elevadas em outras áreas, incluindo a autodisciplina, persistência e responsabilidade pessoal.

Ficar preso a estas distorções cognitivas é fácil, mas, felizmente, há uma série de coisas diferentes que você pode fazer para combater a procrastinação e começar a fazer as coisas na hora certa.

Leia o seguinte post:

6 Dicas para superar a procrastinação

 


Referências

American Psychological Association. (2010). The psychology of procrastination: Why people put off important tasks until the last minute. Retrieved from http://www.apa.org/news/press/releases/2010/04/procrastination.aspx

Green, K. E. (1997). Psychosocial factors affecting dissertation completion. In Goodchild, L. F., Green, K. E., Katz, E. L., & Kluever, R. C. (Eds.), Rethinking the dissertation process: Tackling personal and institutional obstacles. New Directions for Higher Education, 99,. San Francisco: Jossey-Bass, 57-64.

Steel, P. (2007). The nature of procrastination: A meta-analytic and theoretical review of quintessential self-regulatory failure. Psychological Bulletin, 133(1), 65-94.

Tice, D. M. & Baumeister, R. F. (1997). Longitudinal study of procrastination, performance, stress, and health: The costs and benefits of dawdling. Psychological Science, 8(6), 454-458.

Tuckman, B.W., Abry, D.A, & Smith, D.R. (2008). Learning and motivation strategies: Your guide to success (2nd ed.). Upper Saddle River, NJ: Pearson Prentice Hall.

Por Kendra Cherry





Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.