Antidepressivos: 11 estudos chocantes que todos devem saber

Antidepressivos não funcionam? Quais são os efeitos colaterais reais? E mais…

1.Antidepressivos são muito imprecisos

Infelizmente, para cerca de metade dos pacientes deprimidos, os primeiros antidepressivos prescritos não funcionam. Além disso, cerca de 1/3 dos pacientes não respondem a quaisquer tipos de drogas (embora terapias psicológicas possam ser úteis). No momento, a única maneira de saber é experimentá-los e ver o que acontece. Isto significa que muitas pessoas deprimidas têm de esperar em torno de três meses para ver se as drogas vão funcionar.

remedios antirepressivos

2. Ciência de antidepressivos baseada em fatos atrasados

A base científica por trás dos antidepressivos normalmente utilizados é completamente atrasada.  Por cerca de 50 anos foi considerado por cientistas e para o público que a depressão está associada a baixos níveis de serotonina no cérebro.

Na verdade, uma nova avaliação encontra a melhor evidência disponível sugerindo que as pessoas que estão deprimidas realmente tem níveis mais elevados de serotonina no cérebro, não inferior. Isto significa que os antidepressivos comumente utilizados estão, na verdade, tornando a situação pior, não melhor.

3. Alguns cientistas dizem que eles não funcionam

A nova geração de antidepressivos “SSRI” como o Prozac ou Seroxat principalmente ficam”abaixo dos critérios recomendados para a significância clínica”, de acordo com alguns cientistas.

Em outras palavras, os remédios mais modernos prescritos para a depressão geralmente não funcionam.

A revisão das evidências encontradas para as drogas tiveram efeitos diferentes sobre as pessoas com diferentes níveis de depressão:

  • depressão leve: não testado como depressão leve, geralmente tratada com psicoterapia em vez de antidepressivos.
  • depressão moderada: antidepressivos não fizeram “virtualmente nenhuma diferença”.
  • Depressão grave: antidepressivos tinham um “pequeno e clinicamente insignificante” efeito.
  • Níveis mais graves de depressão: antidepressivos tiveram um benefício clínico significativo

 

4. efeitos colaterais escondidos

Uma pesquisa recente com pessoas que tomam antidepressivos encontrou níveis mais elevados do que os esperados de dormência emocional, problemas sexuais e pensamentos suicidas, associados com a medicação.

O estudo, publicado na revista Psychiatry Research, descobriu que mais de metade das pessoas que eles pesquisaram tiveram problemas psicológicos devido à sua medicação.

Dos 20 efeitos adversos pelos quais as pessoas foram questionados:

  • 62% disseram que tinham “dificuldades sexuais”,
  • 52% disseram que “não se sentiam com elas mesmas”,
  • 42% notaram uma “redução em sentimentos positivos”,
  • 39% viram-se ‘cuidando menos sobre os outros “,
  • 55% relataram “efeitos de abstinência”.

Como contraponto a esses dados, porém, 82% disseram que as drogas haviam sido úteis na luta contra a depressão.

5. A maioria dos antidepressivos está ligada ao ganho de peso

Bupropiona, que é comercializada como Wellbutrin, é o único antidepressivo ligado à perda de peso. Em contraste, a fluoxetina (conhecida principalmente como Prozac) foi relacionada ao ganho de em média 2kg.

Assim, aqueles tomando Wellbutrin pesavam uma média de 3kg menos do que aqueles que tomaram Prozac ao longo dos dois anos.

6 -Perda de memória

O tipo mais antigo de antidepressivos – conhecidos como tricíclicos – têm sido associados a perda de memória.

Alguns dos nomes desses fármacos incluem:

  • desipramina (Norpramin),
  • imipramina (Tofranil),
  • clomipramina (Anafranil),
  • e doxepin (Sinequan).

Cerca de metade das pessoas que tomaram relataram problemas de concentração e um terço disseram que têm perda de memória.

 

7. Os suplementos naturais podem aumentar a eficácia

Quatro suplementos naturais foram encontrados por novas pesquisas para aumentar a eficácia dos antidepressivos.

Os suplementos são:

  1. Omega 3 / óleos de peixe,
  2. S-adenosilmetionina (SAMe),
  3. metilfolato (forma bioativo de folato),
  4. e vitamina D.

As conclusões vêm de uma nova revisão de 40 ensaios clínicos realizados em todo o mundo. Foi testado o uso de antidepressivos comuns em conjunto com suplementos dietéticos.

8. Os antidepressivos ligados ao autismo

Mães que usam antidepressivos durante a gravidez podem dobrar o risco de desenvolver autismo em seus filhos. As conclusões vêm de um novo estudo cobrindo 145,456 casos de gravidez.

Cerca de 7% das mulheres grávidas tomam antidepressivos, então o estudo pode ter implicações muito importantes.

9. Auto-mutilação e suicídio

Um antidepressivo comum para adolescentes é realmente ineficaz, diz uma nova pesquisa encontra. Pior ainda, tem sido associado a efeitos secundários graves.

A droga é chamada de paroxetina, que é comercializada como Paxil, Seroxat e Aropax.

 

10. Os antidepressivos e ansiedade social

Transtorno de ansiedade social é mais comumente tratado com antidepressivos, mas estes são não o tratamento mais eficaz. Um novo estudo constata que a terapia cognitivo-comportamental (TCC) é mais eficaz e os benefícios continuam após o tratamento inicial ter sido concluído.

Os pesquisadores descobriram que as terapias psicológicas foram as mais eficazes. Os antidepressivos também foram eficazes, mas foram associados com efeitos colaterais, e eles não funcionam para algumas pessoas.

11. De 14 antidepressivos testados, 13 NÃO foram mais eficazes que placebo

Apenas a fluoxetina (Prozac) foi mais eficaz no alívio dos sintomas da depressão do que o placebo, enquanto a venlafaxina foi associada com um risco aumentado de se engajar em pensamentos suicidas e tentativas de suicídio em comparação com placebo e cinco outros antidepressivos.

Fonte: Psyblog


DEIXA O LIKE AÍ COMO REFORÇO POSITIVO PRA GENTE :D CURTE E COMPARTILHA E VAMOS LEVAR A PSICOLOGIA AOS CONFINS DO UNIVERSO! \o/\o/\o/\o/\o/


🔴 COMENTA AÍ

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.