Biografia de Ulric Neisser: O Pai da Psicologia Cognitiva

Conheça um pouco da história de vida de Ulric Neisser, o pai da Psicologia Cognitiva.

Nascido em Kiel, na Alemanha, Ulric Neisser foi para os Estados Unidos, juntamente com os pais, aos três anos. Iniciou os estudos universitários em Harvard, formando-se em física. Ficou impressionado com um jovem professor de psicologia, chamado George Miller, que falava sobre a psicologia da comunicação e teoria da informação. Ele conta também que foi influenciado pelo livro de Koffka, Principles of Gestalt Psycology (Princípios da Psicologia da Gestalt). Depois de obter a graduação de bacharel em Harvard, em 1950, Ulric Neisser recebeu o título de mestrado na Swarthmore College, estudando sob a orientação do psicólogo da Gestalt, Wolfgang Köhler. Retornou a Harvard para obter o Ph.D, que completou em 1956.

Abraham Maslow e Ulric Neisser: Psicologia humanista e Psicologia Cognitiva


Apesar do crescente interesse pela abordagem cognitiva da psicologia, Ulric Neisser não via como escapar do behaviorismo, já que desejava seguir carreira acadêmica. “Não havia outra opção. Estávamos em uma era em que os fenômenos da psicologia seriam considerados reais somente se demonstrados em um rato de laboratório” (apud Baars, 1986, p. 275).

No entanto, Ulric Neisser teve sorte, pois sua primeira posição acadêmica foi na Brandeis University, onde o diretor do departamento de psicologia era Abraham Maslow (sim, aquele da pirâmide das necessidades). Naquela época, Maslow estava se afastando da sua formação behaviorista para desenvolver a abordagem humanista ao campo.

Maslow não conseguiu convencer Ulric Neisser a se tornar psicólogo humanista, ou em transformar a psicologia humanista na terceira força da disciplina, mas proporcionou a Ulric Neisser a oportunidade de perseguir seu interesse nas questões cognitivas. (Mais tarde, Ulric Neisser afirmou ser a psicologia cognitiva e não a humanista a terceira força da psicologia.)

O pai da Psicologia Cognitiva

Em 1967, Ulric Neisser, publicou a obra Cognitive psychology (Psicologia Cognitiva) e alegou ser esse um livro pessoal, uma tentativa de definir a si próprio e o tipo de psicólogo que almejava ser.

O trabalho também foi um marco divisório na história da psicologia, uma tentativa de definir um novo tratamento para disciplina. A obra tornou-se extremamente conhecida, e Neisser sentia-se constrangido por ser identificado como o “pai” da psicologia cognitiva.

Embora não desejasse fundar nenhuma escola de pensamento, seus trabalhos ajudaram a afastar a psicologia do behaviorismo, empurrando-a em direção ao cognitivismo. Mesmo assim, Ulric enfatizava que o estudo das questões cognitivas devia construir apenas parte da psicologia e não caracterizar a disciplina toda.

O que é cognição?

Ulric Neisser definia a cognição como os processos pelos quais “a informação sensorial recebida é transformada, reduzida, elaborada, armazenada, recuperada e usada (…) cognição está envolvida em tudo que o ser humano é capaz de realizar” (Neisser, 1967,p.4). Assim, a psicologia cognitiva está relacionada com sensação, a percepção, a formação de imagens, a memória, a solução de problemas, o pensamento e as demais atividades mentais relacionadas.

Algumas contribuições importantes de Ulric Neisser para a Psicologia

Neisser postulou que a memória é, em grande parte, reconstruída e não um registro instantâneo do momento. Neisser ilustrou isso durante um de seus estudos altamente divulgados sobre as memórias das pessoas sobre a explosão do Challenger.

Posteriormente, ele resumiu as pesquisas existentes até então sobre inteligência humana e editou a primeira grande monografia acadêmica sobre o efeito Flynn.

Neisser como crítico da Psicologia Cognitiva

Apenas nove anos depois, Ulric Neisser publicou Cognition and reality (1976), expressando a insatisfação com a restrição da posição cognitiva e a dependência da coleta de dados em laboratório e não no mundo real. Insistia em afirmar que os resultados da pesquisa psicológica deviam ter validade em termos ecológicos. Com isso, quis dizer que os resultados deviam ser generalizados para as situações além dos limites do laboratório.

Além disso, alegava que a psicologia cognitiva devia permitir a aplicação das descobertas aos problemas práticos, ajudando as pessoas a lidarem com as questões cotidianas particulares e profissionais.

Assim, Ulric Neisser mostrava-se decepcionado, concluindo que o movimento da psicologia cognitiva tinha pouco a construir com a psicologia, no sentido de compreender como as pessoas lidam com as situações.

Desse modo, a principal figura na fundação da psicologia cognitiva tornara-se seu crítico audaz, desafiando o movimento, como fizera anteriormente com o behaviorismo.

Considerações finais

Depois de 17 anos na Cornell University, onde seu escritório ficava perto do local em que foi guardado o cérebro conservado de Titchener, Ulric Neisser mudou-se para a Emory University, em Atlanta, retornando a Cornell em 1996. Neisser morreu em 2012 vítima do Mal de Parkinson.

Ulric Neisser foi considerado o 32º psicólogo mais citado do século XX.

Veja aqui a lista completa dos psicólogos mais citados do século XX.


Quer ler o site sem anúncios + conteúdo exclusivo?
☆ Assine o Psicoativo Premium





Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.