A Tríade Cognitiva da Depressão (tríade negativa) | Beck; Terapia Cognitiva

O que é tríade cognitiva / tríade negativa?

A tríade cognitiva (também chamada de tríade negativa) é um conceito criado por Aaron Beck e utilizado na terapia cognitiva (TC) e na terapia cognitivo-comportamental (TCC) para explicar a estrutura psicológica da depressão.
A tríade cognitiva da depressão: a pessoa deprimida tem uma visão negativa de si mesma, do mundo e do futuro.
A tríade cognitiva da depressão: a pessoa deprimida tem uma visão negativa de si mesma, do mundo e do futuro.

O modelo cognitivo da depressão de Aaron Beck

A tríade cognitiva de Beck é um elemento central do modelo cognitivo da depressão de Aaron Beck, uma das teorias da depressão mais influentes.  A teoria cognitiva da depressão deriva da vasta experiência clínica de Beck com pacientes depressivos. Ele notou que esses indivíduos tendiam a ter uma visão negativa dos eventos e uma elevada autocrítica. A visão negativa disfuncional é o que caracteriza os transtornos depressivos. Aaron Beck propôs o conceito de tríade cognitiva em 1976, como parte da sua teoria cognitiva da depressão. A ideia da tríade negativa é muito utilizada no tratamento de pensamentos automáticos, aspecto de grande importância na terapia cognitiva e na terapia cognitivo-comportamental. De acordo com Aaron Beck, a tríade cognitiva é composta por três padrões cognitivos na forma como o indivíduo vê a si mesmo, o mundo e o futuro. A tríade cognitiva da depressão envolve pensamentos negativos automáticos, espontâneos e aparentemente incontroláveis sobre o eu, o mundo (ou meio ambiente) e o futuro. Segundo Beck, esses pensamentos automáticos negativos podem provocar emoções como tristeza, medo e desespero. Segundo o conceito de tríade negativa no modelo cognitivo da depressão de Beck, o indivíduo depressivo apresenta uma visão negativa de si mesmo e se percebe como uma pessoa inadequada, sem valor, defeituoso, doente ou carente. A pessoa deprimida também tende a se culpar excessivamente, mesmo que não existam razões claras para isso. Ele também apresenta uma visão negativa do mundo, incluindo as relações, trabalho e atividades. Nesse caso o paciente tende a achar que o mundo lhe faz solicitações absurdas e/ou o coloca obstáculos insuperáveis ao atingimento de seus objetivos desejados. visão negativa do futuro parece estar cognitivamente associada ao grau de desesperança. A pessoa com depressão pode pensar que não há possibilidades de que as coisas melhorem no futuro. Exemplos de pensamentos automáticos na tríade negativa:
  • Sobre o eu: (a) “Eu sou inútil” (b) “Eu não consigo fazer nada direito”
  • Sobre o mundo: “Todo mundo me odeia”
  • Sobre o futuro: “As coisas nunca vão mudar”
Os padrões de pensamentos automáticos como “sou inútil”, “não consigo fazer nada direito” e “nunca serei amado” podem surgir na infância ou adolescência por causa de rejeição social, críticas de figuras de autoridade (como pais e professores) e vários eventos traumáticos. Novas situações, parecidas com as antigas, podem ativar as crenças negativas.

Instrumentos para medição da tríade negativa

Existem vários instrumentos (testes) para que podem ser utilizados para medir a tríade cognitiva.
  • Talvez o mais famoso seja o Inventário de Depressão de Beck (BDI), usado para medir os três aspectos da tríade e avaliar depressão;
  • A Escala de Desesperança de Beck pode ser usada para avaliar os pensamentos sobre o futuro;
  • A Escala da Autoestima de Rosenberg tem como objetivo avaliar a visão sobre o próprio eu;
  • O Inventário da Tríade Cognitiva busca medir sistematicamente os três aspectos da tríade cognitiva de Beck.

Tríade cognitiva na Terapia: lidando com a depressão

Na terapia cognitiva busca-se a modificação de padrões cognitivos disfuncionais, pensamentos automáticos negativos e distorções cognitivas.

Exemplo: um fragmento de uma sessão de tratamento com Aaron Beck:

Cliente: Eu tenho um discurso na frente de um público amanhã, e estou muito assustado. Terapeuta: Por que você está com medo? Cliente: acho que vou falhar Terapeuta: Suponha que seja… Por que isso é tão ruim? Cliente: Eu nunca escaparei deste embaraço. Terapeuta: “Nunca” é muito tempo… Agora imagine que eles irão ridicularizar você. Você vai morrer disso? Cliente: Claro que não. Terapeuta: Suponha que eles decidam que você é o pior orador que já viveu … Vai arruinar sua carreira futura? Cliente: Não… Mas seria bom ser um bom orador. Terapeuta: Claro, seria legal. Mas se você falhar, seus pais ou sua esposa rejeitariam você? Cliente: Não… Eles são muito compreensivos Terapeuta: Bem, o que seria tão assustador sobre isso? Cliente: Eu me sentiria um pouco infeliz Terapeuta: Por quanto tempo? Cliente: Cerca de um dia ou dois. Terapeuta: E então o que aconteceria? Cliente: Nada, tudo voltaria ao normal Terapeuta: Então você se preocupa tanto como se sua vida dependesse desse discurso

Tríade cognitiva da ansiedade

Uma tríade cognitiva também pode ser utilizada para o entendimento da estrutura psicológica da ansiedade. Nesse caso o paciente terá uma visão de si vulnerável , o mundo é considerado perigoso e o futuro é visto como incerto. Por Carollina Guilhermino e Tiago Azevedo
Referências: Beck, Aaron. Terapia Cognitiva da Depressão. Sardinha, Aline. (2008). Auto-ajuda especializada. Psicologia Clínica20(2), 215-220. https://dx.doi.org/10.1590/S0103-56652008000200017


Quer ler o site sem anúncios + conteúdo exclusivo?
☆ Assine o Psicoativo Premium





Um comentário em “A Tríade Cognitiva da Depressão (tríade negativa) | Beck; Terapia Cognitiva

  • 25/01/2019 em 05:20
    Permalink

    Ótima explicação!
    obrigada meninos por dedicarem seus tempos a escrever para leigos e para nós, estudantes.
    Paz

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.