Como Marx define o Comunismo

Comunismo marxista representa a completa dissolução das barreiras entre o interesse privado e comum. Isso também significa a eliminação de qualquer divisão do trabalho ou trabalho forçado. O comunismo também sinaliza o fim da propriedade privada e da divisão entre o homem e a natureza, de acordo com o Marxists Internet Archive.


Leia também:

Comunismo marxista implica a liberdade dos indivíduos para estudar e educar-se em qualquer campo de interesse e a capacidade de mudar sua ocupação sem medo de perder seus meios de subsistência. Ao invés de um estado estático, o comunismo é um constante estado de revolução e reinvenção, diz a New York University. Marx descreve a transição do capitalismo para o comunismo puro, alegando que existe um período transitório referido como a “ditadura do proletariado”.

Marx descreve este período transitório como uma reconstrução completa da sociedade. Este período de transição reflete características de ambos os períodos: o período capitalista que o precedeu e a era do comunismo puro que Marx espera chegar depois. Marx afirma que a abolição da propriedade privada, a instituição da tributação progressiva, e a centralização da comunicação e da necessidade de transporte seriam realizados durante este período de transição. Marx não dá nenhuma linha de tempo concreta que mostre por quanto tempo a transição do capitalismo para o comunismo pode demorar.

Leia mais:


Fontes: marxists.org | nyu.edu | Reference


Quer ler o site sem anúncios + conteúdo exclusivo?
☆ Assine o Psicoativo Premium





Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.