O “Efeito Porta”: Por que esquecemos quando passamos por portas

O efeito porta demonstra que a memória é facilmente interrompida por nossa localização e pelo que estamos fazendo.

efeito-porta


Ao passar por portas, os “arquivos” de memórias dos nossos cérebros se distanciam, o que torna difícil lembrar o que estávamos fazendo, diz a pesquisa.

É como se as portas estivessem, inconscientemente, sinalizando: “Isso é o suficiente, agora vamos fazer algo diferente”. Como resultado, as memórias ativas são desviadas para fora da consciência.

Se anteriormente você culpava a memória fraca, então pense novamente.

Professor Gabriel Radvansky, principal autor do estudo, explicou:

“Entrar ou sair por uma porta serve como um ‘limite de eventos” na mente, que separa os episódios de atividade e vai arquivá-las e afastá-las. Recordar a decisão ou atividade que foi feita em uma sala diferente é difícil porque ela foi compartimentada. ”

Para a pesquisa, as pessoas no estudo navegaram através de uma série de salas e portas virtuais. Objetos em cada quarto foram usados para testar as memórias das pessoas. Os resultados mostraram claramente que passar através de portas era ruim para a memória das pessoas.

O efeito porta

O efeito porta mostra como nossas memórias são ligadas ao local em que estamos. Por exemplo, se você voltar para sua antiga escola, todos os tipos de memórias vão inundar e trazer de volta seus tempos de escola. Muitas vezes, as coisas que você não tinha pensado por anos, ou mesmo décadas, vão aparecer em sua cabeça.

O estudo também mostra como mudar o nosso ambiente físico e mental em conjunto perturba a memória.

Por exemplo, o meu plano agora é escrever este artigo aqui no meu quarto. Se eu for fazer café, eu mudo o meu plano, de escrever sobre este estudo de psicologia para fazer café. Ao mesmo tempo, eu também estou indo do quarto para a cozinha.

A moral do efeito porta é: para preservar a memória, não saia do quarto! 😉


O estudo foi publicado no Quarterly Journal of Experimental Psychology ( Radvansky et al., 2016 ).

Via Psyblog


Quer ler o site sem anúncios + conteúdo exclusivo?
☆ Assine o Psicoativo Premium





Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.