O que Albert Einstein pensava sobre o filósofo Arthur Schopenhauer?

A ‘história’ entre Albert Einstein e Arthur Schopenhauer

A obra-prima de Schopenhauer “O mundo como vontade e representação” era leitura obrigatória para qualquer intelectual nos tempos de Einstein. Mesmo parecendo que Albert foi mais influenciado por outros pensadores, como Kant, Hume, Mach e Poincaré, ele não foi exceção.


Einstein Schopenhauer

Para Einstein E Schopenhauer o livre-arbítrio não existe

Como podemos ler em seus escritos, Einstein admirava e compartilhava alguns aspectos fundamentais da filosofia de Schopenhauer. Um deles é a recusa do livre arbítrio, de acordo com a sua própria visão de um mundo determinado dominado pelas leis da natureza; um conceito que ele também aplicava à vida cotidiana, como você pode ler neste trecho de seu “Meu credo”, escrito em 1932:

“Eu não acredito no livre arbítrio. As palavras de Schopenhauer: “O homem pode fazer o que ele quer, mas não pode querer o que ele quer “, me acompanham em todas as situações em toda a minha vida e reconciliam-me com as ações dos outros, mesmo que seja bastante doloroso para mim. Esta consciência da falta de livre-arbítrio me impede de levar eu e os meus colegas homens muito a sério pelas ações e decisões como indivíduos, e de perder a paciência”.

Schopenhauer e Einstein em: Os motivos que levam o homem a arte e a ciência

Além disso, Albert einstein seguiu a ideia de Schopenhauer de arte e ciência como maneiras de escapar de um mundo irracional e cruel: o texto seguinte é um extrato do que Albert Einstein deu por ocasião do 60º aniversário de seu amigo (e rival) Max Planck, em 1918:

“Eu acredito como Schopenhauer que um dos motivos mais fortes que leva os homens a arte e a ciência é fugir da vida cotidiana com sua crueza dolorosa e sem esperança, dos grilhões dos próprios desejos em constante mutação.

Einstein rejeita um Deus pessoal

Finalmente, Einstein rejeitou a ideia de um Deus pessoal e tinha uma espécie de “religião cósmica”: mesmo que sua visão seja bastante complicada, não foi tão distante das religiões orientais que Schopenhauer também admirava muito. No entanto, pelo que sei, ele nunca cita o filósofo a este respeito.

Rudolf Kayser, biógrafo de Einstein, disse que haviam retratos de três figuras penduradas em sua sala de estudo em Berlim durante o final dos anos 1920: James Clerk Maxwell, Michael Faraday, e Arthur Schopenhauer.

Armin Hermann, em sua biografia sobre Einstein, disse que Einstein lia livros filosóficos desde cedo, e que ele estimava Schopenhauer “extremamente”. Podia-se, muitas vezes vê-lo pegando um de seus livros da estante e lendo com prazer.

No mesmo livro, Hermann vai longe ao falar que “Einstein amava Schopenhauer“.

Em um artigo chamado religião e ciência, Einstein escreveu:

O indivíduo sente a futilidade dos desejos e objetivos humanos e a sublimidade e a ordem maravilhosa que se revelam tanto na natureza quanto no mundo do pensamento. A existência individual impressiona-lo como uma espécie de prisão e ele quer experimentar o universo como um todo significativo. Os inícios do sentimento religioso cósmico já aparecem em um estágio inicial de desenvolvimento, por exemplo, em muitos dos Salmos de Davi e, em alguns dos Profetas. Budismo, como aprendemos especialmente a partir dos maravilhosos escritos de Schopenhauer, contém um elemento muito mais forte disso.

Einstein não só fala positivamente sobre os escritos de Schopenhauer, mas também se inclina para seu “pessimismo”.

Dica de leitura sobre a relação entre Einstein e Schopenhauer

Uma leitura interessante sobre isso é o livro de Don Howard: A Peak Behind the Veil of Maya: Einstein, Schopenhauer, and the Historical Background of the Conception of Space as a Ground for the Individuation of Physical Systems.


Quer ler o site sem anúncios + conteúdo exclusivo?
☆ Assine o Psicoativo Premium





Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.