Diferença salarial pode explicar mulheres com mais ansiedade e depressão que homens

As mulheres podem internalizar diferença salarial como um reflexo de mérito inferior e sofrer com ansiedade e depressão devido à isso

As chances de transtorno depressivo maior e transtorno de ansiedade generalizada eram marcadamente maiores entre as mulheres que ganhavam menos do que seus colegas do sexo masculino, com os quais eram niveladas em educação e anos de experiência, de acordo com nova pesquisa realizada na Escola Mailman de Saúde Pública da Universidade de Columbia. Os resultados do estudo estão online na revista Social Science & Medicine.


Diferença salarial homens mulheres

As chances de uma mulher americana ser diagnosticada com depressão no ano passado são quase o dobro dos homens. No entanto, esta disparidade parece muito diferente quando representada a diferença salarial: Entre as mulheres cuja renda foi menor do que seus colegas do sexo masculino, as chances de depressão maior foram cerca de 2,5 vezes maiores do que os homens; mas entre as mulheres com renda igual ou superior a suas contrapartes masculinas, suas chances de depressão não foram diferentes dos homens.

Os resultados foram similares para o transtorno de ansiedade generalizada. No geral, as probabilidades das mulheres foram mais de 2,5 vezes maiores do que os homens. Onde os rendimentos das mulheres eram mais baixos do que os seus homólogos masculinos, suas chances de ter transtorno de ansiedade foram mais de quatro vezes maiores. Para as mulheres cuja renda era igual ou superior aos seus homólogos masculinos, suas chances de transtorno de ansiedade foram grandemente diminuídas.

As conclusões são baseadas em dados de uma amostra da população dos EUA de 2001-2002 com 22.581 adultos com idades entre 30-65 que trabalhavam. Os investigadores testaram o impacto das disparidades salariais estruturais sobre depressão e ansiedade, de acordo com critérios do Manual de Diagnóstico e Estatística, versão IV (DSM-IV).

“Nossos resultados mostram que algumas das disparidades de gênero na depressão e ansiedade podem ser devidas aos efeitos da desigualdade de gênero estrutural no mercado de trabalho e além”, disse Jonathan Platt, um estudante de doutorado no Departamento de Epidemiologia, que foi o primeiro autor. “Os processos sociais que classificam as mulheres em determinados postos de trabalho, compensam-as menos do que colegas do sexo masculino equivalentes, e criam disparidades de gênero no trabalho doméstico que têm conseqüências materiais e psicossociais.”

Enquanto os EUA aprovaram uma legislação para tratar de algumas das formas mais evidentes de discriminação de gênero enfrentadas por mulheres que trabalham, formas menos evidentes de discriminação estrutural persistem. Como exemplos, os pesquisadores referem-se às normas, expectativas e oportunidades em torno dos tipos de trabalhos que as mulheres ocupam e da forma como esses trabalhos são avaliados e compensados ​​em relação aos homens.

“Se as mulheres internalizam essas experiências negativas como reflexivas de mérito inferior, em vez de resultado de discriminação, elas podem estar em risco aumentado de depressão e ansiedade“, diz Platt.

“Nossos resultados sugerem que as políticas devem ir além da proibição de discriminação de gênero manifesta como assédio sexual“, disse Katherine Keyes, PhD, professora assistente de epidemiologia e autora sênior. ” Além disso, embora acredita-se geralmente que as diferenças de gênero na depressão e ansiedade são biologicamente enraizadas, estes resultados sugerem que tais diferenças são muito mais socialmente construídas que se pensava anteriormente, indicando que as disparidades de gênero nos transtornos psiquiátricos são maleáveis ​​e podem surgir a partir de um tratamento injusto.”

De acordo com Keyes, políticas, tais como licença remunerada parental e os horários de trabalho flexíveis podem melhorar um pouco essa carga, embora mais pesquisas sejam necessárias para compreender as maneiras em que a discriminação desempenha um papel na saúde mental.

“Formas estruturais de discriminação podem explicar uma parte substancial das disparidades de gênero em transtornos de humor e ansiedade na população adulta dos Estados Unidos”, disse Keyes. ” Uma maior atenção aos mecanismos fundamentais que perpetuam as disparidades salariais é necessário, não só porque é injusto, mas para que possamos compreender e sermos capazes de intervir para reduzir riscos à saúde.”

Fontes:
"Unequal depression for equal work? How the wage gap explains gendered disparities in mood disorders" Jonathan Platt, Seth Prins, Lisa Bates, Katherine Keyes Social Science & Medicine, doi:10.1016/j.socscimed.2015.11.056. Available online 8 December 2015
Via: Medical News Today


Quer ler o site sem anúncios + conteúdo exclusivo?
☆ Assine o Psicoativo Premium





Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.