Max Weber: Poder, disciplina e 3 tipos de dominação legítima

A Sociologia estuda questões parecidas com a Psicologia, como é o caso da motivação da persistência das relações sociais. Por que as pessoas mantem relações com outras?


Max Weber entende que o social constrói-se a partir das ações individuais, porém com isso coloca em análise a continuidade da vida social. A resposta para essas questões é segundo ele a base da organização da sociedade e chave do verdadeiro problema sociológico: a dominação.

Conceito de poder na Sociologia

O poder na Sociologia é a probabilidade de impor a própria vontade em uma relação social, mesmo com resistência. Não se limita à nenhuma circunstância específica, nem à política. Os meios para obter poder são inúmeros: violência simples, propaganda, dinheiro, influência, etc.

Conceito de disciplina na Sociologia

A disciplina é a obediência habitual "sem resistência nem crítica".

3 tipos de motivos de submissão à dominação legítima

  • Racionais: interesse e consideração de prós e contras por parte de quem obedece
  • Tradicionais: mero costume ou hábito cego
  • Afetivos: inclinação pessoal do obediente ao dominador

Não se resume à apenas esses princípios de autoridade pois seria instável, então ela costuma ter apoio em bases jurídicas. Existem três tipos puros de dominação legítima: legal, tradicional e carismática.

 

Tipos de dominação legítima para Max Weber

Dominação tradicional

Tem base no conformismo. Domínio tradicional de um patriarca ou rei, por exemplo.

Dominação carismática

Confiança pessoal. Domínio carismático por heróis, líderes políticos, profetas. O carisma pode romper efetivamente os laços de outros tipos, como racional e tradicional, porém temporariamente. A tendência da carismática é tornar-se tradicional ou racional-legal.

– É bom deixar claro que o sentido de carisma aqui não está sob juízo de valores como no uso cotidiano da palavra. Como exemplos bem distintos e extremos temos Jesus Cristo e Adolf Hitler.

Dominação racional legal

A dominação legal se baseia em regras criadas racionalmente e na fé que os dominados depositam na validade dessas regras. É o tipo de domínio do Estado, por exemplo. É o tipo moderno de administração, com organização racional que se aplica à economia, política, religião, trabalho. A base do funcionamento é a crença na legalidade das normas vigentes e na autoridade dos dominantes. Tanto essa forma quanto a tradicional pode ser rompida pela dominação carismática.

Seleção social

Seleção social é a disputa pelas relações sociais. Os que conseguem entrar numa relação social (como funcionário, pedreiro, diretor de empresa, profeta, namorado, presidente) são considerados como possuidores de qualidades que os colocam à frente dos “concorrentes” na adaptação à vida social. Essas qualidades podem ser várias, como por exemplo: força, persuasão, originalidade, dissimulação, lábia.

A importância da dominação na sociedade

O estabelecimento da dominação legítima (definição de conteúdos válidos para os participantes das relações) modifica a vida coletiva e as atitudes dos indivíduos e suas relações sociais que formam esse todo. As novas regras do jogo são os interesses e vontades do dominante. “Desse ponto de vista, é a dominação o que mantém a coesão social, garante a permanência das relações sociais e a existência da própria sociedade”. Essa dominação pode ser vista em vários aspectos:

  • interpretação da história sob ótica do grupo dominante
  • imposição de normas de convivência social
  • organização de regras na política

► Continua em:

Desencantamento do Mundo e Rotinização do Carisma para Max Weber

Referências
QUINTANEIRO, Tania. Um toque de clássicos. Marx/Durkheim/Weber. 2ª ed. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2009.


Quer ler o site sem anúncios + conteúdo exclusivo?
☆ Assine o Psicoativo Premium





4 comentários em “Max Weber: Poder, disciplina e 3 tipos de dominação legítima

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.