Paralisia Histérica | Psicanálise de Freud

Paralisia histérica designa várias formas de perda de mobilidade dos membros superiores e inferiores que estão presentes em certos doentes, sem qualquer indicação de uma causa direta neurológica.

Mesmo antes dos Estudos sobre a Histeria (1895d), os problemas que a paralisia histérica colocavam para o modelo de diagnóstico médico levou Freud a introduzir os primeiros elementos da psicanálise em um trabalho chamado “Estudo comparativo das Paralisias Motoras Orgânicas e Histéricas” ( 1893c).

Para Freud, paralisias histéricas parecima muito precisamente delimitadas em relação à sua “intensidade excessiva” (1893c, p. 164), e pareciam estar mais relacionadas com a forma como os doentes imaginavam seus corpos do que a qualquer distribuição das lesões na anatomia real. Com base como era no fato de que pontos periféricos do corpo são agrupados ao nível dos nervos que representam os centros medulares do córtex, a concepção neurológica de Freud de “paralisia de representação” foi muito além de Charcot (1880-1893) chamava de uma “doença de representação.” Freud estava buscando “permissão para passar para terreno psicológico” (1893c, p. 170), e ele cruzou essa fronteira com base na diferença entre órgão e função.

Este valor correspondeu também a colocação de paralisia no nível de representar tanto fantasia quanto ação. Ao definir a paralisia histérica do braço como “a abolição da acessibilidade associativa da concepção do braço” (1893c, p. 170), ele levantou tanto a questão do trauma quanto do valor afetivo de uma função, por isso, antecipava o que mais tarde seria conhecido como vínculos associativos e quebras, isolamento e repressão.

Vemos aqui também que o que mais tarde se tornaria a “inervação” da ideia reprimida – “excitação psíquica que toma um caminho errado”, como Freud escreveu em 1894 (1950a, p. 195) – não restringe a noção de conversão para um ideia única de descarga, mas instala-se dentro de ambivalência conflituosa, e isso se contração muscular, paralisia, ou anestesia estivessem em causa. Assim, o sintoma atinge a repressão da representação e o retorno do afeto relacionado a sua condição original, como ação inocente. Esta desconexão entre o afeto e o sintoma é o que Charcot chamava de “belle indifférence” das histéricas (cf. Freud, 1915d, p. 155-56).

Assim conversão ocupa uma posição precisa entre hipocondria, que visa mentalizar as profundidades não representáveis ​​do interior do corpo, e, para os outros distúrbios psicossomáticos extremos, quando a melhoria ou recuperação somática dispensam o nível simbólico inteiramente. Entre os dois, a conversão envolve a musculatura estriada, a fim de jogar fora um drama ao nível mais próximo ao corpo. O envolvimento do nível vegetativo não está excluído aqui, contanto que ele é introduzido em uma fantasia, o desejo que se expressa em sua forma negativa como uma paralisia (Jeanneau, 1985).

Augustin Jeanneau


Bibliografia

Freud, Sigmund. (1950a). Extracts from the Fliess papers. SE, 1: 173-280.

Freud, Sigmund. (1915d). Repression. SE, 14: 141-158.

Freud, Sigmund. (1893c). Some points for a comparative study of organic and hysterical motor paralyses. SE 1: 155-172.

Freud, Sigmund and Breuer, Josef. (1895d). Studies on Hysteria. SE, 2: 48-106.

Jeanneau, Augustin. (1985). L’hystérie, unité et diversité. Revue française de psychanalyse49 (1), 258-283.

Fonte

Hysterical Paralysis.” International Dictionary of Psychoanalysis. . Retrieved September 24, 2017 from Encyclopedia.com: http://www.encyclopedia.com/psychology/dictionaries-thesauruses-pictures-and-press-releases/hysterical-paralysis



DEIXA O LIKE AÍ COMO REFORÇO POSITIVO PRA GENTE :D CURTE E COMPARTILHA E VAMOS LEVAR A PSICOLOGIA AOS CONFINS DO UNIVERSO! \o/\o/\o/\o/\o/


🔴 COMENTA AÍ

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.