Sinapses: Partes, Funções e Tipos de sinapses

Uma sinapse é uma pequena folga na extremidade de um neurônio que permite a um sinal passar de um neurônio para o seguinte. As sinapses são encontradas onde as células nervosas se conectam com outras células nervosas. O termo ‘sinapse’ foi introduzido pela primeira vez em 1897 pelo fisiologista Michael Foster em seu Textbook of Physiology e é derivado do grego synapsis, que significa “conjunto”.

O que as sinapses fazem?

Quando um sinal nervoso chega ao final do neurônio, ele não pode simplesmente continuar para a próxima célula.

Em vez disso, ele deve desencadear a liberação de neurotransmissores que podem então levar o impulso através da sinapse para o próximo neurônio.

Uma vez que um impulso nervoso desencadeou a liberação de neurotransmissores, esses mensageiros químicos atravessam o pequeno espaço sináptico e são absorvidos por receptores especializados na superfície da próxima célula. Estes receptores agem como uma fechadura e os neurotransmissores funcionam muito como uma chave. Este processo converte então o sinal químico de volta em um sinal elétrico. Se o sinal for suficientemente forte, ele será propagado pelo próximo neurônio por um potencial de ação até que ele chegue novamente a uma sinapse e o processo é repetido mais uma vez.

As partes da sinapse

As sinapses são compostas de três partes principais:

  • O final pré-sináptico que contém neurotransmissores
  • A fenda sináptica entre as duas células nervosas
  • A terminação pós-sináptica que contém receptores locais

Um impulso elétrico viaja para o axônio de um neurônio e, em seguida, aciona a liberação de pequenas vesículas contendo neurotransmissores.

Estas vesículas vão então ligar-se com a membrana da célula pré-sináptica, liberando os neurotransmissores para a sinapse. Estes mensageiros químicos atravessam a fenda sináptica e se conectam com receptores na próxima célula nervosa, provocando um impulso elétrico conhecido como um potencial de ação.

Quais os tipos de sinapse?

Existem dois tipos principais de sinapses: sinapse química e sinapse eléctrica.

A primeira é a sinapse química, em que a atividade elétrica do neurônio pré-sináptico desencadeia a liberação de mensageiros químicos. Os neurotransmissores se difundem através da sinapse e se ligam aos receptores especializados da célula pós-sináptica. O neurotransmissor então excita ou inibe o neurônio pós-sináptico. Excitação leva ao disparo de um potencial de ação enquanto inibição impede a propagação de um sinal.

No entanto, também existem sinapses elétricas em que dois neurônios estão ligados por canais especializadas conhecidos como junções de hiato. As sinapses elétricas permitem que os sinais elétricos se movam rapidamente da célula pré-sináptica para a célula pós-sináptica, acelerando rapidamente a transferência de sinais. A diferença entre sinapses elétricas é muito menor do que a de uma sinapse química (cerca de 3,5 nm em comparação com 20 nm). Os canais especiais de proteína que ligam as duas células tornam possível que a corrente positiva do neurônio pré-sináptico flua diretamente para a célula pós-sináptica.

Diferenças entre sinapse quimica e sinapse elétrica

Sinapses elétricas transferem sinais muito mais rápido do que as sinapses químicas. Enquanto a velocidade de transmissão em sinapses químicas pode levar até vários milissegundos, a transmissão em sinapses elétricas é quase instantânea. Onde as sinapses químicas podem ser excitatórias ou inibitórias, as sinapses elétricas são apenas excitatórias.

Enquanto as sinapses elétricas têm a vantagem de velocidade, a força de um sinal diminui à medida que viaja de uma célula para a próxima. Devido a esta perda de força do sinal, ela requer um neurônio pré-sináptico muito grande para influenciar um neurônio pós-sináptico muito menor. As sinapses químicas podem ser mais lentas, mas podem transmitir uma mensagem sem perda de força do sinal. Neurônios pré-sinápticos muito pequenos também são capazes de influenciar até mesmo grandes células pós-sinápticas.


Referências

Freberg, L.A. (2010). Discovering biological psychology, Second edition. Belmont, CA: Wadsworth, Cengage Learning.

Freberg, L.A. (2016). Discovering behavioral neuroscience. Boston: Cengage Learning.

Tansey, E.M. (1997). Not committing barbarisms: Sherrington and the synapse, 1897. Brain Research Bulletin, 44,(3), 211–212. doi:10.1016/S0361-9230(97)00312-2.

Adaptado do Very Well.



DEIXA O LIKE AÍ COMO REFORÇO POSITIVO PRA GENTE :D CURTE E COMPARTILHA E VAMOS LEVAR A PSICOLOGIA AOS CONFINS DO UNIVERSO! \o/\o/\o/\o/\o/


🔴 COMENTA AÍ

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.