A Polícia acredita em muitos Mitos Psicológicos relacionados ao seu trabalho

Apesar das recentes melhorias para a sua formação, um novo estudo na revista Police and Criminal Psychology sugere a polícia é tão suscetível como o público em geral para explorar falsas crenças sobre a psicologia que se aplica ao seu trabalho.

A pesquisa, realizada no Reino Unido, também mostrou que os policiais têm mais confiança do que o público em suas falsas crenças.

Chloe Chaplin, facilitadora do programa no London Probation Trust e Julia Shaw, professora sênior da South Bank University, recrutaram 44 policiais do Reino Unido e outros agentes da lei e 56 participantes com empregos não relacionados à aplicação da lei, recrutados através de cartazes e mídias sociais, principalmente de fora de um ambiente universitário.

Os participantes foram interrogados sobre uma série de tópicos:

  • procedimentos policiais e interrogatórios – se eles concordaram erradamente que “As pessoas só confessam quando realmente cometeram o crime de que estão sendo acusadas”;
  • Tribunais – concordância com declarações como “Testemunhas oculares são sempre a fonte mais confiável de informações relacionadas com o caso”;
  • Suas crenças sobre os efeitos da dureza sobre o crime – “A pena capital é um meio eficaz para dissuadir a atividade criminosa”;
  • Suas crenças sobre a doença mental – “A maioria dos indivíduos mentalmente doentes são violentos”;
  • E as crenças sobre a memória e a cognição, neste caso medida através de seu acordo com itens como “Se você é vítima de um crime violento, a sua memória do rosto dos perpetradores será perfeita.”

Todos os itens acima, além de vários outros utilizados na pesquisa, não são apoiadas por evidências de pesquisa, e foram polvilhadas entre as afirmações verdadeiras.


Deu pra ver que a questão da memória é fundamental na Psicologia Forense né? Mas as falsas memórias já são um fato, e entendê-las é fundamental pra entendermos de Psicologia.

Veja o que já publicamos sobre isso:


A formação da polícia britânica está em muitas áreas fortemente baseada em evidências, mas o grupo de polícia foi tão provável de endossar os equívocos psicológicos como os participantes leigos, tendo fé em média em 18 das 50 declarações falsas (contra 19 entre o público).

A discriminação mostrou melhor desempenho apenas em uma área, a subescala tribunais; Em outras, mesmo aquelas como técnicas de entrevista onde a polícia do Reino Unido recebe treinamento padronizado baseado em evidências, a polícia teve um desempenho tão ruim quanto o público.

Além disso, a polícia mostrou maior confiança do que o público de que suas falsas crenças estavam corretas. Especialização pode gerar excesso de confiança, com consequências possivelmente graves, quando as apostas são tão altas: os doentes mentais e suspeitos mais jovens estão particularmente em risco de fazer falsas confissões, por exemplo.

A pesquisa sugere que o policiamento continua a ser um exemplo preocupante de onde há uma “science-practitioner gap” (ou seja, os resultados da pesquisa moderna estão falhando em chegar naqueles que trabalham no terreno) – um problema que é familiar para psicólogos e outros profissionais de áreas como a terapia e recursos humanos .

Chaplin e Shaw recomendam mais treinamento policial, mas enfatizam que tal treinamento precisa levar em conta os contextos da vida real para ser convincente, e precisa ser suficientemente persuasivo para deslocar as crenças existentes.


Chaplin, C., & Shaw, J. (2015). Confidently Wrong: Police Endorsement of Psycho-Legal Misconceptions Journal of Police and Criminal Psychology DOI: 10.1007/s11896-015-9182-5

Adaptação do post escrito por Alex Fradera ( @alexfradera ) para o BPS Research Digest .





DEIXA O LIKE AÍ COMO REFORÇO POSITIVO PRA GENTE :D CURTE E COMPARTILHA E VAMOS LEVAR A PSICOLOGIA AOS CONFINS DO UNIVERSO! \o/\o/\o/\o/\o/


🔴 COMENTA AÍ

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.