Isso é o que 8 semanas de treinamento Mindfulness faz com seu cérebro

Os efeitos do treinamento mindfulness na estrutura e funções do cérebro

Por Christian Jarrett

Praticar mindfulness – passar o tempo prestando atenção a suas experiências mentais atuais de uma forma de não-julgamento – foi associado com muitos resultados benéficos, incluindo redução da ansiedade e melhora na tomada de decisões (embora note-se, pode haver alguns efeitos adversos para algumas pessoas ).

Quais são os correlatos neurais desses efeitos? Uma nova revisão sistemática no Brain and Cognition analisou todos os estudos publicados antes de Julho deste ano, que investigaram as mudanças do cérebro associadas com oito semanas de redução de estresse baseada em Mindfulness ou terapia cognitiva baseada em Mindfullness.

Os resultados combinados sugerem que um curto curso de treinamento mindfulness secular leva a múltiplas alterações cerebrais semelhantes em natureza à aquelas vistas em pessoas que praticaram a meditação religiosa ou espiritual por toda a vida.

Rinske Gotink e seus colegas encontraram 30 estudos relevantes que usaram a ressonância magnética ou fMRI para captar imagens do cérebro e olhar os efeitos do treinamento mindfulness na estrutura e função do cérebro, incluindo 13 ensaios aleatoriamente controlados.

Alterações cerebrais associadas, em termos de níveis de atividade e mudanças de volume e conectividade, foram relatadas no córtex pré-frontal (uma região associada à tomada de decisão consciente e regulação emocional e outras funções), a ínsula (que representa estados internos do corpo entre outras coisas) , o córtex cingulado (tomada de decisão), o hipocampo (memória) e a amígdala (emoção). Com base no que sabemos sobre a função dessas regiões do cérebro, a equipe de Gotink disse que essas mudanças parecem ser consistentes com a ideia de que a atenção plena ajuda o cérebro a regular suas emoções.

A maioria destas alterações cerebrais ligadas ao treinamento de atenção consciente são semelhantes às alterações cerebrais associadas à meditação espiritual ou religiosa de longo prazo, embora a descoberta da amígdala (atividade e volume reduzidos após a atenção plena) não tenha sido observada em meditadores de longo prazo .

Os pesquisadores especularam que isso pode ser porque os monges e freiras meditando, que têm caracterizado em grande parte a pesquisa de meditação, começam com pouco estresse – sua amígdala já era “calma”. Em contrapartida, os alunos de mindfulness são mais propensos a começar estressados e colher um benefício calmante do treinamento, que é talvez o que se reflete nas mudanças em sua estrutura e função da amígdala.

Se isso soa altamente especulativo, é. Este estudo fornece um resumo útil de tudo o que sabemos até agora sobre alterações mentais baseadas na atenção plena, mas a realidade, como reconhecem os pesquisadores, é que a base de evidências existentes reflete uma mistura de métodos e abordagens de qualidade variável e com uma tendência de publicação para resultados positivos.

Além disso, o significado e o tamanho das mudanças cerebrais estão abertos à interpretação e a causa precisa delas não é clara, porque o treinamento mindfulness é multifacetado e inclui componentes não-específicos, como o simples ato de encontrar-se com outras pessoas em um ambiente sociável.


8-week Mindfulness Based Stress Reduction induces brain changes similar to traditional long-term meditation practice – A systematic review

Christian Jarrett  ( @Psych_Writer ) é editor do  BPS Research Digest.


DEIXA O LIKE AÍ COMO REFORÇO POSITIVO PRA GENTE :D

CURTE E COMPARTILHA E VAMOS LEVAR A PSICOLOGIA AOS CONFINS DO UNIVERSO! \o/\o/\o/\o/\o/






SEJA PSICOATIVO TAMBÉM E COMENTA AÍ

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.