Os 4 maiores arquétipos Junguianos

O psiquiatra e psicólogo suíço Carl Jung acreditava que os arquétipos são modelos de pessoas, comportamentos ou personalidades. Jung sugeriu que a psique era composta por três componentes: o ego, o inconsciente pessoal  e o inconsciente coletivo.

De acordo com Jung, o ego representa a mente consciente, enquanto o inconsciente pessoal contém lembranças, incluindo aquelas que foram suprimidas. O inconsciente coletivo é um componente único, e Jung acreditava que essa parte da psique serviu como uma forma de herança psicológica. Ela contém todo o conhecimento e experiências que compartilhamos como uma espécie.

Arquétipo Anima Jung

As Origens do Arquétipos

De onde é que esses arquétipos vêm então? O inconsciente coletivo, Jung acreditava, é onde existem esses arquétipos. Ele sugeriu que esses modelos são inatos, universais e hereditários. Os arquétipos são ignorantes e tem função de organizar como nós experimentamos algumas coisas.

“Todas as ideias mais poderosas da história voltam para arquétipos”, Jung explicou em seu livro A natureza da psique. “Isto é particularmente verdadeiro em ideias religiosas, mas os conceitos centrais da ciência, filosofia e ética não são exceção a esta regra. Na sua forma atual, eles são variantes de ideias arquetípicas criadas por conscientemente aplicar e adaptação destas ideias à realidade. É a função da consciência, não só reconhecer e assimilar o mundo externo através do portal dos sentidos, mas traduzir em realidade visível o mundo dentro de nós “.

Jung identificou quatro grandes arquétipos, mas também acreditava que não havia limite para o número que pode existir.

O Self

O Self é um arquétipo que representa a unificação da inconsciência e consciência de um indivíduo. A criação do self ocorre através de um processo conhecido como individuação, em que os vários aspectos da personalidade são integrados. Jung representou muitas vezes o self como um círculo, quadrado, ou mandala.

self - arquetipo jung

A sombra

sombra arquetipo junguianoA sombra é um arquétipo que consiste nos instintos de sexo e vida . A sombra existe como parte da mente inconsciente e é composta de ideias reprimidas, fraquezas, desejos, instintos e deficiências.

Este arquétipo é frequentemente descrito como o lado mais sombrio da psique, o que representa selvageria, caos, e desconhecido. Estas disposições latentes estão presentes em todos nós, Jung acreditava, e embora as pessoas às vezes neguem esse elemento de sua própria psique, podem projetá-lo nos outros.

Jung sugeriu que a sombra pode aparecer em sonhos ou visões e pode tomar uma variedade de formas. Ela pode aparecer como uma cobra, um monstro, um demônio, um dragão, ou alguma outra figura obscura, selvagem ou exótica.

arquétipo anima animusAnima ou Animus


A anima
é uma imagem feminina na psique masculina, e o animus é uma imagem masculina na psique feminina. O anima / animus representa o “verdadeiro self” e não a imagem que apresenta aos outros, e serve como a principal fonte de comunicação com o inconsciente coletivo.

A combinação da anima e animus é conhecida como o syzygy ou o casal divino. O syzygy representa a conclusão, unificação e integridade.

A Persona

A persona é a forma como nos apresentamos ao mundo. A palavra “persona” é derivada de uma palavra latina que significa literalmente “máscara”. Não é uma máscara literal, no entanto. A persona representa todas as diferentes máscaras sociais que vestimos entre os vários grupos e situações. Ela atua para proteger o self de imagens negativas. De acordo com Jung, o arquétipo persona pode aparecer em sonhos e ter um número grande de diferentes formas.

persona arquetipo junguiano

Outros Arquétipos

Jung sugeriu que o número de arquétipos existentes não é fixo ou estático. Em vez disso, diversos arquétipos diferentes podem sobrepor-se ou combinar-se em qualquer dado momento. A seguir, estão apenas alguns dos vários arquétipos que Jung descreveu:

  • O pai: figura de autoridade; poderoso.
  • A mãe: Nutrição; reconfortante.
  • A criança: Saudade de inocência; Renascimento; salvação.
  • O velho sábio: Orientação; conhecimento; sabedoria.
  • O herói: Campeão; defensor; salvador.
  • A donzela: Inocência; desejo; pureza.
  • O malandro: Enganador; mentiroso; encrenqueiro.

Referências:

Jung, C.G. (1951). “Phenomenology of the Self.” The Portable Jung, 147.

Jung, C.G. (1964). Man and His Symbols. New York; Doubleday and Company, Inc.

Por Kendra Cherry




DEIXA O LIKE AÍ COMO REFORÇO POSITIVO PRA GENTE :D CURTE E COMPARTILHA E VAMOS LEVAR A PSICOLOGIA AOS CONFINS DO UNIVERSO! \o/\o/\o/\o/\o/


🔴 COMENTA AÍ

Um comentário em “Os 4 maiores arquétipos Junguianos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.