O que é Efeito Halo na Psicologia?

Efeito Halo

O efeito halo, efeito aura ou efeito auréola, é um tipo de viés cognitivo em que a nossa impressão geral de uma pessoa influencia a forma como nos sentimos e pensamos sobre o seu personagem. Essencialmente, a sua impressão geral de uma pessoa (“Ele é boa!”) afeta suas avaliações de características específicas dessa pessoa (“Ela também é inteligente!”).

Um grande exemplo do efeito de halo em ação é a nossa impressão geral de celebridades.

Desde que nós percebemos pessoas famosas como atraentes, bem sucedidas e simpáticas, muitas vezes nós também tendemos a vê-las como inteligentes, gentis e engraçadas.

Efeito Halo - Mulher com aureola
Efeito Halo – A ideia do “se é bonito é bom”

Definições do Efeito Halo

“Também conhecido como o ‘estereótipo de atratividade física’ ou ‘princípio de o que é bonito é bom’, o efeito halo, no nível mais específico, refere-se à tendência habitual das pessoas para avaliar indivíduos atraentes mais favoravelmente em seus traços de personalidade ou características do que aqueles que são menos atraentes. Efeito halo também é usado em um sentido mais geral para descrever o impacto global da personalidade agradável, ou alguma característica desejável específica, na criação de julgamentos tendenciosos da pessoa alvo em qualquer dimensão. Assim, sentimentos geralmente superam cognições quando a questão é avaliar os outros. ”

Tradução livre de (Standing, L. G., in The SAGE Encyclopedia of Social Science Research Methods, Volume 1, 2004)

___________________________________________________________________

Em um estudo feito em 1915 com funcionários de duas grandes empresas industriais, verificou-se que a aparência do mesmo homem era correlacionada à um número de diferentes de características como a inteligência, habilidade técnica, confiabilidade, etc. Classificações aparentemente foram afetadas por uma marcada tendência de pensar na pessoa em geral como bastante boa ou inferior para inferir os julgamentos das qualidades por este sentimento geral. Este mesmo erro constantemente inunda classificações de características especiais, como um halo ou auréola pertencente ao indivíduo como um todo apareceu nas avaliações de oficiais feitas por seus superiores no Exército. ”

Tradução livre de (Thorndike, E. L., “A Constant Error in Psychological Ratings,” 1920)

A História do Efeito Halo / Efeito Aura / Efeito Auréola

O psicólogo Edward Thorndike primeiro cunhou o termo em um artigo de 1920 intitulado “The Constant Error in Psychological Ratings.” (“O erro constante em avaliações psicológicas”) .No experimento descrito no documento, Thorndike perguntou à oficiais comandantes no exército para avaliar uma variedade de qualidades em seus soldados subordinados.Estas características incluíam coisas como liderança, aparência física, inteligência, lealdade e confiabilidade.

O objetivo de Thorndike foi determinar como as avaliações de uma qualidade influenciariam sobre avaliações das outras características. Ele descobriu que os altos índices de uma qualidade particular eram correlacionada com altos índices de outras características, enquanto avaliações negativas de uma qualidade específica também levaram a classificações mais baixas de outras características.

“The correlations were too high and too even”, escreveu Thorndike” Por exemplo, para os três avaliadores:

  • correlação média de físico com inteligência é 0,31
  •  físico com  liderança, 0,39
  • físico com temperamento, 0,28

Então, por que nossas impressões gerais de uma pessoa criam esta auréola que influencia nossas avaliações de traços específicos?

Pesquisadores descobriram que a atratividade é um fator que pode desempenhar um papel. Vários estudos descobriram que, quando avaliamos pessoas como possuidoras de boa aparência, também tendemos à acreditar que elas têm traços de personalidade positivos e que elas são mais inteligentes. Um estudo ainda descobriu que os jurados eram menos propensos a acreditar que as pessoas atraentes eram culpadas de comportamento criminoso.

No entanto, esse estereótipo de atração também pode ser uma faca de dois gumes. Outros estudos descobriram que, enquanto as pessoas estão mais propensas a atribuir uma série de qualidades positivas para as pessoas atraentes, elas também são mais propensos a acreditar que indivíduos com boa aparência são fúteis, desonestos, e propensos a usar a sua atratividade para manipular os outros.

Observações

  • “Na sala de aula, os professores estão sujeitos ao erro de classificação pelo efeito halo ao avaliar seus alunos. Por exemplo, um professor que vê um aluno bem-comportado pode tender a assumir que esse estudante também é brilhante, diligente e compromissado antes que o professor tenha objetivamente avaliado a capacidade do aluno nestas áreas. Quando ocorrem esses tipos de efeitos halo, eles podem afetar ‘índices de aprovação em determinadas áreas do funcionamento e podem até mesmo afetar as notas dos alunos.
    “(Rasmussen, Encyclopedia of Educational Psychology, Volume 1, 2008)
  • “No ambiente de trabalho, o efeito halo é mais provável a mostrar-se na avaliação de um supervisor do desempenho do trabalho de um subordinado. Na verdade, o efeito halo é provavelmente o viés mais comum na avaliação de desempenho. Pense sobre o que acontece quando um supervisor avalia a desempenho de um subordinado. O supervisor pode dar destaque a uma única característica do trabalhador, tal como entusiasmo, e permitir que toda a avaliação a ser preenchida por ele seja feita com base na característica principal que ele julga que o funcionário tenha. Mesmo que ao empregado falte conhecimento ou capacidade para executar o trabalho com sucesso requisitado, se o trabalho do empregado mostra entusiasmo, o supervisor pode muito bem dar-lhe uma classificação de desempenho mais elevada do que é justificado pelo conhecimento ou habilidade.
    “(Schneider, FW, Gruman, JA, e Coutts , LM, Applied Social Psychology, 2012)

O Efeito Halo no Trabalho no Mundo Real

Como você leu acima, o efeito halo pode influenciar a forma como os professores tratam os alunos, mas também pode afetar o modo como os estudantes percebem professores. Em um estudo, os pesquisadores descobriram que, quando um instrutor era visto como caloroso e amigável, os alunos também avaliaram-no como mais atraente e simpático.

Os comerciantes aproveitam o efeito de halo para vender produtos e serviços. Quando uma celebridade é porta-voz de um item em particular, nossas avaliações positivas sobre o indivíduo podem se espalhar para as nossas percepções do próprio produto.

Candidatos a emprego também são propensos a sentir o impacto do efeito halo. Se um potencial empregador vê o requerente como atraente ou agradável, ele é mais propenso a ver também o indivíduo como inteligente, competente e qualificado.

Então, da próxima vez que você tentar fazer uma avaliação de outra pessoa, seja decidir em qual candidato político votar a favor ou qual filme ver em uma noite de sexta-feira, considere como suas impressões gerais de um indivíduo podem influenciar as suas avaliações de outras características. A sua impressão de um candidato ser um bom orador público pode levar você a sentir que ele também é inteligente, gentil e trabalhador? Pensar que um determinado ator é bonito também leva você a pensar que também é um ator convincente?

Estar ciente do efeito halo, no entanto, não torna mais fácil evitar sua influência sobre nossas percepções e decisões.

_________________________________________________________________

Autor: Kendra Cherry

Referências

Dion, K., Berscheid, E., & Walster, E. (1972). What is beautiful is good. Journal of Personality and Social Psychology, 24 (3), 285–90. doi:10.1037/h0033731

Efran, M. G. (1974). The effect of physical appearance on the judgment of guilt, interpersonal attraction, and severity of recommended punishment in simulated jury task. Journal of Research in Personality, 8, 45–54.

Landy, D., & Sigall, H. (1974). Task evaluation as a function of the performers’ physical attractiveness. Journal of Personality and Social Psychology, 29(3), 299–304.

Rasmussen, K. (2008). Halo Effect. In N. J. Salkind & K. Rasmussen (Eds.), Encyclopedia of Educational Psychology, Volume 1. Thousand Oaks, CA: Sage Publications, Inc.

Schneider, F.W., Gruman, J. A., & Coutts, L. M. (2012). Applied Social Psychology: Understanding and Addressing Social and Practical Problems. London: SAGE Publications, Inc.

Standing, L. G. (2004). Halo Effect. In M. S. Lewis-Black, A. Bryman, & T. F. Liao (Eds.), The SAGE Encyclopedia of Social Science Research Methods, Volume 1. Thousand Oaks, CA: SAGE Publications, Inc.

Thorndike, E. L. (1920). The Constant Error in Psychological Ratings. Journal of Applied Psychology, 4, 25-29.

 




DEIXA O LIKE AÍ COMO REFORÇO POSITIVO PRA GENTE :D CURTE E COMPARTILHA E VAMOS LEVAR A PSICOLOGIA AOS CONFINS DO UNIVERSO! \o/\o/\o/\o/\o/


🔴 COMENTA AÍ

Um comentário em “O que é Efeito Halo na Psicologia?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.