As principais influências de Darwin na Psicologia

Quais as principais influências de Darwin para a Psicologia?

Charles Robert Darwin by John Collier
Via Wikipedia Commons

Saiba sobre as contribuições da teoria da evolução e sobre os impactos do darwinismo na psicologia.

A contribuição mais significativa de Darwin para a psicologia foi a teoria da evolução.

A teoria da evolução de Darwin promoveu na psicologia dos Estados Unidos uma forma de pensar que resultou no Funcionalismo – uma escola de pensamento famosa na história da psicologia.

O Funcionalismo tinha como interesse o estudo de como comportamentos e processos mentais humanos serviam à adaptação do ser humano ao ambiente. Exemplos:

  • A função adaptativa da consciência seria a avaliação e a resolução de situações-problema.
  • A função adaptativa dos hábitos seria permitir que a consciência se concentre em problemas não-resolvidos.

A teoria da evolução de Darwin influenciou a história da psicologia diretamente em dois aspectos:

  • A ideia da existência de uma continuidade entre os processos mentais da espécie humana e de outras espécies provocou um aumento no interesse pela psicologia comparada. A psicologia comparada estuda as diferenças e semelhanças entre todas as espécies de animais.
  • A ênfase na variação individual influenciou o estudo das diferenças individuais, que levou à utilização de testes de inteligência e personalidade para a mensuração das diferenças entre os indivíduos.

Influência de Darwin na Psicanálise

A teoria de Darwin influenciou o pensamento de Sigmund Freud, o pai da psicanálise, em relação à importância da motivação sexual no comportamento humano. Freud dá grande importância à sexualidade em sua teoria.

A Psicologia comparada

Charles Darwin escreveu um livro sobre as emoções, e pode ser considerado um dos primeiros psicólogos comparatistas.

A mais importante contribuição direta de Darwin à história da psicologia é A expressão das emoções nos homens e nos animais (1872). O motivo é que esse livro foi a primeira tentativa de estudar cientificamente a expressão das emoções.

Darwin sugeriu como método para o estudo das emoções usar como sujeitos os loucos e as crianças, pois neles a expressão de emoções como alegria, medo e raiva não estaria inibida como nos adultos normais.

Outro método proposto por ele foi a galvanização. A intenção era identificar os músculos envolvidos na expressão de cada emoção, utilizando eletrodos.

Charles Darwin também foi o primeiro a conduzir um estudo transcultural de expressões emocionais, que analisou expressões faciais em diversas culturas em todas as partes do planeta.

A partir do estudo das expressões de emoções em animais, Darwin elaborou uma teoria sobre a origem dessas expressões.

Uma tema presente em todo o livro A expressão das emoções nos homens e nos animais é o da universalidade da expressão emocional. Em todo o mundo, as expressões das emoções básicas são iguais. Um sorriso tem o mesmo significado em qualquer parte do planeta.

A consequência do conhecimento dessa universalidade das expressões emocionais é considerá-las instintivas. Desse modo, precisamos entender a evolução da espécie humana para entender seu comportamento emocional.

Com as obras A expressão das emoções nos homens e nos animais e
A Descendência do Homem e Seleção em Relação ao Sexo, Darwin deixou claro o compartilhamento de certos traços entre humanos e outros animais. Além disso, apontou a existência de continuidade entre processos mentais e emocionais, o que influenciou outros naturalistas, como George Romanes (considerado o fundador da psicologia comparada) e Lloyd Morgan.

A Psicologia Comparada nos EUA

Em meados da década de 1890 foi criado um laboratório animal na Clark University, comandado por Edmund Sanford, Linus Kline e Williard Small. Eles estabeleceram a aprendizagem em labirinto – uma das mais duráveis metodologias da psicologia. Edward Thorndike também trabalhou com a aprendizagem em labirintos, principalmente com gatos.

Diferenças individuais

O estudo sistemático das diferenças individuais na psicologia teve passou por uma porta aberta por Darwin: a noção de que cada membro de uma espécie era diferente dos outros. Esta ideia é um dos pilares da teoria de Darwin, já que as diferenças individuais eram fundamentais para a evolução (adaptação).

A tradição da pesquisa das diferenças individuais na psicologia teve como dois de seus frutos os testes de personalidade e os testes de inteligência (como o teste de QI).

A maior contribuição para o início do estudo das diferenças individuais foi de Francis Galton, um primo distante de Charles Darwin. Galton foi o primeiro a utilizar o método da enquete e o estudo com gêmeos, e foi o inventor do teste de associação de palavras.

Resumo e considerações finais

Quais os principais pontos de influência de Darwin na Psicologia?

A influência da Darwin sobre o estudo das diferenças individuais se deu pela observação do biólogo das variações de indivíduos dentro da mesma espécie.

A influência de Darwin na psicologia comparada diz respeito ao seu estudo sobre a continuidade evolutiva entre as espécies (incluindo o ser humano no jogo).

O pensamento evolucionista deu origem ao Funcionalismo – escola da Psicologia que estudava processos mentais e comportamentos buscando entender a adaptação do organismo ao ambiente.

Charles Darwin naturalizou a mente. A partir disso ela passou a ser vista em termos de sobrevivência e adaptação de um animal ao meio ambiente.

A busca de forma mais enfática pela explicação do comportamento humano a partir da evolução deu origem à psicologia evolucionista.


Referências:

Goodwin, C. James. História da psicologia moderna – 4ª ed. – São paulo: Cultrix, 2010.


Quer ler o site sem anúncios + conteúdo exclusivo?
☆ Assine o Psicoativo Premium





Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.