Excitação exerce influência inconsciente sobre a confiança no que vemos

POR 

Um novo estudo descobre que sutis aumentos inconscientes na excitação – indicados por um batimento cardíaco rápido e pupilas dilatadas – moldam a nossa confiança em experiências visuais.

excitacao-olhos-azuis

Leia também: O inconsciente na teoria de Freud.


O estudo, publicado na eLife , investigou o efeito da excitação inconsciente sobre a forma como os participantes se sentiam confiantes sobre o que estavam vendo quando completavam uma tarefa simples.

“Normalmente, quando vemos algo, temos não só esclarecimentos sobre o que é que nós vimos, mas também como claramente vimos isso”, explica o autor Micah Allen (UCL Institute of Neurology). “Se a imagem é obscurecida, nosso sentimento de confiança no que temos visto é menor. Esta capacidade de avaliar com precisão as nossas próprias experiências é uma parte importante da nossa vida cotidiana. Para explicar essa capacidade, as pesquisas tem sugerido anteriormente que o cérebro funciona um pouco como um cientista ou estatístico, fazendo a avaliação da qualidade das nossas experiências para informar quão confiante nos sentimos. Nosso estudo desafia essa visão e, ao invés, encontra que essa confiança está intimamente relacionada com estados inconscientes de excitação fisiológica “.

No estudo, os pesquisadores pediram a 29 voluntários para ver uma nuvem de pontos se movendo em uma tela, decidir se os pontos se deslocavam para a esquerda ou para a direita, e avaliar a sua confiança na presente decisão. Sem o conhecimento dos voluntários, em alguns ensaios uma imagem surpreendente de uma cara de nojo apareceu muito brevemente para ser percebido conscientemente, fazendo com que a sua frequência cardíaca e dilatação da pupila aumentasse. Embora a confiança dos voluntários foi reduzida quando os pontos eram mais ‘barulhentos’ e mais difíceis de detectar, este efeito foi contrabalançado pelo aumento da excitação.

“Nossos resultados sugerem que sutis alterações inconscientes no estado fisiológico de nossos corpos impactam a forma como percebemos a incerteza “, disse o principal autor Micah Allen (UCL Institute of Neurology).

O Coautor e Professor Geraint Rees (Dean, UCL Faculty of Life Sciences), acrescentou: “Como distúrbios como depressão e ansiedade podem ser ligados a estados alterados de excitação, nossas descobertas levantam a possibilidade de que os pacientes que sofrem destas condições podem perceber um mundo irrealisticamente certo ou incerto”.


Via Psypost


Quer ler o site sem anúncios + conteúdo exclusivo?
☆ Assine o Psicoativo Premium


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.