A teoria da Agressão Frustração

A teoria da agressão frustração é uma teoria psicológica que defende que a agressão é causada pelo bloqueio ou frustração dos esforços de uma pessoa para alcançar um objetivo. A teoria tem sua origem em uma hipótese de 1939 e no estudo de Dollar, Doob, Miller, Mower e Sears.


homem-bravo-nervoso-agressivo

De acordo com a teoria da agressão frustração, a frustração aumenta a probabilidade de agressão. A Appalachian State University registra que os proponentes originais da teoria definiram frustração como “o estado que emerge quando as circunstâncias interferem com uma resposta objetivo.” Pesquisas posteriores descobriram que a frustração é mais suscetível de conduzir à agressão quando o indivíduo frustrado acredita que o comportamento agressivo irá reduzir a sua frustração.

No experimento de 1939, que serve como base para a teoria da agressão frustração, os participantes foram convidados a criar um padrão de origami específico com as instruções que só deviam ser repetidas uma vez. Durante o experimento, um cúmplice interrompeu as instruções, pedindo ao experimentador para ir mais devagar. No grupo da frustração injustificada, o experimentador se recusou a abrandar devido a um compromisso pendente com um namorado ou namorada. O experimentador no grupo justificado também se recusou a abrandar, mas atribuiu sua recusa a disponibilidade limitada da sala de experiência.

Os experimentadores mediram o nível de agressividade dos sujeitos, solicitando-lhes para responder a um questionário que supostamente determinava se o experimentador iria receber recursos adicionais ou seria reprovado. O grupo da frustração injustificada apresentou maior agressividade que os grupos de frustração justificada e de controle, confirmando a hipótese da agressão por frustração.



Quer ler o site sem anúncios + conteúdo exclusivo?
☆ Assine o Psicoativo Premium





Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.