9 dos mitos mais amplamente aceitos em Psicologia

Em certo sentido, somos todos psicólogos amadores – nós temos nossa própria experiência de primeira mão em ser humano, e nós passamos anos observando como nós e os outros se comportam em diferentes situações. Este é o combustível da intuição de uma “psicologia popular” que às vezes se sobrepõe com os achados da psicologia científica, mas muitas vezes não o faz. Algumas intuições psicológicas errôneas são particularmente aceitas entre o público e são teimosamente persistentes. Este post é sobre 10 desses mitos ou equívocos. É importante contestar esses mitos, não só para definir o caminho mais adequado, mas também porque a sua existência pode contribuir para o estigma, estereótipos e um senso comum mal informado.


mitos - gato unicornio

1. Nós aprendemos de forma mais eficaz quando ensinados através do nosso “estilo de aprendizagem” preferido. Esta é a ideia de que cada um de nós aprende melhor quando somos ensinados através de nossa própria modalidade favorecida, como através de materiais visuais, ouvindo ou fazendo. Uma pesquisa recente de professores britânicos descobriu que mais de 96% acreditaram neste princípio. De fato, pesquisas em psicologia mostram consistentemente que as pessoas não aprendem melhor quando ensinadas através de sua modalidade preferida, e que ao invés disso, a modalidade mais eficaz para o ensino geralmente varia de acordo com a natureza do material em estudo. Há também questões em torno de definir os estilos de aprendizagem e como medi-los. Escalas mais publicadas para medir estilos de aprendizagem não são confiáveis (produzem resultados diferentes em cada teste), e elas muitas vezes não conseguem se correlacionar com o desempenho de aprendizagem real das pessoas.

2. A memória humana é como uma gravação do que aconteceu. A metáfora da memória como uma gravação é inadequada porque implica um nível irreal de precisão e permanência. Nossas memórias realmente representam uma versão distorcida do que aconteceu, e elas mudam ao longo do tempo. E ainda um levantamento de cerca de 2000 pessoas de há alguns anos atrás descobriu que 63% das pessoas acreditava que a “memória funciona como uma câmera de vídeo”. Este equívoco impulsiona equívocos relacionados, por exemplo, em torno da confiabilidade de testemunho ocular. Por exemplo, muitos juízes e policiais acreditam na confiabilidade da precisão da memória da testemunha, apesar de pesquisas em psicologia mostrarem que a confiança e precisão não são correlacionadas ou apenas fracamente correlacionadas.

3. Criminosos violentos geralmente têm um diagnóstico de doença mental. Quando as pessoas com problemas de saúde mental cometem crimes violentos, a mídia tem um interesse desproporcionado. Não é de admirar que as pesquisas mostram que a maioria da população acredita que as pessoas com doença mental são inerentemente violentas. Na verdade, como Scott Lilienfeld e seus colegas explicam nos 50 Great Myths of Popular Psychology (50 Grandes Mitos da Psicologia Popular), a evidência sugere que pelo menos 90% das pessoas com doença mental não cometem atos violentos, e a esmagadora maioria dos criminosos violentos não são doentes mentais . Alguns pacientes com condições específicas (tais como alucinações baseadas em comandos “dizendo-lhes” para cometer atos) estão em maior risco, mas atos reais de violência são raros. Uma meta-análise a partir de 2011 concluiu que os 35.000 pacientes de alto risco com diagnóstico da esquizofrenia teriam de ser permanentemente observados ou encarcerados para prevenir um assassinato de um estranho por um paciente.

4. Multidões tornam as pessoas estúpidas e perigosas.

Depois de uma emergência em massa, é típico relatórios descrevendo a multidão como “debandada” em pânico cego. Há uma implicação de que quando estamos em um grande grupo, perdemos os nossos sentidos e é cada um por si. Essa caracterização é refutada pela pesquisa em psicologia sobre o comportamento da multidão que mostra que o pânico é raro e as pessoas frequentemente param para ajudar uma a outra. A cooperação é particularmente provável quando as pessoas tem um sentimento comum de identidade. O psicólogo John Drury fez esta constatação baseada em parte em suas entrevistas com as pessoas envolvidas em situações de emergência da vida real, como a superlotação, que ocorreu em um concerto do Fatboy Slim na praia de Brighton em 2002. Drury e seus colegas argumentam que isso tem implicações para o tratamento das autoridades para situações de emergência: “Multidões em situações de emergência podem ser confiáveis para se comportar de formas mais sociais do que anteriormente esperado por alguns envolvidos no planejamento de emergência”, escreveram eles.

5. O autismo é causado por neurônios-espelho “quebrados”  (e inúmeros outros mitos sobre autismo). Em 2011, o famoso neurocientista californiano VS. Ramachandran afirmou que “a principal causa do autismo é um sistema de neurônios-espelho perturbado”. Os neurônios-espelho são células que respondem quando realizamos uma ação ou vemos alguém realizando essa ação. A hipótese do “espelho quebrado” causar autismo é uma ideia que atrai muita cobertura e é frequentemente reciclada por escritores de ciência popular (por exemplo, no Daily Mail , Rita Carer disse que “as pessoas autistas muitas vezes não têm empatia e mostram menos atividade de neurônios-espelho”). No entanto, uma revisão publicada em 2013 de 25 estudos relevantes não encontrou nenhuma evidência para apoiar as hipóteses, e neste mês outro estudo forneceu ainda mais contra evidências. Este é apenas um equívoco sobre autismo – os outros são de que ele é causado por vacinas e que todos com autismo tem um dom raro .

6. O Experimento da Prisão de Stanford mostra como a situação errada pode tornar qualquer pessoa ruim. Em um dos estudos mais infames da psicologia, o Experimento da Prisão de Stanford  foi realizado em 1971, os participantes envolvidos eram alocados para o papel de prisioneiros ou guardas, e o experimento teve que ser abortado quando os guardas se tornaram abusivos. Philip Zimbardo que liderou o estudo, disse que ele mostrou como certas dinâmicas situacionais podem tornar qualquer um de nós ruim, e esse meme de “cestos ruins” em vez de “maçãs podres” entrou na consciência pública. Zimbardo mesmo agiu como perito para a defesa no julgamento da vida real de um dos guardas abusivas em Abu Ghraib. Mas a experiência de Stanford foi altamente falha e tem sido mal interpretada. Pesquisas posteriores, como o Experimento da prisão da BBC, mostrou como a mesma situação pode levar a um comportamento cooperativo em vez de tirania, dependendo de como diferentes pessoas se identificam com as outras. Infelizmente, muitos livros de psicologia modernos continuam a espalhar uma história simplista e acrítica do Experimento de Stanford.

7. A esmagadora maioria dos atos de violência doméstica é cometida por homens

Uma pesquisa britânica publicada em 2014 revelou que mais de 65% acreditava que era provável ou definitivamente verdade que a violência doméstica é esmagadoramente cometida por homens. É fácil entender por que – sendo maior e mais forte, em média, os homens são vistos como mais ameaçadores. No entanto, as estatísticas oficiais (citadas por Scarduzio et al) mostram que a violência contra os homens por mulheres é também um grande problema. Por exemplo,  The National Intimate Partner and Sexual Violence Survey nos EUA constatou que um em cada quatro homens já sofreram violência física, estupro e / ou perseguição de um parceiro (em comparação com uma em cada três mulheres) e que 83% da violência infligida em homens por parceiros foi feita por mulheres. Isto não é para diminuir a gravidade ou a escala do problema do abuso por homens em relação às mulheres, mas para reconhecer que há também uma significativa, mas menos conhecida, estatística de mulheres sendo violentas para com os homens.

8.Programação Neurolinguística é científica. É verdade que uma minoria de psicólogos são treinados em programação neurolinguística (PNL) e defendem o seu uso, mas é um erro grave pensar que a PNL é baseada em descobertas científicas em psicologia ou neurociência. Na verdade, o sistema – que normalmente é comercializado uma maneira de alcançar maior sucesso pessoal – foi desenvolvido por dois gurus de auto-ajuda na década de 1970 que simplesmente fizeram os seus próprios princípios psicológicos depois de assistir psicoterapeutas que trabalharam com seus clientes. A PNL é cheia de falsas afirmações que soam científicas, como a de que cada um de nós tem um “sistema representacional” preferido para pensar sobre o mundo, e que a melhor maneira de influenciar alguém é espelhar o seu sistema preferido. A maioria das reivindicações feitas em programas de PNL é besteira. Em muitos contextos, isto pode ser inofensivo, mas em 2013 uma instituição de caridade foi criticada por oferecer terapia baseada em PNL para veteranos de guerra traumatizados.

9. A doença mental é causada por um desequilíbrio químico no cérebro.

Um levantamento nos EUA de alguns anos atrás descobriu que mais de 80% das pessoas acreditava que a doença mental é causada por um desequilíbrio químico no cérebro. Na verdade, pergunte a qualquer psiquiatra ou neurologista, e se ele for honesto vai dizer que ninguém sabe o que “o equilíbrio correto” de produtos químicos no cérebro deve ser. Parte do apoio à ideia de desequilíbrio vem do fato de que o medicamento antidepressivo altera os níveis de neurotransmissores no cérebro, mas não significa que um desequilíbrio químico causa os problemas, em primeiro lugar (não mais do que uma dor de cabeça é causada por falta de paracetamol). O mito é realmente endossado por muitas pessoas com problemas de saúde mental e por alguns ativistas de saúde mental, em parte porque acreditam que isso dá uma legitimidade médica para condições como depressão e ansiedade. No entanto, a pesquisa mostrou que as considerações biológicas da doença mental (incluindo a teoria de desequilíbrio químico) podem aumentar o estigma, por exemplo -, incentivando a ideia de que problemas de saúde mental são permanentes.


Por Christian Jarrett (@psych_writer) para o BPS Research Digest.


Quer ler o site sem anúncios + conteúdo exclusivo?
☆ Assine o Psicoativo Premium


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.