Por que os seres humanos se tornaram monogâmicos?

Dado que a monogamia não é “natural” para os seres humanos, por que é atualmente é tão difundida?

(Nota: o fato de que a monogamia não é natural não significa que não é possível ou mesmo desejável)


poligamia

Por enquanto, quero me concentrar sobre o porquê de a monogamia ter se tornado tão popular, pelo menos no mundo ocidental moderno, e, pelo menos em teoria, se não sempre na prática.

Embora a monogamia seja extremamente rara no mundo animal, ela é encontrada em alguns casos, e quase sempre, a recompensa parece estar associada com a vantagem adaptativa da assistência à infância biparental, algo que o Homo sapiens acha especialmente benéfico, uma vez que nossos filhos são profundamente impotentes ao nascimento, permanecendo necessitados por um tempo extraordinariamente longo. Também não é absolutamente necessário que os adultos que cooperam sejam homem e mulher; sabemos a partir de dados sociológicos abundantes de que duas mulheres ou dois homens podem fazer um excelente trabalho, e que, quando se trata de criação de filhos, dois – de qualquer sexo – são melhores do que um. Mas também sabemos que, antes da homogeneização cultural que se seguiu ao colonialismo europeu, mais de 83% das sociedades humanas eram preferencialmente poligâmicas, e que a poligamia também foi destaque no antigo Oriente Médio.

Então, minha pergunta agora é: por que um grande segmento da sociedade humana passou da poligamia para a monogamia? E a minha primeira resposta é: no momento, não sabemos. Minha segunda resposta é um palpite, que é o seguinte. (Proponho-lo simplesmente como uma hipótese, na esperança de que os leitores não só vão achar interessante, mas também útil para gerar discussão informada e, se possível, pesquisa significativa.)

Imagine uma sociedade poligâmica com um tamanho médio de harém de, digamos, dez pessoas. Isto significa que, para cada chefe de harém do sexo masculino, há nove mulheres sozinhas, ressentidas, sexualmente e reprodutivamente frustradas. A realidade simplesmente é que a poligamia é desvantajosa, não só para as mulheres – por razões complexas – mas ainda mais para os homens, uma vez que com uma proporção de sexo de 50/50 , há homens não acasalando. Isso, aliás, contraria as imaginações lascivas de muitos homens, que, quando se descreve a evidência para a poligamia humana primitiva, muitas vezes lamentam que eles não estavam vivos naqueles dias, imaginando que seria um titular de harém feliz. É realmente bastante cômico, análogo aos charlatães que alegam se lembrar de suas vidas passadas, quando eram Napoleão, ou Tutancâmon, ou talvez Cleópatra ou Catarina, a Grande … enquanto que a probabilidade estatística esmagadora é que teriam sido algum pobre simplório que congelou até à morte na estepe russa, ou um trabalhador igualmente desconhecido que se esforçou para construir uma pirâmide.

Em suma, além dos seus benefícios quando se trata de criação de filhos, a monogamia é uma grande instituição democratizante, permitindo que os homens tenham uma esposa e uma chance de uma família, a grande maioria dos quais de outra forma seriam deixados de fora.


David P. Barash é um biólogo evolucionista e professor de psicologia da Universidade de Washington; Seu livro mais recente é  Out of Eden: surprising consequences of polygamy (2016, Oxford University Press). 

Este artigo foi publicado originalmente na revista History News Network

Via Psypost


Quer ler o site sem anúncios + conteúdo exclusivo?
☆ Assine o Psicoativo Premium





Um comentário em “Por que os seres humanos se tornaram monogâmicos?

  • 10/05/2017 em 03:15
    Permalink

    Achei a teoria ruim, pois parte do princípio de que a poligamia só funcionaria na forma de harém, quando, na verdade, a poligamia permite diversos tipos diferentes de organização.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.