Transferência na Psicanálise de Freud

Transferência: Definição na Psicanálise de Freud

Transferência na Psicanálise de FreudA transferência foi identificada por Sigmund Freud, quando ele percebeu que seus pacientes muitas vezes pareciam sentir amor por ele – incluindo os homens. Felizmente, ele percebeu que isso era causado por algo diferente de sua personalidade magnética …


A transferência ocorre quando uma pessoa toma as percepções e expectativas de uma pessoa e projeta-as em outra pessoa. Ela, então, interage com a outra pessoa como se a outra pessoa fosse o padrão transferido.

No caminho nós tendemos a nos tornarmos a pessoa que outros assumem que somos, e a pessoa que tem padrões transferidos para ela pode colaborar e jogar o jogo, especialmente se a transferência lhe dá poder ou faz sentir bem, de alguma forma.

Normalmente, o padrão projetado sobre a outra pessoa vem de um relacionamento de infância. Pode ser a partir de uma pessoa real, uma tal matriz, ou uma figura idealizada ou protótipo. Isso transfere o poder e também expectativa. Se você me trata como um pai, eu posso te dizer o que fazer, mas você também vai esperar que eu te ame e cuide de você. Isto pode ter resultados positivos e negativos.

Tipos de transferência na Psicanálise

Transferência paterna

Quando criamos a transferência paterna, voltamo-nos a outra pessoa como nosso pai ou uma figura paterna idealizada.

  • Pais são poderosos, autoritários e sábios.
  • Eles nos protegem e nos dizem o que fazer.
  • Eles sabem muitas coisas.
  • Fornecem uma sensação de controle em nossas vidas.
  • Fazem-nos sentir seguros.

Nós muitas vezes transferimos como uma criança de quatro ou cinco anos, quando o pai “sabe mais” e o padrão é de confiança e respeito. Quando nós consideramos líderes de nível mais elevado (por exemplo, um CEO da empresa), a transferência pode ser como um bebê, onde o pai é distante, poderoso e protetor.

Gerentes do sexo masculino em empresas muitas vezes incentivam a transferência paternal ao assumir o manto e comportamentos dos pais clássicos. Eles assumem sabedoria. Eles falam com autoridade. Nos tranquilizam de que tudo ficará bem se fizermos como nos dizem.

Transferência materna

Nós desenvolvemos relacionamentos com nossas mães muito mais cedo.
Em nossos primeiros anos, em particular, as mães são a fonte de amor incondicional. Após a separação do nascimento, elas recriam a unidade, mantendo-nos e fazendo nos sentir como um. As mães também são a fonte de autoridade final, e a ameaça de separação é muito poderosa.

As mães aparecem nos mitos como a fada madrinha e também a bruxa má, e muitas vezes temos relações ambíguas com elas. Nós também podemos nos tornar edipianos em nosso desejo de ser o único foco de atenção de nossas mães.

→ Entenda o Complexo de Édipo

Transferência materna é, portanto, muitas vezes mais profunda, com elementos mais primitivos e emocionais do que transferência paterna. Gerentes mulheres  muitas vezes tem uma expectativa excessiva colocada sobre elas, que elas vão ‘alimentar’ a sua equipe, e em seguida, torna os ‘filhos’ desiludidos quando isso não acontece (daí a gerente torna-se uma bruxa).

Transferência de Irmãos

Quando os pais estão ausentes em nossa infância, podemos substituir estes com relacionamentos entre irmãos ou com os amigos. Este é um padrão cada vez mais significativo com rompimentos de famílias e quando mães passam longas horas no trabalho e estão muitas vezes longe da criança durante os críticos primeiros anos.

As pessoas com preferências para a transferência fraterna se saem bem em organizações baseadas em equipes horizontais, por não cair em comportamentos de busca de líder da transferência parental. Isso também pode levar a uma maior anarquia, já que ignoram os líderes e funcionam através de redes ao invés de precisar de uma hierarquia autoritária de controle.

Outras transferências

Nós também transferimos padrões não-familiares em outras pessoas. Na verdade, nós invariavelmente tratamos os outros não como eles são, mas como nós pensamos que eles são, e sempre pensamos em como eles deveriam ser. Assim formamos estereótipos e transferimos esses padrões para os outros.

Também existe a forma idealizada por protótipos – por exemplo: policiais, padres, médicos e professores – que projetamos em pessoas quando precisamos das funções apropriadas. Assim, quando uma pessoa é ferida na rua e outra para para ajudar, ela pode ter um padrão de médico transferido para ela.

Contratransferência ocorre quando uma pessoa que é um destinatário de uma atividade de transferência aceita isso e se envolve com o cliente em um nível emocional.


Quer ler o site sem anúncios + conteúdo exclusivo?
☆ Assine o Psicoativo Premium





Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.