O que é o amor? Um fenômeno biológico ou cultural?

Apesar do fato de que o amor é uma das principais emoções humanas (alguns diriam mesmo a mais importante), o amor tornou-se somente razoavelmente recentemente objeto da ciência. De acordo com Sigmund Freud (1910), o estudo do amor no passado foi deixado para “… o escritor criativo para descrever-nos as ‘condições necessárias para amar … Em consequência, torna-se inevitável que a ciência deveria preocupar-se com os mesmos materiais cujo tratamento por artistas deu prazer a humanidade há milhares de anos “.


Embora as pesquisas sobre este assunto tem crescido muito ao longo dos últimos 20 anos, as primeiras explorações sobre a natureza e as razões para o amor renderam críticas consideráveis. Durante a década de 1970, o senador William Proxmire criticou pesquisadores que estudavam amor e ridicularizou o trabalho como um desperdício de dólares dos contribuintes (Hatfield, 2001).

Desde aquela época, a pesquisa revelou a importância do amor no desenvolvimento da criança e saúde do adulto. Mas o que exatamente é o amor? Como psicólogos definem esse importante emoção?

De acordo com o psicólogo social Zick Rubin, o amor é caracterizado por três coisas diferentes:

  • apego
  • carinho
  • intimidade

Usando uma abordagem psicométrica, Rubin concebeu uma escala usada para avaliar os níveis de gostar e amar.

amor-biologico-social

Amor é biológico ou é um fenômeno cultural?

Visões biológicas de amor tendem a ver a emoção como uma unidade humana. Enquanto o amor é frequentemente visto como uma das emoções humanas básicas tais como raiva ou felicidade, alguns sugeriram que o amor é sim um fenômeno cultural que surge em parte devido a pressões sociais e expectativas.

Em um artigo, o psicólogo Lawrence Casler disse: “Eu não acredito que o amor é parte da natureza humana, nem por um minuto. Há pressões sociais no seu funcionamento.”

Se o amor fosse uma invenção puramente cultural, o amor simplesmente não iria existir em algumas culturas. No entanto, a pesquisa antropológica sugere que o amor é uma emoção universal. O amor é mais provavelmente influenciado por ambos – os impulsos biológicos e influências culturais. Enquanto hormônios e biologia são importantes, a nossa forma de expressar e experimentar esta emoção são influenciadas por nossas concepções pessoais de amor.

Fontes:
Gray, P. (1993, February 15). What is love? Time. Found online at http://www.time.com/time/magazine/article/0,9171,977763-1,00.html
Hatfield, E. (2001). Elaine Hatfield. In A. N. O’Connell (Ed.) Elaine Hatfield.Models of achievement: Reflections of eminent women in psychology, 3, 136-147.
Por Kendra Cherry


Quer ler o site sem anúncios + conteúdo exclusivo?
☆ Assine o Psicoativo Premium


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.