Teoria do conflito realístico

Teoria do conflito realístico (TCR) é um modelo social que tenta explicar por que o preconceito, os estereótipos negativos e discriminação são desenvolvidos para com os membros de outros grupos sociais. O nível socioeconômico, etnia e estilos de vida diferentes são muitas vezes exemplos de fatores que separam as pessoas em diferentes grupos.


TCR é uma teoria social que sugere que o conflito pode surgir entre diferentes grupos de pessoas que têm diferentes objetivos e estão competindo por recursos limitados. Quando dois ou mais grupos estão competindo por recursos limitados (a partir de escassez real ou percebida) sentimentos prejudiciais e estereótipos negativos podem evoluir em direção ao outro grupo.

Conflitos e atitudes negativas em relação a outros grupos podem ser reduzidos se os dois grupos têm um objetivo ordenado (meta mutuamente benéfica para ambos os grupos, em que ambos necessitam participar, a fim de atingir a meta).

A pesquisa da teoria do conflito realístico mais famosa ocorreu em 1950 com o Experimento da Caverna de Robber em Oklahoma. Dois grupos de jovens rapazes em um cenário de acampamento de verão estavam inicialmente sem saber um do outro, e os pesquisadores permitiram o desenvolvimento de amizade e normas dentro de cada grupo.

Durante a fase seguinte os grupos foram introduzidos uns aos outros e foi promovida a concorrência entre os dois. Depois de algum tempo as atitudes preconceituosas e estereótipos negativos foram sendo atribuídos a outro grupo e o comportamento sofrendo modificações, incluindo xingamentos e vandalismo.


Quer ler o site sem anúncios + conteúdo exclusivo?
☆ Assine o Psicoativo Premium


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.