Diferenças entre a Ética de Aristóteles e a Ética de Kant

Aristóteles propõe usar a mente de acordo com a virtude para viver uma vida feliz. Kant propõe razão prática, negar impulsos e desejos, para alcançar o bom estado da existência humana.

Aristóteles afirma que a felicidade não é prazer físico, mas harmonizar a mente com a virtude. O melhor para a maioria é a virtude. As partes intelectuais e emocionais da mente criam tipos intelectuais e morais da virtude. Esta virtude é expressa a partir da mente através da ação voluntária.

Aristóteles propõe escolher a “áurea” entre muita emoção e muita ação. Coragem é virtuosa quando se equilibra entre a covardia e temeridade, extravagância e indiferença. Justiça ocorre quando cada pessoa recebe o que merece. Qualquer desvio da média é injustiça.

Aristóteles afirma que uma vida de felicidade última e realização é uma vida de contemplação solitária. No entanto, ele sugere que este estado de ser não pode ser realizado por meros mortais. Ele argumenta que a maior felicidade pode ser alcançada seguindo os valores morais para viver uma vida agitada na política e esplendor público.

A filosofia moral de Kant propõe que a razão prática, de acordo com imperativos morais, deve conduzir ações corretas. Direito deve guiar a ação direita. Agir de acordo com o que se quer que seja lei universal é o “imperativo categórico” que deve orientar o comportamento. Os seres humanos são fins em vez dos meios para alcançar a vida mais feliz possível.

Explicando melhor…

Ética Aristotélica

É na sua Ética a Nicômaco que Aristóteles expõe a sua teoria ética: o seu conceito do que é, para os seres humanos, viver bem. Para Aristóteles, a finalidade ou causa final da existência humana é eudaimonia. Eudaimonia é mais comumente traduzida como ‘felicidade’, mas uma tradução mais precisa é ‘florescente’. Aristóteles acreditava que o desejo de viver uma vida plena é parte do que é ser humano. Uma vida eudaimonica é uma vida que é bem sucedida. É importante entender que o que Aristóteles entende por felicidade / ‘florescência’ não tem nada a ver com o prazer físico, mas é uma atividade da mente / alma de acordo com a virtude. (Para os gregos antigos, alma era sinônimo de espírito.)

Para Aristóteles, existem duas partes para a mente / alma: a intelectual e a emocional. Do mesmo modo, existem dois tipos de virtude: intelectuais e morais. Além disso, a virtude, seja intelectual ou moral, é uma disposição (a inclinação natural) da mente / alma, que encontra a sua expressão na ação voluntária – ou seja, ela é escolhido conscientemente.

Virtude moral se expressa na escolha da busca de um meio termo entre a emoção excessiva e deficiente, a ação exagerada ou ação inadequada: esta é a famosa “média de ouro”, que sustenta que cada virtude está em algum lugar entre dois vícios opostos. Assim, coragem ou firmeza é uma média entre covardia e precipitação; e moderação é a média entre dissoluções ou desregramento e insensibilidade. Justiça, ou ‘equidade’, a virtude mais importante das virtudes morais, também está preocupada com uma média no sentido de que visa que cada pessoa não fique nem com mais nem com menos do que o seu devido. No entanto, ela não é como as outras virtudes, ladeada por vícios opostos, uma vez que qualquer desvio envolve simplesmente injustiça.

A virtude moral impede a emoção desordenada de levar a uma ação inadequada. O que decide, em qualquer situação, qual é a ação apropriada e a quantidade correta de sentimento, é a virtude intelectual da prudência ou da sabedoria prática (phronesis): esta é a virtude dessa parte da razão que se ocupa da ação.

A virtude da parte especulativa da reação é aprender, ou sabedoria filosófica (Sophia): esta virtude encontra suas manifestações mais sublimes na contemplação mais ou menos solitária (theoria). Suprema felicidade, de acordo com Aristóteles, consistiria em uma vida de contemplação filosófica. No entanto, embora isso seria o máximo em realização humana, também é uma vida que está além da realização de meros mortais. O melhor a que podemos aspirar é o tipo de felicidade que pode ser encontrado em uma vida de atividade política e magnificência pública em conformidade com os valores morais.

Ética Kantiana

O central para a filosofia moral de Kant é a visão de que ações corretas são aquelas ações que não são instigadas por impulsos ou desejos, mas pela razão prática. A ação correta é certa se for empreendida por uma questão de cumprir o seu dever, e cumprir o dever significa agir de acordo com certas leis morais ou ‘imperativos’. Para nos ajudar a identificar aquelas leis que são moralmente obrigatórias, Kant forneceu-nos o cálculo final: o ‘imperativo categórico‘ que afirma ‘Aja apenas de acordo com a máxima que você pode querer que se torne uma lei universal’ . Para o imperativo categórico, Kant oferece um aditamento que se refere especificamente à vontade humana; ‘Assim, aja para que você use a humanidade, seja em sua própria pessoa ou na pessoa de outro, sempre como um fim, não apenas como um meio’.

Enquanto a filosofia moral de Kant pode ser dita tendo mérito considerável, na medida em que defende que os seres humanos devem ser tratados como fins em si mesmos, em vez de meios aos fins, uma crítica possível é a de que, como uma teoria ética, ela falha na medida em que olha para as pessoas não como seres sencientes, mas como autômatos do dever.




DEIXA O LIKE AÍ COMO REFORÇO POSITIVO PRA GENTE :D CURTE E COMPARTILHA E VAMOS LEVAR A PSICOLOGIA AOS CONFINS DO UNIVERSO! \o/\o/\o/\o/\o/


🔴 COMENTA AÍ

2 comentários em “Diferenças entre a Ética de Aristóteles e a Ética de Kant

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.