A Ilusão do “Eu sou moralmente superior e tenho menos preconceitos”…

Isso é realmente (com base em nova pesquisa) o que a maioria de nós pensa sobre nós mesmos. Isso é chamado de “better than average effect (Algo como “efeito melhor do que a média”) e é muito persistente.  Nós (persistentemente) nos consideramos melhores do que outros, e dois novos estudos enfatizam esse ponto.

O primeiro estudo (Tappin e McKay) recrutou 270 adultos e pediu-lhes que julgassem a conveniência de 30 traços de personalidade: “(…) quase todos os participantes se classificaram muito mais alto em caráter moral do que avaliam a pessoa média.”

No segundo estudo (Howell & Ratliff), os pesquisadores usaram dados do Project Implicit, site onde as pessoas fazem vários testes psicológicos que medem preconceitos inconscientes ou implícitos. Eles se concentraram em pessoas que fizeram testes envolvendo preconceitos de peso (estes são testes que perguntam o quanto você – e a pessoa média – preferem pessoas magras a pessoas gordas).

“Mais uma vez, os participantes se classificaram como menos preconceituosos contra pessoas gordas do que a pessoa média e quando recebiam feedback de que eram realmente tendenciosos contra pessoas gordas, eram defensivos. Quanto mais eles se classificaram como imparciais, mais defensivos sobre o feedback de polarização de gordura eles eram. Perguntaram então se eles achavam que o teste era válido – sem surpresa, eles não achavam que fosse válido, uma vez que contradiziam suas auto-avaliações.”

Douglas Keene comentou o seguinte: 

“O problema com essa crença de que somos melhores do que outros, tanto em termos de superioridade moral quanto em nossa crença de que somos menos preconceitos do que os outros (o que aparentemente todos compartilhamos) é que nos impede de nos avaliar honestamente. Portanto, somos impedidos de tomar medidas para combater os nossos próprios preconceitos (uma vez que não pensamos – ou não vamos admitir – que os temos). Normalmente, quando ouvimos informações sobre aqueles que são tendenciosos ou menos bons do que nós, presumimos que o orador está falando com “essas outras pessoas” e sintonizamos.”


Referências:

Tappin, B., & McKay, R. (2016). The Illusion of Moral Superiority Social Psychological and Personality Science DOI: 10.1177/1948550616673878

Howell JL, & Ratliff KA (2016). Not your average bigot: The better-than-average effect and defensive responding to Implicit Association Test feedback. The British Journal of Social Psychology. PMID: 27709628




DEIXA O LIKE AÍ COMO REFORÇO POSITIVO PRA GENTE :D CURTE E COMPARTILHA E VAMOS LEVAR A PSICOLOGIA AOS CONFINS DO UNIVERSO! \o/\o/\o/\o/\o/


🔴 COMENTA AÍ

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.