A psicologia de Dory (Procurando Nemo e Procurando Dory)

Ps.: Artigo baseado em Procurando Nemo, então sem spoilers para Procurando Dory 😉

Resenha psicológica do filme Procurando Nemo e análise do caso de amnésia anterógrada de Dory

Um peixe-palhaço superprotetor, auxiliado por um peixe Cirurgião-patela azul amnéstico (isso responde a questão ‘qual peixe é a Dory?’), vai em uma grande jornada no mar para encontrar seu filho sequestrado. Marlin, um pai superprotetor, se desespera quando seu filho Nemo é levado por um mergulhador.
Em sua busca para encontrar seu filho, Marlin encontra um peixe extraordinário chamado Dory que se voluntaria para ajudar a encontrar Nemo.

Amnésia anterógrada (incapacidade de formar novas memórias) de Dory lidera este duo dinâmico em algumas situações inesperadas e às vezes perigosas, incluindo surfar tartarugas marinhas e passar por labirintos de medusas. Marlins tem impaciência com os déficits de Dory e isso leva a conflitos. No entanto, Dory é capaz de lembrar a parte mais vital de informação que irá ajudar a reunir Marlin com seu filho.

psicologia-dory-procurando-nemo

Aparentemente apenas filmes de animação divertidos para crianças, um exame mais aprofundado revela uma camada neuropsicológica mais profunda escondida dentro de um dos seus principais personagens, Dory. Elogiado por ser um dos poucos retratos precisos de amnésia neurológica em um filme (Baxendale, 2004), Procurando Nemo traz à tona a ideia de positividade e apoio social, seja de família, amigos, ou ambos, e seu efeito benéfico sobre a habilidade de memória em indivíduos amnésicos.

Dory, um peixe cirurgião-patela azul, é introduzido na trama do filme, quando ela literalmente esbarra em Marlin, um peixe-palhaço que está freneticamente perseguindo um barco de mergulhadores que acabou de capturar o seu filho, Nemo. No entanto, depois de nadar alguns minutos, Dory esquece completamente quem Marlin é e por que ele está seguindo ela e rapidamente se torna evidente que Dory sofre de amnésia anterógrada, ou um problema em aprender novas informações. Apesar deste dilema, Marlin e Dory partiram em uma jornada para encontrar Nemo.

É ao longo deste percurso que o comprometimento da memória do Dory se revela em várias instâncias. Ela tem problemas de aprendizagem de nomes (particularmente Nemo), aprender e reter novas informações, e até mesmo lembrar o fato de que ela estava envolvida em uma conversa poucos minutos antes. Além disso, Dory tem dificuldade em lembrar as direções de navegação específicas, e em saber o que ela está fazendo e por que ela está fazendo isso.

Estes problemas na codificação de novas informações são característicos de amnésia anterógrada. Dory descreve sua condição como “perda de memória de curto prazo“, que é a forma como a maioria das pessoas se refere ao problema de codificação de informação novas que é a marca de amnésia anterógrada.
Embora pouco se saiba sobre a origem da amnésia de Dory, ela diz que existe em sua família. Nos seres humanos, amnésia anterógrada é mais associada com danos em particular em uma estrutura chamada hipocampo (Zillmer, Spiers, e Culbertson, 2008); Em pessoas mais jovens amnésia anterógrada é geralmente causada por trauma cerebral devido a lesão na cabeça.

Apesar de sua deficiência e os contratempos que cria, Dory continua otimista, positiva e persistente. Quando confrontada com momentos difíceis e desafios, ela lembra-se de “continue a nadar“, um mantra, que se tornou um dos bordões mais conhecidos do filme.
Na verdade, a atitude positiva de Dory e a personalidade despreocupada se tornam uma parte essencial de um emparelhamento – Nemo nunca teria sido encontrado se não fosse o envolvimento de Dory na vida de Marlin ao longo da jornada. Não há dúvida de que a amnésia de Dory é um obstáculo; mas seu otimismo lhe permite superar este obstáculo e ser capaz de lidar com várias situações difíceis ao longo da aventura em que ela e Marlin embarcam.

Marlin, por outro lado, tem uma fase difícil. Perto do fim da viagem, ele perde a esperança, acreditando que Nemo está morto e começa a virar e ir para casa. Dory pede a ele para ficar, confessando que ela se lembra de coisas melhor quando está com ele, e ela sente uma sensação de estar em casa com ele por perto. Neste momento, o público descobre que o ambiente e a relação positiva e emocionalmente segura que ela construiu com Marlin parecem ter ajudado muito a sua capacidade de se lembrar.

A psicologia de Dory e Procurando Nemo

Abaixo da superfície cômica, Procurando Nemo toca sobre os potenciais efeitos benéficos que a familiaridade, apoio social e um ambiente positivo podem ter em estimular e promover a retenção da memória de quem sofre de amnésia anterógrada. Para esse fim, uma técnica utilizada é a da orientação para a realidade.
Primeiramente proposta por Taulbee e Folsom (1966), a terapia de orientação para a realidade destina-se a reorientar uma pessoa à sua realidade atual e, finalmente, melhorar a qualidade de vida do paciente amnésico. Isso é feito por facilitar o ambiente para amnésicos cercando-os com objetos familiares, cheiros, sons, fotografias e música (de Guise, Leblanc, Feyz, Thomas, e Gosselin, 2005).
Tipicamente, a orientação para a realidade é usada com pacientes com demência e doença de Alzheimer e foi demonstrada sendo eficaz na melhoria da cognição nesta população (Zanetti, et al., 2002). No entanto, este método também tem sido usado com sucesso em amnésia pós-traumática em pacientes com lesões cerebrais traumáticas (De Guise et al., 2005), bem como um paciente de caso único com disfunção neurológica adquirida (Kaschel, Zaiser-Kaschel, Shiel , & Mayer, 1995). Em Dory, o fato de que ela identifica seu entorno (particularmente aqueles que envolvem Marlin) como “casa”, acreditando que ela é capaz de se lembrar mais e melhor nesses ambientes, sugere que uma versão fictícia de orientação para a realidade poderia ser uma abordagem viável para atenuar a sua perda de memória.

Outro aspecto interessante de Procurando Nemo para um amnésico é a do apoio social e da relação entre Dory e Marlin é um exemplo disso. Embora ela possa ser alheia (para efeito cômico) para as frustrações que Marlin expressa, Dory realmente encontra o seu lugar em casa com Marlin e desenvolve uma relação familiar, interdependente e de apoio com ele. Ao contrário de sua amnésia severa em outras situações, Dory não parece ter tantos problemas para lembrar Marlin e é essa relação que ela acredita ser a fonte de seu poder de “lembrar melhor.” Curiosamente, estudos têm demonstrado o papel crítico da família e as características do cuidador, incluindo apoio social, em contribuir para o bem-estar das pessoas com TCE (Traumatismos Cranioencefálicos) (Vangel, Rapport, & Hanks, 2011).

Sem relação com a familiaridade e apoio que ela encontra com Marlin, a característica mais proeminente sobre Dory é a sua positividade que ela carrega com si e que emana no ambiente. Talvez essa característica em si é o que ajuda em seu enfrentamento com amnésia anterógrada. As conclusões de vários estudos sugerem que o otimismo disposicional e expectativas positivas prevem melhores resultados de saúde, bem-estar e recuperação (Lench, 2010; Scheier & Carver, 1987). Dory freqüentemente expressa sua visão otimista da vida em seu lema “continue a nadar”. Não só ajuda Marlin e ela mesma até o fim de sua jornada, mas parece tê-la ajudado em situações passadas também. É possível que esta seja a sua ferramenta de enfrentamento não só quando confrontada com desafios de aventura, mas também com os desafios diários enfrentado como um amnésico.

Em Procurando Nemo, amnésia anterógrada é um problema que é recebido com uma mentalidade positiva e com a ajuda de um sistema de apoio de familiares e amigos. A mensagem de “continue a nadar” através de desafios da vida pode, não surpreendentemente, ter uma base científica. Para nossa sorte podemos ver novamente essa peixinha carismática e amável em Procurando Dory.
 –

Referências:

Baxendale, S. (2004). Memories aren’t made of this: amnesia at the movies. British Medical Journal, 329(7480), 1480-1483. doi:10.1136/bmj.329.7480.1480

De Guise, E., Leblanc, J., Feyz, M., Thomas, H., & Gosselin, N. (2005). Effect of an integrated reality orientation programme in acute care on post-traumatic amnesia in patients with traumatic brain injury. Brain Injury, 19(4), 263-269.

Kaschel, R., Zaiser-Kaschel, H., Shiel, A., & Mayer, K. (1995). Reality orientation training in an amnesic: a controlled single-case study (n=572 days). Brain Injury, 9(6), 619-633. doi: 10.3109/02699059509008220

Lench, H.C. (2010). Personality and health outcomes: Making positive expectations a reality. Journal of Happiness Studies 12(3), 493-507. doi: 10.1007/s10902-010-9212-z

Scheier M.F. & Carver C.S. (1987). Dispositional Optimism and Physical Well-Being: The Influence of Generalized Outcome Expectancies on Health. Journal of Personality, 55(2), 169-210. doi: 10.1111/j.1467-6494.1987.tb00434.x

Taulbee, L.R. & Folsom, J.C. (1966). Reality orientation for geriatric patients.Hospital and Community Psychiatry, 17(5), 133-135.

Vangel, S.J., Rapport, L.J., & Hanks, R.A. (2011). Effects of family and caregiver psychosocial functioning on outcomes in persons with traumatic brain injury. J Head Trauma Rehabil, 26(1), 20–29. doi: 10.1097/HTR.0b013e318204a70d

Zanetti, O., Oriani, M., Geroldi, C., Binetti, G., Frisoni, G.B., Giovanni, G.D., De Vreese, L.P. (2002). Predictors of cognitive improvement after reality orientation in Alzheimer’s disease. Age and Ageing, 31(3), 193-196. doi: 10.1093/ageing/31.3.193

Zillmer, E. A., Spiers, M. V., & Culbertson, W. C. (2008). Traumatic head injury and rehabilitation. In E. Evans & G. Kessler (Eds.), Principles of neuropsychology (2nd Ed.) (pp. 369−398). Belmont, CA: Thompson Wadsworth.





Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.