O hábito de morder objetos e a Fixação oral na Psicologia

O hábito de morder objetos é comum. Morder caneta, morder tampa de caneta, morder lápis e outros hábitos parecidos são facilmente observáveis em uma sala de aula, por exemplo. Talvez você mesmo faça e não perceba.

Leia também → Odaxelagnia, a vontade de morder pessoas

Fixação oral - mulher mordendo caneta na bocaAlguma vez você já experimentou um período em sua vida quando você quer sempre algo dentro da sua boca? Ou o desejo de manter a boca sempre ocupada com alguma coisa? O hábito de morder objetos passou a fazer parte da sua rotina?

Se isso aconteceu, você já se preocupou em não ser capaz de parar esse desejo? Há sempre certas explicação que dizem o por que as pessoas fazem isso. Quanto ao caso mencionado acima, os psicólogos podem chamar de fixação oral.

 

O que é Fixação oral?

Fixação oral é definida como uma condição em que a pessoa tem uma obsessão inconsciente com a sua boca. Junto com isso, a pessoa também sente necessidade de chupar ou mastigar algo o tempo todo.

Fixação oral pode envolver uma grande variedade de coisas, incluindo mascar goma, morder caneta, morder tampa de caneta, morder lápis, palha, palito, cigarro e qualquer coisa que possa deixar  a boca ocupada.

Fixação oral na Psicologia: A explicação simples

O hábito não é sobre sentir fome. É sobre só se sentir muito confortável enquanto mordisca ou mastiga algo. No final, o desejo de colocar algo na boca torna-se uma saída para algo como o nervosismo e ansiedade.

Fixação oral com base na teoria freudiana (psicanálise)

A psicologia da fixação oral é explicada por Sigmund Freud como algo relacionado à experiência de infância de uma pessoa. Ele também acreditava que ele tem algo a ver com a amamentação. De acordo com ele, a condição é desenvolvida por causa da experiência traumática que uma pessoa teve durante a infância.

Quanto à sua conexão com a amamentação, Freud teorizou que a forma como as pessoas veem o mundo quando adultas tem relação com como elas são ou não são amamentadas. Em suas fases de desenvolvimento psicossexual, o estágio oral tem a duração de cerca de um ano e meio. É neste momento em que as crianças estão preocupadas com sucção, e também aceitam qualquer coisa colocada na boca. O caráter oral pode ser satisfeito, exagerado ou frustrado. Quando uma criança é satisfeita, os impulsos normalmente são cumpridos. Assim, ela supera a fase oral e não permanece com traços de personalidade que são desagradáveis, como ser dependente dos outros. Os bebês com a fase oral frustrada podem se tornar invejosos, pessimistas e exibir os sintomas da fixação oral.

 




DEIXA O LIKE AÍ COMO REFORÇO POSITIVO PRA GENTE :D CURTE E COMPARTILHA E VAMOS LEVAR A PSICOLOGIA AOS CONFINS DO UNIVERSO! \o/\o/\o/\o/\o/


🔴 COMENTA AÍ

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.