‘Freud explica a morte’ | O que Freud dizia sobre a morte

Freud explica a morte, medo da morte, negação, desejo de morte, instinto de morte, a ‘imortalidade’ do inconsciente, etc

interpretacao de sonhar com morte

Morte, ‘O Grande Desconhecido “,” a mais grave de todas as desgraças’, também foi chamada por Freud de “o objetivo de toda a vida”, algo de que todos nós devemos ser conscientes. Afinal de contas, “todo mundo deve à natureza uma morte”.

Nós reagimos de várias maneiras à morte, em várias situações, e nossas atitudes ou reações podem ter resultados diferentes.

 

  • Nossa própria morte: em nosso inconsciente, somos imortais

 

“Na verdade, é impossível imaginar nossa própria morte.” Porque, como Freud explica, «[…] sempre que tentamos fazer isso podemos perceber que estamos de fato ainda presentes como espectadores”. Na verdade, poderíamos dizer que nós ajudamos a nossa própria morte, como se a pessoa que morre na nossa imaginação fosse uma pessoa diferente. Não podemos imaginar como seria se estivéssemos mortos, sem somos capazes de pensar ou ver, por exemplo. Não podemos aceitar a nossa própria morte, no fundo, ninguém acredita em sua própria morte”. Como Freud explica, “no inconsciente cada um de nós está convencido de sua própria imortalidade”. Não há nenhum sentido da passagem do tempo; O tempo não trabalha cronologicamente em nosso inconsciente.

Esta crença inconsciente de que nada pode acontecer a nós pode ser vista como “o segredo do heroísmo”.

  • O medo da morte

Uma vez que não passamos pela experiência da morte (nunca morremos antes) e uma vez que a morte não existe em nosso inconsciente, não podemos, na verdade, ter o medo da própria morte. Quando dizemos que estamos com medo da morte, de acordo com Freud, podemos temer algo mais – como o abandono, a castração, vários conflitos não resolvidos, ou de outra forma o medo da morte pode ser o resultado de um sentimento de culpa. No entanto, Freud também explica que o medo da morte nos domina com mais frequência do que sabemos “.

  • Freud explica a morte de outros

Normalmente, somos cautelosos em falar da morte de alguém quando a respectiva pessoa “sob sentença’ pode nos ouvir, nos sentimos maus, ou frios com o pensamento da morte de outra pessoa, ainda mais se tivéssemos de ganhar alguma coisa com a morte dela. No entanto, as crianças podem “sem vergonha” ameaçar alguém, mesmo os mais próximos, com a possibilidade de morrer.

Quando alguém morre, nós geralmente tentamos reduzir a morte a um “acontecimento fortuito”, culpando acidentes, idade, doença, etc.

Nós também tendemos a ter uma certa atitude em relação a uma pessoa que morreu, “algo quase como admiração por alguém que tenha realizado uma tarefa muito difícil”, como afirma Freud, e até mesmo tratamos a pessoa morta com mais consideração do que nós tratamos em vida.

  • Freud explica a morte de estranhos e inimigos

O homem primitivo simplesmente não teria nenhum problema com a morte alguém ou em matar aqueles que ele odiava; ele simplesmente seguia seu instinto.

Exceto por nos tornarmos escrupulosos sobre como executar a matança, aceitamos a morte de estranhos e inimigos, e sentenciamos à morte “tão prontamente e sem hesitar” como o homem primitivo fez.

  • Freud explica a morte de alguém próximo

Como uma reação à morte de alguém próximo, o homem primitivo inventava outras formas de existência, espíritos, etc. A concepção da vida após a morte foi criada devido à nossa “memória persistente dos mortos”.

A crença dos homens primitivos que os entes queridos se tornaram demônios após a sua morte resultou de a morte ser “geralmente considerada como o mais grave de todos os infortúnios” e, portanto, os mortos foram imaginados como estando ‘insatisfeitos com o seu destino”. Morte por magia ou pela força seria “tornar a alma vingativa e mal-humorada”. O medo da morte e do medo dos mortos tornaria neste caso, a “alma desencarnada” em algo mal.

A criação da religião foi atribuída por Freud, entre outras causas, às ilusões projetadas para fora por aqueles que vivem em face da morte.

  • Negação da morte

As crenças em vidas anteriores, transmigração das almas e reencarnação são produtos da negação da morte.

  • Ambivalência com a morte de entes queridos

O homem pode sentir-se ambivalente em relação à morte de entes queridos, ele pode vê-los como ‘uma possessão interior”, mas também como estranhos ou inimigos. Com muito poucas exceções, um pouco de hostilidade levando a um desejo de morte inconsciente está presente em nossos relacionamentos mais próximos.

Tais sentimentos ambivalentes podem provocar neurose. 

  • Desejo de morte

Embora o inconsciente do homem civilizado não realize o assassinato, ele pensa e deseja, e isso é significativo o suficiente. A razão para a morte, desejo de livrar-se, em nosso inconsciente, de qualquer pessoa que “está no nosso caminho, de qualquer pessoa que tenha ofendido ou nos ferido”. Freud dá o exemplo da expressão ‘Vá pro diabo que te carregue!’, O diabo sendo o equivalente a morte. Nosso inconsciente não conhece outra punição para o crime pior do que a morte”.

 

  • Suicídio para Sigmund Freud

 

Esses neuróticos que parecem ir para a auto-destruição podem formar a categoria daqueles que acabam cometendo suicídio.

O suicídio não é o mesmo que o instinto de morte. O instinto de morte não pode necessariamente expressar-se em suicídio. Além disso, o instinto de morte é natural no desenvolvimento do ser humano.

  • Instinto de morte

Freud explica o instinto de morte: as coisas vivas vieram mais tarde do que as inanimadas e surgiram a partir delas, e, portanto, os instintos tendem para um retorno a um estado anterior. Qualquer modificação imposta ao curso da vida de um organismo é aceita pelos instintos orgânicos conservadores e armazenada para posterior repetição. Esses instintos são obrigados a dar a ilusão de forças que tendem para a mudança e progresso, quando eles estão tentando alcançar uma meta antiga. “Seria em contradição com a natureza conservadora dos instintos se o objetivo da vida fosse um estado de coisas que nunca tinha ainda sido atingido.”

Mesmo que a morte seja algo natural, nós tentamos lidar com isso de várias maneiras, e reagimos a ela de forma diferente. Nossas diferentes atitudes perante a morte podem contribuir para a existência de vários comportamentos, para a criação de crenças tais como aquelas em vida após a morte. Claro, é o nosso inconsciente que é a causa da maioria das nossas crenças e comportamentos, ou mesmo sentimentos em relação à morte.


Referências

S. Freud, An Outline of Psychoanalysis (1940)
S. Freud, Beyond the Pleasure Principle (1920)
S. Freud, The Interpretation of Dreams (1900)
S. Freud, Thoughts for the Times on War and Death (1915)
S. Freud, Totem and Taboo (1912-1913)

Fonte: Freud File



DEIXA O LIKE AÍ COMO REFORÇO POSITIVO PRA GENTE :D CURTE E COMPARTILHA E VAMOS LEVAR A PSICOLOGIA AOS CONFINS DO UNIVERSO! \o/\o/\o/\o/\o/


🔴 COMENTA AÍ

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.