Eletroconvulsoterapia (ECT): Como funciona, riscos, efeitos colaterais

Terapia electroconvulsiva (ECT) é um procedimento médico que envolve o envio de uma breve corrente eletrônica através de uma porção do cérebro. Ela é mais frequentemente usada para tratar pessoas cuja depressão é grave ou uma ameaça à vida e / ou que não podem tomar medicação antidepressiva.

Quando a eletroconvulsoterapia é usada


A eletroconvulsoterapia geralmente não é usada a menos que outras opções de tratamento, como antidepressivos ou psicoterapia sejam julgados e não são efetivos em aliviar os sintomas.

Se você e seu médico decidem que a ECT é uma boa opção para você, um exame físico completo deve ser feito antes de iniciar o tratamento uma vez que interações podem ocorrer.

Eletroconvulsoterapia é muitas vezes eficaz nos casos em que medicações antidepressivas não proporcionam alívio suficiente dos sintomas, o que é geralmente conhecido como depressão resistente ao tratamento. ECT também pode ser utilizada para mania grave em pessoas com doença bipolar; catatonia, que é quando o paciente não está respondendo ou se movendo e é geralmente visto na esquizofrenia; e para as pessoas que sofrem de demência e estão experimentando agitação e agressão. É estimado que 100.000 pacientes fazem eletroconvulsoterapia  a cada ano nos Estados Unidos.

eletroconvulsoterapia ect

Como funciona a eletroconvulsoterapia

Nos últimos anos, a ECT, que costumava ser conhecida como terapia de eletrochoque, foi muito melhorada ao longo dos horrores que tendem a associar-se com o passado quando aos pacientes foram dadas grandes quantidades de eletricidade sem qualquer anestesia.

Hoje em dia, a eletroconvulsoterapia é indolor. Um relaxante muscular é aplicado antes do tratamento, o que é feito sob anestesia breve. Eletrodos são colocados em locais precisos sobre a cabeça para entregar impulsos eléctricos.

A estimulação provoca uma convulsão breve (cerca de 30 segundos) dentro do cérebro. Acredita-se que a apreensão influencia neurotransmissores no cérebro para ajudá-los a se comunicar de forma mais eficaz, o que melhora o seu humor.

Você não vai experimentar conscientemente o estímulo elétrico desde que você esteja sob anestesia, e você acorda dentro de cinco ou dez minutos após o tratamento. Você pode até mesmo voltar para suas atividades regulares dentro de apenas uma hora.

Para um benefício terapêutico total, são necessários pelo menos quatro a seis tratamentos de eletroconvulsoterapia para a maioria das pessoas, mas isso depende de quão grave são os seus sintomas, bem como a rapidez com que melhora. Os tratamentos iniciais para obter seus sintomas sob controle pode ser seguido por mais tratamentos e / ou terapias de manutenção que você tem menos frequentemente para ajudar a manter os efeitos. Seu médico também pode recomendar que você tome um antidepressivo para ajudar com o tratamento do seu sintoma.

Riscos e efeitos colaterais da eletroconvulsoterapia

Existem alguns efeitos colaterais da eletroconvulsoterapia em potencial, portanto existem riscos da ECT. Os efeitos físicos, tais como dor de cabeça, dor de estômago ou dores musculares podem ocorrer. Algumas pessoas experimentam confusão por um curto período de tempo após o tratamento ser completo, mas isso geralmente desaparece dentro de horas. Perda de memória a curto e longo prazo também são possíveis ricos da eletroconvulsoterapia. Pode ser qualquer coisa, desde esquecer as coisas que foram ditas logo antes ou após o seu tratamento, ou não se lembrar de coisas de semanas ou meses ou, eventualmente, embora raramente, mesmo anos antes de seu tratamento.

Fale com o seu médico sobre a eletroconvulsoterapia e avalie se os benefícios superam os riscos e efeitos colaterais da ECT em sua situação específica.

Quão eficaz é a ECT?

Encorajadoramente, o Instituto Nacional de Saúde Mental dos EUA observa que, em um estudo de pacientes que foram submetidos a ECT, 86% foram capazes de encontrar alívio significativo a partir de seus sintomas de depressão maior. Este estudo também mostrou que os tratamentos de manutenção são eficazes em manter os sintomas depressivos à margem.


Referências:


Quer ler o site sem anúncios + conteúdo exclusivo?
☆ Assine o Psicoativo Premium





8 comentários em “Eletroconvulsoterapia (ECT): Como funciona, riscos, efeitos colaterais

  • 21/07/2016 em 17:42
    Permalink

    Como alguém pode recomendar uma coisa tão agressiva para alguém? Principalmente uma coisa agressiva com riscos tão grandes? Isso é só uma mascara para o velho eletrochoque, apenas isso…

    Resposta
    • 18/11/2016 em 00:24
      Permalink

      Já utilizei esse procedimento e só tenho a agradecer ao meu médico. Depois de já ter tentado de tudo, está foi a única solução. Não julgue antes de conhecer bem o procedimento e as pessoas que precisam dele.

      Resposta
      • 06/06/2017 em 08:35
        Permalink

        Oi Cristiane,
        Estamos há meses com meu pai em crise de depressão bipolar e ele só vem piorando… parece que não responde à medicação. Estou buscando mais informações sobre a ECT e vejo que existe muito medo e preconceito. Se vc puder me dizer como foi o seu tratamento, fico muito agradecida. Meu e-mail: luci_lucena@yahoo.com.br

        Resposta
  • 25/11/2017 em 14:09
    Permalink

    Não recomendo a ninguém que faça este tratamento a menos que não exista outra solução possível na face do planeta. No meu caso, o psiquiatra me indicou sem ser necessário e eu mesmo interrompi o tratamento após a sexta sessão porque eu senti que a depressão só estava piorando a ponta de ficar com pensamentos suicidas , foi um crime o que foi feito comigo . Isso foi em junho do ano passado e ainda não me recuperei mas estou lutando diariamente, com todas as minhas forças, tendo voltado ao trabalho, mas não é fácil. As sequelas são graves, como por exemplo, eu falo com uma pessoa na parte da manhã e se eu vê-la a tarde é como se eu nunca a tivesse visto. Fujam de promessas de cura rápida da depressão.

    Resposta
  • 26/12/2017 em 10:59
    Permalink

    Em relação a ECT, acho um procedimento bastante invasivo e atrapalha a qualidade do andamento de outras particas terapeuticas como Terapia Ocupacional, Fonoaudiologia, Psicologia, e demais áreas que envolvam cognição, linguagem, pensamento e expressão!
    (…)Ele trás desconfortos e perdas cognitivas temporarias que incluem desorientação, falha na memória e cognição geral, ainda levando a outros efeitos subagudos que se prolongam por dias a semanas depois de uma serie de ECT. Ainda vale ressaltar estes fenômenos podem perdurar por anos (ROSA, 2015).

    “Existe considerável variabilidade entre os clínicos a respeito da extensão em que o ECT deve ser utilizado em primeira instância ou ser considerado apenas quando outros recursos já se mostraram ineficazes” (DEL PORTO, 2006, p. 18).

    “O que fica implícito na colocação é o destaque dado ao aparato biológico que legitima e justifica as intervenções, ao mesmo tempo em que parece desconsiderar a indissolubilidade entre corpo e mente e a conseqüente imersão do corpo no universo da subjetividade.
    Não levar esse aspecto em consideração é não ver que o usuário de ECT recebe tais estímulos elétricos porque se apresenta em estado de intenso sofrimento psíquico, e não em razão de um órgão que não está funcionando bem e que necessita ser corrigido.” (SILVA, 2008)

    Del Porto J.. Atualidades sobre eletroconvulsoterapia. Snc em Foco, v. 2, n. 2, p.16-26. 2006.

    SILVA, Maura Lima Bezerra e; CALDAS, Marcus Tulio. Revisitando a técnica de eletroconvulsoterapia no contexto da reforma psiquiátrica brasileira. Psicol. cienc. prof., Brasília , v. 28, n. 2, p. 344-361, jun. 2008.

    Resposta
  • 26/02/2018 em 15:10
    Permalink

    Estou tratando com ECT e é ele que está me tirando da depressão profunda. Meu médico aplica a técnica fronto medial que não mexe muito com a minha memória. Usei anteriormente a bilateral e mexeu muito com minha memória. Tenho que fazer a manutenção.Comecei com 3 vezes por semana, passei pra 2 vezes depois 1 vez depois farei de 15 em 15…até suspender… não posso suspender de uma vez porque ocorre recaída… Semana passada não conseguia sair da cama nem tomar banho..só queria morrer.. retomei as sessões no sábado e estou voltando a ter vida normal..graças ao ECT.e ao meu médico Dr Renato Ferreira Araújo.psiquiatra em Belo Horizonte

    Resposta
    • 23/10/2018 em 14:59
      Permalink

      Eu nem fazia ideia de que tinha a técnica fronto medial e bilateral… Minha esposa teve surto é ficou totalmente incapacitada então o medico indicou o ECT. Ela fez bilateral é agora não se lembrar nem de como cozinha feijão! O médico disse que é temporário. Acredito nele pq primeiro ela fez 12 sessões e depois de uns 45~60 dias ela voltou a se lembrar e soube fazer a comida que eu e ela gostamos. E agora fez mais 11 sessões pq a depressão era muito forte. Foi feito em João Pessoa.

      Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.