As estranhas ligações entre crença em Deus, limpeza e neuroticismo

As pessoas que acreditam mais fortemente em Deus tendem a fazer uma especialmente forte ligação psicológica entre sentirem-se limpas e ver seu próprio comportamento como bom e moral, de acordo com um estudo publicado em Psicologia Social e Ciência da Personalidade.

deus

Um corpo significativo de investigação psicológica mostra que a conexão metafórica entre a moralidade e limpeza (por exemplo, quando as pessoas falam em ter uma “consciência limpa”, ou dizem que o comportamento dos que desaprovam “torna doente”), está profundamente enraizada na psicologia humana. Estudos de neuroimagem apoiam a ideia de que os mesmos sistemas cerebrais estão envolvidos no processamento das emoções relacionadas com repugnância física e repugnância moral. No entanto, há também evidências de que essas conexões metafóricas não são necessariamente ligadas, mas são aprendidas através da exposição a elas em um de meio cultural. Os grupos religiosos podem ser um dos principais lugares em que as pessoas aprendem a associar ser limpo com a moral dessa maneira, por causa da ênfase que muitas religiões colocam na limpeza ritual e espiritual.

Um estudo conduzido por Adam Fetterman, da Universidade de Essex, procurou quantificar como a religião afeta a forma como as pessoas associam limpeza com a moral em suas vidas diárias. Uma amostra de 135 estudantes universitários foi monitorada durante um período de duas semanas. No início do estudo, os estudantes indicaram a medida em que eles criam em Deus. Todas as noites durante duas semanas, então eles relataram como eles se comportaram em duas medidas relacionadas com a moralidade (se eles tinham cedido à impulsos, e se eles tinham ajudado outros), quanto eles se sentiram culpados ou ansiosos, e quão limpo tinha se sentido.

De acordo com os achados anteriores, os estudantes disseram que se sentiam mais limpos nos dias em que haviam se comportado moralmente, evitando impulsos negativos e ajudando os outros. O que este estudo descobriu que era novo era que essa relação era muito mais forte entre os estudantes que acreditavam mais fortemente em Deus. Os mais devotos sentiam-se muito mais limpos em dias quando viram suas ações como mais morais, em comparação com os dias em que eles agiram por impulso e foram inúteis. Aqueles que não acreditam em Deus se sentiram apenas um pouco mais limpos sob as mesmas circunstâncias.

Estas diferenças religiosas eram ainda mais acentuadas quando ele viram a relação entre sentir-se limpo e se sentir bem sobre si mesmo. Pessoas altamente religiosas eram muito menos propensas a sentirem-se culpadas ou ansiosas sobre si mesmas nos dias em que se sentiam limpas. Entre aqueles que eram menos religiosos, se sentir limpo não teve qualquer influência sobre essas emoções negativas.

O autor do estudo conclui que a associação psicológica entre a moralidade e a limpeza é, provavelmente, reforçada pelos ensinamentos religiosos, explicando as diferenças que observou entre aqueles que acreditavam fortemente em Deus e aqueles que não o faziam. Ele também sugere que as pessoas altamente religiosas podem ser mais propensas a confiar em estilos emocionais de processamento cognitivo mais racionais. Enquanto ele não pode confirmar o ditado que a limpeza é próxima da piedade, este estudo certamente parece apoiar a ideia de que as duas podem estar estreitamente interligadas.





Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.