Neurocientistas explicam conflito entre Ciência e religião no nosso cérebro

Como o cérebro lida com conflitos entre a ciência e a religião?

cérebro - cieência e religião

Religião e ciência ativam redes diferentes no cérebro e cada uma suprime a outra, segundo novas descobertas.

Quanto mais empática uma pessoa é, mais provável que ela seja religiosa, o estudo também descobriu.

As pessoas religiosas, no entanto, tendem a suprimir os circuitos no cérebro que são responsáveis ​​pelo pensamento analítico. Quando as pessoas estão pensando sobre o mundo físico, analiticamente, elas suprimem os circuitos cerebrais relacionadas à empatia.

Professor Richard Boyatzis, um dos autores do estudo, disse:

“Uma vez que as redes suprimem uma a outra, elas podem criar dois extremos. Reconhecendo que esta é a forma como o cérebro funciona, talvez possamos criar mais razão e equilíbrio nas conversas que envolvem ciência e religião “.

Dr. Tony Jack, o primeiro autor do estudo, disse:

“Quando há uma questão de fé, do ponto de vista analítico, pode parecer absurdo. Mas, pelo que entendemos sobre o cérebro, o salto de fé à crença nos valores sobrenaturais pode empurrar de lado a forma crítica / analítica de pensar para nos ajudar a alcançar um maior conhecimento social e emocional. “

Exames revelaram uma rede de neurônios ativos quando queremos pensar criticamente sobre o mundo. O cérebro também tem uma rede de neurônios para pensar com empatia.

Dr. Jack explicou:

“Por causa da tensão entre redes, afastar uma visão de mundo naturalista permite aprofundar o lado social / emocional. E isso pode ser a chave para explicar porque crenças no sobrenatural existem em toda a história das culturas. Ele apela para uma forma essencialmente não-material de compreender o mundo e nosso lugar nele. “

Sr. Jared Friedman, um dos autores do estudo, disse:

“Ter empatia não significa que você necessariamente tem crenças anti-científicas. Em vez disso, os nossos resultados sugerem que, se nós só enfatizamos o raciocínio analítico e crenças científicas, como o movimento Neoateísta sugere, então estamos comprometendo a nossa capacidade de cultivar um tipo diferente de pensamento e discernimento moral/social. Estes resultados são consistentes com a visão filosófica, defendida por (Immanuel) Kant, segundo a qual existem dois tipos distintos de verdade: empíricas e morais.”

Naturalmente, precisamos de ambas as redes analíticas e empáticas, disse o Dr. Jack:

“Longe do eterno conflito com a ciência, sob as circunstâncias corretas, a crença religiosa pode promover positivamente a criatividade científica e discernimento. Muitos dos cientistas mais famosos da história eram espiritualistas ou religiosos. Aqueles indivíduos notáveis ​​eram intelectualmente sofisticados o suficiente para ver que não há nenhuma necessidade de haver conflito entre a religião e a ciência. Você pode ser religioso e ser um bom cientista “.

Fontes e referências:
O estudo foi publicado na revista PLoS ONE ( Jack et al., 2016 ).
Jack AI, Friedman JP, Boyatzis RE, Taylor SN (2016) Why Do You Believe in God? Relationships between Religious Belief, Analytic Thinking, Mentalizing and Moral Concern. PLoS ONE 11(3): e0149989. doi:10.1371/journal.pone.0149989
Via Psyblog




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.