Lapso Freudiano: Atos falhos

Atos falhos segundo Freud

Um lapso freudiano é um erro verbal ou de memória que acredita-se que seja ligado à mente inconsciente. Estes lapsos supostamente revelam os pensamentos secretos sentimentos reais que as pessoas têm. Exemplos de lapsos freudianos típicos incluem um indivíduo chamar seu cônjuge pelo nome de um ex, dizendo a palavra errada ou mesmo interpretando mal uma palavra escrita ou falada.

Lapsos freudianos: Dicas do Inconsciente

O famoso psicanalista Sigmund Freud que descreveu uma variedade de diferentes tipos e exemplos de atos falhos no livro A Psicopatologia da Vida Cotidiana, em 1901.

“Quase sempre eu descobro uma influência perturbadora de algo fora do discurso pretendido”, escreveu ele. “O elemento perturbador é um único pensamento inconsciente, que vem à luz através do engano especial.”

De acordo com Freud, esses atos falhos revelam pensamentos inconscientes, crenças ou desejos.

“Dois fatores parecem desempenhar um papel em trazer à consciência os nomes substitutivos: primeiro, o esforço de atenção, e segundo, determinantes interiores que aderem ao material psíquico”, Freud sugeriu em seu livro. “Além do simples esquecimento de nomes próprios há outro esquecimento que é motivado pela repressão”, explicou Freud.

De acordo com Freud, pensamentos ou crenças inaceitáveis são retidos a partir da consciência, e estes lapsos ajudam a revelar o que está oculto no inconsciente.

Lapso Freudiano

Visão moderna sobre os atos falhos de Freud

O termo é usado popularmente hoje de uma forma humorística, quando uma pessoa comete um erro no discurso. Nestas situações, os observadores sugerem frequentemente (de uma forma cômica) que o erro revela alguma emoção escondida de quem está falando.

Enquanto Freud transmitiu uma grande quantidade de significados ocultos nestes atos falhos, erros verbais são simplesmente uma parte inevitável da vida. Em um artigo no Psychology Today, a escritora Jena Pincott sugeriu que as pessoas cometem de um a dois erros para cada 1.000 palavras que dizem. Alguns desses erros podem na verdade revelar pensamentos e sentimentos inconscientes, mas em outros casos, eles são simplesmente casos de erros de linguagem, de memória, e outros.

Experimentos relacionados aos lapsos freudianos

Alguns estudos têm apoiado a ideia dos atos falhos de Freud de que os pensamentos inconscientes ou mesmo suprimidos podem aumentar a probabilidade de erros verbais.

Em um experimento clássico, o psicólogo de Harvard Daniel Wegner pediu aos participantes para se envolver em uma verbalização de fluxo de consciência por cinco minutos. As pessoas simplesmente falaram sobre tudo o que passou através de suas mentes por um breve período. O problema era que Wegner pediu-lhes para não pensar em um urso branco. Sempre que eles pensavam em um urso branco, eles deveriam tocar um sino.

O que Wegner descobriu foi que aqueles a quem tinha sido pedido para não pensar em um urso branco tiveram o pensamento em uma média de uma vez por minuto.

Com base nestes resultados, Wegner desenvolveu o que ele se referia como uma teoria do processo irônico para explicar por que suprimir certos pensamentos pode ser tão difícil. Enquanto certas partes do cérebro suprimem os pensamentos ocultos, outra parte de nossas mentes ocasionalmente faz verificações para se certificar de que ainda não estamos pensando nisso – ironicamente trazendo os próprios pensamentos que estamos tentando manter escondido para a vanguarda das nossas mentes .

Em muitos casos, quanto mais tentamos não pensar em algo, mais freqüentemente esse algo vem à mente. E quanto mais frequentemente pensamos em algo, mais provável é que iremos expressar verbalmente.

Exemplo de lapsos freudianos na Cultura Popular

Você provavelmente já ouviu muitos atos falhos divertidos. Talvez alguma vez seu professor de biologia acidentalmente soltou orgasmo em vez de organismo.

Um caso de lapso freudianos famoso:

  • Durante um sermão do Vaticano em 2014, o Papa Francisco acidentalmente usou a palavra italiana“cazzo” (que se traduz “Fo***) em vez de “caso “(que significa “exemplo “). O Papa rapidamente se corrigiu, mas não impediu que o ato falho fosse publicado em dezenas de sites, blogs e vídeos do YouTube.

Referências

Motley, M.T., & Baars, B.J. (1979). Effects of cognitive set upon laboratory induced verbal (Freudian) slips. Journal of speech and hearing research, 22(3), 421-32 PMID: 502504

Reason, J. (2000). The Freudian slip revisited. The Psychologist, 13(12), 610-611.

Wegner, D.M., Schneider, D.J., Carter, Samuel R. & White, T.L. (1987). Paradoxical effects of thought suppression. Journal of Personality and Social Psychology, 53, (1), 5–13. doi:10.1037/0022-3514.53.1.5.

Wegner, D.M. (1994). Ironic process of mental control. Psychological Review, 101(1), 34-52.



DEIXA O LIKE AÍ COMO REFORÇO POSITIVO PRA GENTE :D CURTE E COMPARTILHA E VAMOS LEVAR A PSICOLOGIA AOS CONFINS DO UNIVERSO! \o/\o/\o/\o/\o/


🔴 COMENTA AÍ

2 comentários em “Lapso Freudiano: Atos falhos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.