Freud e as mulheres / Perspectiva de Freud sobre a Mulher

O que Freud pensava sobre as mulheres e o que ele dizia sobre o sexo feminino

freud e as mulheres


“A grande questão que nunca foi respondida, e que eu ainda não tenho sido capaz de responder, apesar de meus trinta anos de pesquisa sobre a alma feminina, é: ‘O que quer uma mulher?’
-De Sigmund Freud: Vida e Obra por Ernest Jones, 1953

A visão de Sigmund Freud sobre as mulheres foi polêmica durante sua própria vida e continua a evocar um debate considerável hoje. “As mulheres se opõem à mudança, recebem passivamente, e não acrescentam nada de si próprias”, ele escreveu em um artigo de 1925 intitulado “As Consequências Psíquicas da Distinção Anatômica entre os sexos.”

Donna Stewart, MD, professora e portadora de cadeira da saúde das mulheres na University Health Network, explicou, “Freud era um homem de seu tempo. Ele se opunha ao movimento de emancipação das mulheres e acreditava que a vida das mulheres era dominada pela suas funções reprodutivas sexuais. “

Inveja do pênis:

Inveja do pênis é a contraparte feminina do conceito de angústia de castração de Freud. Em sua teoria do desenvolvimento psicossexual, Freud sugeriu que, durante a fase fálica (em torno de 3-5 anos de idade) meninas vão distanciar-se de suas mães e, em vez disso, dedicar suas afeições a seus pais.

De acordo com Freud, isso ocorre quando uma menina percebe que ela não tem pênis. “As meninas mantém sua mãe responsável por sua falta de um pênis e não perdoam-na por terem essa desvantagem”, Freud sugeriu (1933).

Enquanto Freud acreditava que sua descoberta dos complexos edipianos e teorias afins, tais como ansiedade de castração e inveja do pênis foram suas maiores realizações, essas teorias são, talvez, as mais criticadas. Psicanalistas femininas, como Karen Horney e outras pensadores feministas descreveram suas idéias como distorcidas e condescendentes.

Histeria e Anna O:

A revolucionária terapia da conversa de Freud  evoluiu em parte do seu trabalho com Bertha Pappenheim, que é conhecida como Anna O. Sofrendo do que era então chamado de histeria, ela experimentou uma variedade de sintomas que incluem alucinações, amnésia e paralisia parcial.

Durante as sessões com um dos colegas de Freud, Joseph Bruer, Pappenheim descreveu seus sentimentos e experiências. Este processo parecia aliviar seus sintomas, o que levou-a a duplicar o método da “cura pela fala”. Pappenheim passou a se tornar uma assistente social e fez contribuições significativas para o movimento das mulheres na Alemanha.

Inicialmente, Freud sugeriu que as causas da histeria eram enraizadas em abuso sexual na infância. Mais tarde, ele abandonou esta teoria e, em vez disso enfatizou o papel de fantasias sexuais no desenvolvimento de uma variedade de neuroses e doenças.

“Sua compreensão das mulheres era notoriamente inadequada, mas ele deu grandes passos para além do que foi entendido sobre as mulheres, quando ele entrou em cena. Era muito incomum na época de Freud até mesmo reconhecer que as mulheres tinham desejo sexual, muito menos dizer que a repressão de seu desejo sexual poderia torná-las histéricas”, explicou o historiador Peter Gay.

Mulheres na vida de Freud:

Enquanto Freud muitas vezes alegou que tinha pouca compreensão das mulheres, várias mulheres desempenharam papéis importantes na sua vida pessoal. Freud era filho mais velho de sua mãe (seu pai tinha dois filhos mais velhos de um casamento anterior) e muitas vezes tem sido descrito como o seu filho favorito.

“Eu descobri que as pessoas que sabem que são preferidas ou favorecidas por suas mães depõe em suas vidas de uma auto-suficiência peculiar e um otimismo inabalável que muitas vezes traz sucesso real para seus possuidores”, Freud comentou uma vez.

A relação de Freud com sua esposa, Martha, era muito tradicional.

“Ela era uma muito boa hausfrau (dona de casa)”, explicou sua neta, Sophie Freud. “Ela era muito econômica. E o meu pai dizia que sua mãe preferia envenenar toda a família do que jogar comida fora.”

Freud cresceu com várias irmãs e mais tarde tornou-se pai de três filhos e três filhas, incluindo Anna Freud, que desempenhou um papel importante na realização do trabalho de seu pai.

Mulheres na Psicanálise:

Complexos
Sabina Spielrein e Carl Gustav Jung no filme Um método perigoso (2011)

Enquanto Freud descreveu as mulheres como inferiores aos homens, muitas mulheres foram fundamentais para o desenvolvimento e progresso da psicanálise. A primeira mulher a participar da Sociedade Psicanalítica de Viena de Freud era Helene Deutsch, em 1918. Ela publicou o primeiro livro psicanalítico sobre a sexualidade das mulheres e escreveu extensivamente sobre temas como a psicologia das mulheres, adolescência feminina e a maternidade.

A psicanalista seminal (e supostamente amante de Carl Jung) Sabina Spielrein também teve uma importante influência sobre o desenvolvimento da psicanálise. Ela era originalmente uma das pacientes de Jung. Durante os primeiros anos da amizade de Freud e Jung, os dois homens gastaram uma quantidade considerável de tempo a discutir o caso de Spielrein, que ajudara a moldar muitas das suas opiniões. A Spielrein mesma também são creditadas o desenvolvimento do conceito dos instintos de morte e a introdução de psicanálise na Rússia.

Psicanalista Karen Horney se tornou uma das primeiras críticas de pontos de vista de Freud sobre a psicologia feminina. Melanie Klein tornou-se um membro proeminente da comunidade psicanalítica e desenvolveu a técnica conhecida como “terapia de jogo”, que ainda é amplamente utilizado hoje em dia. Além disso, a própria filha, Anna Freud, desempenhou um papel vital no avanço de muitas das teorias de seu pai e contribuiu muito para a psicanálise infantil.

Pontos de vista opostos:

  • Karen Horney – conceito de inveja do pênis de Freud foi criticado em seu próprio tempo, principalmente pela psicanalista Karen Horney. Ela sugeriu que são os homens que são prejudicados por sua incapacidade de ter filhos, que ela se referiu como “inveja do útero”.
  • Resposta de Freud – Freud respondeu, ainda que indiretamente, escrevendo: “Nós não devemos ficar muito surpresos se uma mulher analista que não foi suficientemente convencida da intensidade de seu próprio desejo de ter um pênis também não atribuir a devida importância a este fator nas suas pacientes”(Freud, 1949). De acordo com Freud, o conceito de inveja do útero de Horney surgiu como resultado de sua própria suposta inveja do pênis.
  • Sophie Freud – Enquanto noções de sexualidade feminina de Freud, muitas vezes correram ao contrário das tendências patriarcais da era vitoriana, ele ainda era muito mais um homem de seu tempo. Seu trabalho é muitas vezes visto como misógino e sua própria neta, Sophie Freud, descreveu suas teorias como ultrapassadas. “Suas ideias cresceram fora da sociedade. Ele espelhava em suas teorias a crença de que as mulheres eram secundárias e não eram a norma e não tinha muito a ver com a norma”, explicou ela.
  • Considerações finais – Até o próprio Freud admitiu que a sua compreensão das mulheres era limitada. “Isso é tudo que tenho a dizer-lhe sobre a feminilidade”, escreveu ele em 1933. “É certamente incompleta e fragmentária e nem sempre soa amigável … Se você quiser saber mais sobre a feminilidade, informe-se das suas próprias experiências de vida, ou vire-se para poetas, ou espere até que a ciência possa lhe dar informações mais profundas e mais coerentes.”

 

Compreendendo hoje a visão das mulheres segundo Freud

Hoje, muitos analistas sugerem que, em vez de rejeitar as teorias de Freud como definitivas, devemos focar no desenvolvimento de novos pontos de vista sobre as suas ideias originais. Como um escritor disse, “Freud revisou suas teorias muitas vezes, acumulou novos dados e atingiu novos insights. Analistas contemporâneos não devem fazer menos.”

Atualização: Teoria de Freud sobre sonhos ganha apoio científico


Referências:

Freud, S. (1925), Some psychical consequences of the anatomical distinction between the sexes, in Strachey, J. (Eds), The Standard Edition of the Complete Psychological Works of Sigmond Freud, Vol. 19. London: The Hogarth Press, pp.241-60.

Freud, S. (1933). New introductory lectures on psychoanalysis. New York: Norton. (Translated by W.J.H. Sprott)

Freud, S. (1949). An outline of psychoanalysis. New York: Norton. (Translated by J. Stratchley; originally published, 1940).

Gretel, G. (2003, Nov. 14). Freud goes up in smoke: Granddaughter dismisses theories as outdated. The Toronto Star.

Grubin, D. (2002). Young Dr. Freud: A film by David Grubin. Devillier Donegan Enterprises.

Jones, E. (1953). The Life and Work of Sigmund Freud. New York: Basic Books, Inc.

Lehmann, C. (2001, July 20). Women psychiatrists still battle Freud’s view of sexes. Psychiatric News, 36(14), American Psychiatric Association, p. 9.

Liberating women from Freud. (1977, Jan. 17). Time Magazine, 109(3).

Sayers, J. (1991). Mothers of psychoanalysis. New York: W. W. Norton.

Fonte: About Psychology


Quer ler o site sem anúncios + conteúdo exclusivo?
☆ Assine o Psicoativo Premium


1 comentário

  1. TRM Responder

    Nietzsche dizia que o homem é o meio, o fim é o filho. Portanto o amor verdadeiro vai para ele e não ao homem. Outro filósofo que inspirou Nietzsche dizia que a linha de raciocínio da mulher é imediatista, focada no futuro, buscando atalhos, enquanto o homem enxerga mais longe, trilhando caminhos mais difíceis.

    A inveja do pênis faz sentido, tanto quanto a inveja genética, que torna o homem capaz de produzir quase tudo melhor que a mulher. A individualidade genética fala alto nessa questão, homem e mulher possuem características bem diferentes, não só a raça humana, mas outros mamíferos também.

    Talvez o instinto de sobrevivência torne a mulher tão dissimulada e manipuladora. Ela precisa do homem, mesmo querendo não precisar, isso talvez frustre. Como uma criança que quer brincar no parque, mas depende dos cuidados do pai.

    O posicionamento das duas psicanalistas citadas soa bem como uma contrariedade devido a própria frustração, querendo influenciar futuramente o conceito mesmo que precise deturpar ou distorcer.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.