Como dormir em 5 minutos: Técnica simples para reduzir preocupação

Cerca de 40% dos adultos americanos dizem que têm dificuldade em adormecer.

Escrever uma lista de coisas a fazer para o dia seguinte antes de dormir ajuda as pessoas a adormecerem mais rápido, de acordo com nova pesquisa.

Quanto mais específica a lista, mais rápido as pessoas adormecem.

Leia também:

Dr. Michael K. Scullin, que liderou o estudo, disse:

“Nós vivemos em uma cultura 24/7 em que nossas listas de afazeres parecem estar em constante crescimento e fazendo-nos preocuparmos com tarefas inacabadas na hora de dormir. A maioria das pessoas apenas percorre as suas listas de afazeres em suas cabeças, e é assim que nós quisemos explorar se o ato de escrevê-las poderia neutralizar dificuldades noturnas em adormecer.”

As 57 pessoas no estudo escreveram por apenas cinco minutos antes de dormir.

O estudo comparou escrever uma lista de coisas a fazer com a escrita de uma lista de atividades concluídas antes de deitar.

Dr Scullin disse:

“Existem duas escolas de pensamento sobre isso.

Uma delas é que escrever sobre o futuro levaria a um aumento de preocupação com tarefas inacabadas e atraso para dormir, enquanto escrever sobre atividades concluídas não deve provocar preocupação.

A hipótese alternativa é que escrever uma lista de coisas a fazer vai ‘descarregar’ os pensamentos e reduzir a preocupação.”

A pesquisa foi conduzida em um laboratório do sono e as pessoas tiveram a sua atividade elétrica do cérebro monitorada durante a noite.

Dr Scullin foi cauteloso sobre os resultados:

“Medidas de personalidade, ansiedade e depressão podem moderar os efeitos da escrita em adormecer, e que poderia ser explorado em uma investigação com uma amostra maior.

Foram recrutados jovens adultos saudáveis, e por isso não sei se os nossos resultados se generalizam para pacientes com insônia, embora algumas atividades de escrita anteriormente têm sido sugeridas para beneficiar esses pacientes.”


O estudo foi publicado na  Journal of Experimental Psychology(Scullin et al., 2018).

Via Psyblog.





Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.